Menu Papel POP
Foto: Divulgação

Björk leva orquestra brasileira para um show emocionante e cheio de clássicos no Primavera Sound São Paulo

O primeiro dia do Primavera Sound São Paulo era de grande expectativa, pois um dos nomes mais únicos e originais da música estava voltando ao Brasil depois de quinze anos. Björk esteve aqui em 2007, na época do lançamento do álbum “Volta”, e, agora, quatro discos depois, retornou com uma turnê que transforma seus sucessos clássicos e suas músicas recentes ao trazer uma orquestra para o palco. Que momento!

Björk trouxe o show “Orkestral” e o time de musicistas já foi uma bela homenagem ao Brasil: para acompanhá-la, estava a Orquestra Bachiana Filarmônica, de São Paulo. O formato mostrou como a islandesa domina a arte da música: ela esteve envolvida na criação de todos os novos arranjos e trouxe um tom para o palco que, ao mesmo tempo em que cria um ambiente mais íntimo com o público, também adiciona um toque dramático para as composições que já são cheias de sentimentos.

O álbum “Vulnicura” foi o grande centro da turnê. Björk abriu o show com “Stonemilker” e ainda cantou “Lionsong”, “Quicksand” e “Notget”. Ela também trouxe os clássicos de vários álbuns do começo da carreira. “Aurora”, do “Vespertine”, foi logo a segunda música e “I’ve Seen it All”, do filme “Dançando no Escuro”, esteve presente. Mas o público se emocionou mesmo na vez de “Hunter”, “Pluto” e “Jóga”, do “Homogenic”, e “Isobel”. Ela ainda cantou pela primeira vez ao vivo a faixa “Ovule”, do recente disco “Fossora”.

O show queria sempre a música em primeiro plano. Por isso, o palco simples fez com que a orquestra e a cantora ficassem com uma força gigante em frente ao público. Inclusive, o show foi durante o pôr do sol, algo que a cantora disse em entrevistas que fazia questão para essa apresentação. Daquele jeito tímida que a conhecemos, Björk soltou alguns “Obrigado” e “Boa noite” em português, além de dizer que se sentiu surpresa ao ver que tanta gente conhecia as músicas dela.

“Orkestral” surpreendeu a todos, trazendo um toque clássico para o palco de um festival. Pudemos conhecer Björk fazendo música na mais pura forma ao vivo. Valeu a pena os 15 anos de espera para vê-la no Primavera Sound São Paulo dessa forma!

***Björk não permitiu que fotos fossem feitas durante o show.

Comentários

Topo