Menu Papel POP

Keke Palmer escreve carta aberta sobre protestos antirracistas: “Esperei por uma revolução minha vida inteira”

MAIS SOBRE:

Nesta terça-feira (09), Keke Palmer publicou uma carta aberta na Variety falando sobre os protestos antirracistas que estão rolando pelos EUA. Ela inclusive participou de um e fez um discurso emocionante pedindo para que os policiais marchassem com o povo.

A atriz, mais conhecida por seus papeis em “True Jackson” e “Scream Queens”, apoia o movimento Black Lives Matter – que ganhou mais visibilidade agora devido a morte de George Floyd, homem negro asfixiado por um policial branco – e escreveu na carta que escolheu “trazer o máximo de conscientização possível às injustiças na América e lutar contra a supremacia branca e o que isso faz com a nossa nação.”

Também articulou que esperou por uma revolução a vida inteira e que acredita no desmantelamento das estruturas opressoras.

“Eu escolhi me juntar aos protestos em Los Angeles para trazer o máximo de conscientização possível às injustiças na América e lutar contra a supremacia branca e o que isso faz com a nossa nação. A certa altura, conversei com os guardas nacionais que estavam nos impedindo de passar por um determinado ponto e os desafiei a marchar conosco. Nos meus sonhos mais loucos, todos marchariam conosco sem risco de punição, da mesma maneira que, se toda a turma sair da escola, ninguém será detido por isso. Se muitos deles se sentissem comovidos para fazer isso, isso ofereceria muita inspiração e impactaria o movimento de maneira muito significativa.

 

Eles não marcharam conosco e, embora um tenha se oferecido por um curto período, ele também disse que tinha que “proteger os negócios” e os edifícios na área.

 

Mas e as pessoas que estão realmente morrendo? Naquele momento, eu não estava pensando em quem pode ou não tocar em um prédio; Eu estava pensando em como estamos aqui, lutando por um chamado para proteger vidas humanas. E o governo está lhe dizendo para proteger um edifício? Isso não me agrada, e eu queria desafiá-los com a pergunta: ‘Como isso acrescenta algo em você?’

 

Enquanto alguns guardas se ajoelharam, para mim isso não é suficiente. Ajoelhar tornou-se uma espécie de zombaria. Ajoelhar-se no pescoço de George Floyd foi o que o matou. Agora vemos policiais ajoelhados e, momentos depois, atacando manifestantes pacíficos. Nesse ponto, o ajoelhamento não tem significado.

Disse que a supremacia branca é a opressão mais duradoura da América, mas não é a única. “Nem todos podemos compartilhar a experiência negra disso, mas posso garantir que quase todo mundo neste país foi oprimido de uma forma ou de outra. É a realidade do que acontece quando a doença do racismo é validada pelo sistema. Cria ainda mais divisão, nos dessensibiliza para a humanidade dos outros, a tal ponto que muitos podem ser facilmente cegos para as injustiças sociais abrangentes (…), apontou.

“Eu esperei por uma revolução, acredito, minha vida inteira. Eu sinto que é assim para muitos millennials; desde então, as mensagens sobre seguir as regras e permanecer na linha evoluíram para chamadas para se posicionar e fazer com que outras pessoas fiquem ao seu lado, desafiar a autoridade e reconhecer diferentes experiências de vida (…).

 

Eu realmente acredito que tudo o que nos levou a este momento nos preparou para uma revolução e uma revelação: o desmantelamento e a reconstrução de um sistema que seja melhor, mais equitativo e representativo das pessoas que afirma representar.

 

Portanto, embora possa ser assustador, nascemos para isso: nascemos para ser líderes e sairmos do ‘seguir regras’ porque seguir regras não é suficiente. Agora estamos sendo chamados a desafiar as regras e a desafiar o caráter daqueles que as fazem.

Acredito que sua luta é específica para você e deve vir de um lugar real ou simplesmente não funcionará. Não posso pedir a ninguém que faça o que não está disposto a fazer (…).

Morte de George Floyd

Floyd era segurança em Minneapolis, nos EUA, e foi morto no último 25 de maio após ser confundido com um suspeito. O policial o asfixiou com o joelho e o momento foi gravado em vídeo pelas pessoas que passavam. A vítima falou 11 vezes que não conseguia respirar (“I can’t breathe”, na frase original, e que até virou um slogan usado nos protestos).

Desde então, vários artistas doaram e estão participando das passeatas, como John BoyegaTessa ThompsonHalseyAriana GrandeTinasheTimothée Chalamet e mais. Nesta última terça o mundo também entrou em greve com o “Black Out Tuesday” e a hashtag The Show Must Be Paused (O espetáculo tem que ser pausado), cujo objetivo era paralisar as ações da indústria por um dia a fim de refletir e propor soluções ao racismo estrutural

Comentários

Topo