Voltar para o topo

Agora você pode adicionar o PapelPop a sua tela inicial Adicione aqui

Show do Paramore em São Paulo tem treta e Hayley Williams confusa: “Só pode vaiar quem brigar, for racista, homofóbico, transfóbico e machista”

música
Paramore, durante show no Rio de Janeiro. (Foto: Marcelo Sá Barreto/Agnews)
Paramore, durante show no Rio de Janeiro. (Foto: Marcelo Sá Barreto/Agnews)

O primeiro show do Paramore, em São Paulo, rolou no último sábado (11) e trouxe de volta duas sensações: a de nostalgia, pela quantidade de hits cantada pela banda; e estranheza. Isso porque o público se mostrou descontente o que seria um dos momentos mais emocionantes da apresentação.

Durante a faixa “Misery Bussiness”, a cantora Hayley Williams tem o hábito de convidar fãs a subirem para cantar com ela.

Segundo relatos colhidos no Twitter, os escolhidos da data eram membros de fã clubes que haviam acampado nas imediações do Centro Esportivo Tietê, local que aconteceu a apresentação. Eles teriam, também, se revezado com outros fãs a fim de garantir os primeiros lugares na fila.

O tal acampamento, que é comum no Brasil em ocasiões de shows internacionais, teria sido proibido pela empresa responsável pela organização dos eventos, a T4F, em comum acordo com o CET e a Polícia Militar de São Paulo.

A confusão foi ainda maior porque, no Rio de Janeiro, a cantora fez uma brincadeira rivalizando a cidade com São Paulo. O show na capital carioca aconteceu no último dia 9 de março.

Ao conversar com o público do Rio, Hayley disse que os fãs paulistas precisariam se esforçar para fazer uma noite tão bonita quanto aquela.

Voltando para o show de São Paulo, quando o grupo convidado subiu ao palco, a plateia decidiu não interagir e começar uma série de vaias, muito porque, um dos integrantes que foi convidado para participar deste momento, teria supostamente furado a fila prévia do evento.

Passado o frenesi e sem entender muito bem o que estava acontecendo, Hayley Williams conversou com o público presente.

“Eu não ligo. É confuso. O que quer que eles tenha sido, só pode vaiar quem brigar, for racista, homofóbico, transfóbico e machista, um pedaço de merda. Não constranjam seus amigos no palco. Obrigada, obrigada, obrigada”.

O show, que encerrou a passagem da banda pelo país após um hiato de doze anos, seguiu sem mais incidentes. Atualmente, o grupo divulga o LP “This Is Why”, lançado no mês de fevereiro.

voltando pra home