Menu Papel POP

Billie Eilish comenta suas vitórias no Grammy e como melhorou a autoimagem

MAIS SOBRE:

Capa de primavera e verão da revista Dazed, Billie Eilish comentou sobre diversos assuntos, desde sua vitória massiva no Grammy 2020, o que gerou até comentários maldosos sobre a artista na internet, à aceitação do seu corpo e também a sexualização que sofre.

A artista, que ganhou 5 Grammys das seis categorias que estava indicada, incluindo Canção do Ano, Artista Revelação e Álbum do Ano, revelou que ficou maculada na hora de receber os maiores prêmios da noite:

“Fiquei muito surpresa. E eu estava envergonhada, cara, eu estava fodidamente envergonhada. Eu na frente de Ariana Grande e Lana Del Rey e a porra da Beyoncé foi indicada, e eu venci. Eu estava tipo ‘Nããão’. Eu não mereço isso. Eles merecem isso'”

Já sobre aceitação de seu corpo, a cantora de “bad guy” comentou um ocorrido chato de 2019. Ela publicou uma foto de regata, bem diferente de suas camisetas largas que geralmente usa, e foi alvo de vários ataques e homens a sexualizando.

“Vi comentários como: ‘Como ela ousa falar sobre não querer ser sexualizada e usar isso?!’ A foto estava bombando [na internet]. Houve comentários tipo: “Eu não gosto mais dela, porque assim que ela completar 18 anos ela é uma p***.” Tipo, cara. Eu não posso ganhar. Não consigo vencer”.

A artista chegou a se sentir tão desconfortável dentro de si mesma que evitava se olhar por completa:

“Houve um ponto no ano passado em que eu estava nua e não reconheci meu corpo porque não o observava há um tempo. Às vezes, eu via e ficava tipo: ‘De quem é esse corpo?'”

Desde então, Eilish comentou que sua sua autoimagem melhorou um pouco: “Não é que eu goste (do meu corpo) agora, apenas acho que estou um pouco melhor com isso”. Vale ressaltar que, recentemente, a artista abriu sua turnê com um vídeo, no qual se despia e criticava os padrões de beleza impostos às mulheres.

“Se eu usasse um vestido, seria odiada por isso. As pessoas ficariam tipo: ‘Você mudou, como se atreve a fazer o que sempre se rebelou contra?’, e eu responderia: ‘não estou me rebelando contra nada, na verdade’. Não posso enfatizar o suficiente. Só estou vestindo o que quero vestir. Se houver um dia em que eu fale: ‘Sabe, eu me sinto confortável com a minha barriga agora e quero mostrá-la’, eu deveria poder fazer isso”.

Billie comentou sobre a época que não queriam tocar suas músicas no rádio por serem muito tristes:

“As pessoas não tocavam minha música no rádio por dois anos porque pensavam que não era feliz o suficiente. É tipo, mano, você já ouviu’ Run for Your Life’ dos malditos Beatles?’ ‘Eu prefiro vê-la morta do que com outro homem’. Esse é o refrão!”

Marina (ex-The Diamonds) também foi convidada para falar sobre Eilish à revista, e só rasgou elogios: “Artistas como ela aparecem muito raramente.”Ela é uma disruptora no melhor sentido”.

A dona das vozes em “Ocean Eyes” lançou seu álbum de estreia “When We All Fall Asleep, Where Do We Go?” em 2019 e, neste ano, soltou “No Time to Die”, para a trilha sonora do novo filme do James Bond.

Comentários

Topo