Menu Papel POP

Rami Malek diz ter exigido que personagem em filme de James Bond não fosse ligado à religião

Nada de estereótipos aqui. Rami Malek revelou que só aceitou ser o vilão do novo filme de James Bond — um terrorista — com a condição de que seu personagem não fosse ligado a qualquer tipo de religião. A informação foi revelada durante uma entrevista, publicada nesta terça (2), no tabloide Daily Mirror.

Como principal motivo para esta especificação, o ator disse que não queria que sua origem egípcia servisse para reforçar uma ideia de preconceito. Sobre a conversa que teve com o diretor do filme, Cary Fukunaga, o ator comentou o seguinte:

“Eu disse ‘Nós não podemos identificá-lo com nenhum ato de terrorismo referido a ideologia e religião. Se essa é a razão de eu ser a sua escolha, então não conte comigo'”.

Por sorte, essa não era a intenção do cineasta e Rami acabou aceitando o papel. Apesar de ter já até ter recebido um Oscar este ano por sua atuação como Freddie Mercury em “Bohemian Rhapsody“, o artista afirmou que sente um peso considerável com este novo projeto em seus ombros:

“Bond é algo com o qual todos crescemos”.

Como noticiamos anteriormente, as filmagens do 25º longa de James Bond sofreram alguns imprevistos como o acidente de Daniel Craig  — protagonista da franquia. Mesmo assim, o lançamento da obra se manteve cravado no dia 8 de abril de 2020.

Quem aí tá ansioso?

Comentários

Topo