Menu Papel POP
Foto: Divulgação

Rosalía, Manuel Turizo, C. Tangana e mais: os artistas pop que estão fazendo a bachata voltar mundo afora

A música pop é cíclica, não há nenhum segredo nisso. Mas, de tempos em tempos, um gênero acaba chamando mais a atenção nesse vai e vem de tendências. Tradicional da República Dominicana, a bachata tem voltado com força nos últimos anos e feito novas conexões com o pop.

Entre as canções mais recentes embaladas pelo ritmo estão parcerias como a de Rosalía com The Weeknd, em “La Fama”. Ela foi o carro-chefe do álbum “MOTOMAMI“, lançado em março, e trouxe uma nova luz sobre essas conexões ao empregar uma estética bastante minimalista. Não é um caso isolado. Outros artistas de enorme alcance redescobriram essa poderosa fonte criativa quando se deseja tratar de amor e paixão com intensidade.

Abaixo, você relembra 5 estreias recentes que cumprem bem esse papel – e ainda te fazem querer dançar coladinho com o/a @.

“La Fama” (Rosalía e The Weeknd)

Já pensou em ver The Weeknd cantando em espanhol? Nem ele, muito menos Billie Eilish, mas Rosalía (tinhosa que só) conseguiu esse feito. Botou os gringos pra cantar e com uma pronúncia perfeita. Em “La Fama”, faixa que abriu os trabalhos de seu mais ousado projeto musical em parceria com o talentoso Abel, ela brinca com os perigos do estrelato em uma produção audiovisual que explora ao máximo o caráter controverso da bachata.

Ele oscila entre a delicadeza do sentir e a intensidade infinita do amor romântico, convidando o ouvinte a deixar que ambos o seduzam, mas só até certo ponto. É preciso lembrar: com eles, todo cuidado é pouco… o risco de se apaixonar é alto.

 

“Ateo” (C. Tangana e Nathy Peluso)

Há também “Ateo”, controversa colaboração do espanhol C. Tangana com a argentina Nathy Peluso. O clipe, gravado na Catedral de Toledo, gerou críticas e repúdio por parte da Igreja Católica. À época da estreia, nós até elencamos alguns pontos altos da produção (relembre clicando aqui). Em uma dança interminável e cheia de química, eles cantam versos sobre um amor poderoso, capaz até mesmo de converter os corações mais desacreditados.

Um amor que supera tudo, inclusive, o assédio provocado pela fama, que provoca escrutínio e julgamento constante, impedindo-os de ter uma vida convencional. Ao assistir, é possível até mesmo sentir o calor do verão entrando pelos poros. Sensacional!

“La Bachata” (Manuel Turizo)

Esta, sim, é uma novidade completa. Nesta sexta-feira (27), o colombiano Manuel Turizo também decidiu se aventurar em busca da batida perfeita. Ele acaba de lançar a melódica canção “La Bachata”, que resgata uma estética bastante famosa da década de 1990 e que reforça. O videoclipe (que você confere acima) não traz exatamente um roteiro bem estipulado, mas é uma boa oportunidade de observá-lo resgatando algo imprescindível aos cantores do gênero: a sensualidade e a pose de galã.

“Te Espero” (Prince Royce e Maria Becerra)

Gravado ao longo de duas diárias em Buenos Aires, na Argentina, o clipe de “Te Espero” representa bem essa química existente entre Prince Royce (um veterano da bachata) e a iniciante Maria Becerra, além de reforçar o impacto da música em si. A começar pelo fato de que ela traz referências essenciais para a trajetória de Royce como a banda britânica Cutting Crew e um sample da faixa “(I Just) Died In Your Arms”, um clássico!

Em suma, o material é uma combinação perfeita de vocais em diferentes frequências e desse romantismo inerente às obras de ambos os intérpretes – mas também dos próprios caminhos sonoros que resolveram tomar neste capítulo.

“Cuento Breve” (Natti Natasha)

Eis a única estreia solo feminina deste compilado! A nossa lista se encerra com uma paisa da própria bachata. No disco “Nattividad”, que marcou seu retorno após a gestação da filha Vida, a cantora e compositora Natti Natasha fez questão de trazer uma faixa inspirada nesse movimento.

Melancólica, apoiada em um tradicional drama latino, a letra representa bem essa essência derramada que muitas vezes as canções do tipo costumam demonstrar. “Por que o amor quando não mata, morre/Vou ler mil vezes o nosso conto breve/As nuvens se pintam e cinza e não chove/Você passa a sua vida enganando a quantas pode“, diz uma das estrofes. Perfeita para curtir uma fossa daquelas!

***

Quer ouvir mais? Toma aqui uma playlist do Filtr Latino, com vários e vários hits do gênero

Comentários

Topo