Menu Papel POP
Foto: Reprodução

Objetos pessoais de Marilyn Monroe vão a leilão 60 anos depois da morte

Um verdadeiro mito da cultura pop, Marilyn Monroe morreu há exatos 60 anos. Na penúltima semana de dezembro, mais precisamente nos dias 17 e 18, a artista deve ter cerca de 175 objetos pessoais leiloados. A estimativa de arrecadação, de acordo com o jornal espanhol El País, deve ser de 80 mil dólares.

Organizada pela casa de leilões Julien’s Auction, a subasta deve incluir entre outras raridades uma carta escrita de próprio punho pela artista a Charles Stanley Gifford, recentemente descoberto como sendo seu pai biológico por meio de um exame de DNA.

Há também documentos com dedicatórias feitas ao ex-marido, Arthur Miller, produtos de beleza como barons, cílios postiços e sombras de olho. Vestidos icônicos também integram o acervo.

Os grandes números em torno do legado da atriz não são novidade. Neste mesmo ano, a famosa serigrafia de Monroe feita por Andy Warhol na década de 1960 se tornou um marco na história norte-americana ao ter sido vendida em um leilão beneficente por impressionantes US$ 195 milhões (algo em torno de R$ 1 bilhão).

A cifra exorbitante confere à obra o título de quadro mais caro já vendida nos Estados Unidos, superando a marca anterior, alcançada por uma pintura de caveira deixada pelo amigo de Warhol e também pintor Jean-Michel Basquiat (US$ 110,5 milhões).

Em “Blonde”, filme também lançado em 2022, a atriz Ana de Armas abraça a narrativa apresentada na obra de Joyce Carol Oats, que se baseia na fama de Monroe para abordar um romance culminado pela fama. O projeto está na Netflix.

Comentários

Topo