Menu Papel POP
Divulgação / Netflix

Caso Jeffrey Dahmer – Evan Peters fala sobre preparação para interpretar o serial killer na Netflix: “Muito assustado”

Em entrevista sobre os bastidores de “Dahmer: Um Canibal Americano”, da Netflix, Evan Peters contou como foi a sua preparação para interpretar um dos assassinos em série mais notórios da história dos Estados Unidos. Criada por Ryan Murphy, a minissérie com 10 episódios estreou no último dia 21.

Na produção, o astro de “American Horror Story”  vive o criminoso que matou 17 homens e garotos entre 1978 e 1991. Ele também abusava sexualmente e depois comia ou dissolvia os corpos de suas vítimas em galões de ácido. A série dramatiza pelo menos 10 casos em que ele quase foi preso, mas acabou solto, mergulhando na incompetência e apatia da polícia.

O ator explicou que, no começo, ele tinha uma “tela em branco” em relação à Jeffrey Dahmer, lembrando apenas das imagens da polícia saindo da cena do crime. Foi quando Murphy lhe enviou os roteiros que ele passou pesquisar e conhecer mais à fundo a história do criminoso.

“Ryan me mandou os roteiros e depois ligou e disse: ‘Dahmer é interessante porque está quase arrependido e tem culpa e uma espécie de confusão sobre o que aconteceu, realmente não tem o sorriso encantador e travesso. Ele é um tipo dócil e reservado e quase dissociado do que ele fez'”, lembrou Peters.

Ele contou que, após a conversa, Murhy o aconselhou a assistir a entrevista de Dahmer com Stone Phillips. O ator também se dispôs a ler biografias e teve acesso ao boletim de ocorrência e à confissão do assassino.

Para Peters, foi “de cair o queixo” imaginar que tudo aquilo realmente aconteceu, principalmente pela forma “sincera e normal” que Dahmer detalhava seus crimes.

“Parecia importante ser respeitoso com as vítimas, com as famílias das vítimas, para tentar contar a história da forma mais autêntica possível”, afirmou o ator. “Ele fez essas coisas, mas você não precisa embelezá-las. Nós entendemos, não precisamos ver isso repetidamente.”

Sobre mergulhar na vida do serial killer para poder interpretá-lo de forma autêntica, Peters afirmou que sabia que seria “uma das coisas mais difíceis” que já fez na vida, pois “estava muito assustado com as coisas que ele fez”. “Para fazer isso, eu teria que ir para lugares muito escuros e ficar lá por um longo período de tempo”, refletiu.

O ator contou que a equipe foi fundamental para mantê-lo com os pés no chão, fazendo com o que o trabalho se tornasse mais leve para todos. Segundo ele, a única regra que Murphy estabeleceu foi que a história nunca deveria ser contada do ponto de vista do criminoso, pois a ideia não era fazer o público criar empatia.

“Chama-se ‘A História de Jeffrey Dahmer’, mas não é só sobre ele e sua história, são as repercussões, a sociedade”, avaliou Peters. “Como a sociedade e nosso sistema falharam em detê-lo várias vezes, por causa de racismo, homofobia. […] A história de Jeffrey Dahmer é muito maior do que apenas ele”, concluiu.

Assista:

Comentários

Topo