Menu Papel POP

Orgulho na música: 11 artistas LGBTQIAP+ para conhecer e enaltecer

​​Bora conhecer artistas queer brasileiros que estão dando o nome por aí? A Parada passou, mas é preciso e necessário enaltecer os talentos LGBTQIAP+ nacionais o ano inteiro! Então, nada melhor do que tirar um tempo para conhecer as vozes musicais da sigla que estão produzindo um grande trabalho e sendo resistência, criando um espaço ainda mais diverso na indústria musical. Por isso, listamos aqui onze nomes que você precisa conhecer já!

Falando em dar visibilidade a novos artistas, a própria Pabllo Vittar encabeçou um projeto incrível com o Mercado Livre justamente para que cada vez mais pessoas conheçam novas vozes e talentos queer! Em “Mais Uma Voz”, artistas emergentes puderam criar o próprio feat com a cantora de um jeito muito rápido e fácil: baixando um pack musical na Feat Store de Mercado Livre, que contava com trilhas e vozes da Pabllo para cada um produzir a própria música com ela e divulgar nas redes sociais. Saiba tudo sobre o “Mais Uma Voz” no fim da nossa lista ou acessando o site do projeto! Prontos para o play?

Mia Badgyal

Você com certeza ainda vai ouvir falar mais de Mia Badgyal pois a cantora está vindo com o primeiro álbum da carreira. Com o título de“Emergência” ele deve ser lançado este ano e na última quinta-feira, dia 23 de junho, a talentosa lançou o single “Loka”. Paulistana, ela é a dica perfeita se você gosta de um pop que traz misturas com diversos outros gêneros. Foi com “Na Batida”, single lançado em 2017, que Mia ganhou destaque no cenário LGBTQIAP+. Em 2019, a mesma fez a estreia de seu primeiro EP, “MIA”, em que mostra toda a sua versatilidade artística, passeando entre as referências brasileiras, latinas e eletrônicas.

Danna Lisboa

Danna Lisboa chega com um EP fresquinho chamado “LI$HO”, lançado neste mês de junho, e é o terceiro de outros trabalhos para você conhecer. A cantora, preta e travesti, explora em suas músicas Rap, R&B, Soul, Pop, Funk e música eletrônica. Que riqueza! Danna é paulistana e já conquistou prêmios com trabalhos anteriores como “Melhor Atuação” no FilmWorks Film Festival 2017, com o clipe “Cidade Neon”, participou da série “Manhãs de Setembro”, da Amazon Prime, e lançou uma música com a Gloria Groove, chamada “Quebradeira”.

Quebrada Queer

O Quebrada Queer se consagrou ao ser o 1º coletivo de rap LGBTQIAP+do mundo. Formado em 2019 por Harlley, Murillo, Guigo, Boombeat e Tchelo, o grupo traz diferentes vivências em suas rimas para dar ainda mais potência às vozes marginalizadas da sigla. Uma prova disso é o single “ABC do QQ”, lançado este ano. No clipe, o coletivo cria um cenário escolar fazendo uma crítica à opressão que crianças LGBTQIAP+sofrem em salas de aula e ainda traz referências à histórias de luta: Tia Ciata, símbolo da resistência negra pós-abolição e uma das principais incentivadoras do samba quando as rodas ainda eram proibidas; e Luana Barbosa, mulher, preta e lésbica assassinada após uma abordagem policial em 2016. O disco mais recente, “HoloForte”, faz o rap combinar com pagode, funk e R&B.

Nick Cruz

Nick Cruz, de Espírito Santo, faz a linha bad boy mas também entrega muito romantismo em suas músicas que trazem bastante do pop com rap e uma pegada bem melódica. No ano passado, o cantor trans se tornou uma aposta do pop e lançou várias faixas como “Cato Cato” com a Urias, “Então Deixa” e “Sol no Peito”. As inspirações dele são as mais diversas e também um exemplo de como o artista é versátil em suas músicas. Tim Maia, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Justin Timberlake, Chris Brown, Justin Bieber, Gloria Groove, Liniker e Linn da Quebrada são alguns dos nomes que influenciam no som de Nick Cruz.

WD

Washington Duarte, mais conhecido pelo nome artístico WD, já tem 14 anos de carreira musical e esteve presente em programas como “Qual é o Seu Talento”, “Ídolos” e “The Voice Brasil”. Agora, WD dá um enorme passo na carreira após ter assinado com uma grande gravadora nacional e prepara uma nova série de lançamentos para ainda este ano, com “Periferia”, lançado recentemente. WD é um prato cheio para fãs de rap e R&B, trazendo em suas canções questionamentos em torno do preconceito, resistência e representatividade negra.

Ana Gabriela

Essa é para quem ama uma voz e violão e um som bem gostoso para ouvir pensando em crushes! Nascida em São José dos Campos, Ana Gabriela é lésbica e traz vida amorosa em suas composições. Em 2020 lançou o primeiro álbum, “Ana”, que conta com composição de Ana Caetano do Anavitória (“Teu Nome Imita o Mar”) e ainda conta com Melim em “Não te largo, não te troco”. Neste ano, lançou “Degradê”, uma música perfeita se você curte MPB! Ana Gabriela é uma artista que não pode faltar na playlist para ouvir com o mozão numa tarde bem romântica.

JUPI77ER

Jupi77er é de São Paulo e chamou atenção recentemente justamente por cantar a parceria do projeto “Mais Uma Voz” com Pabllo Vittar durante a Parada do Orgulho LGBTQIA+! Trans não-binarie, Jupi77er é MC, poeta, compõe e faz parte do Rap Plus Size! Inclusive a dupla lançou recentemente o EP “Revoada”, que você precisa conhecer!

Rhaissa Bittar

Rhaissa Bittar é cantora, diretora de videoclipes, atriz e idealizadora do Sarau As Mina Tudo. Nascida em Santos, ela já tem três álbuns lançados: João, Matéria Estelar e Voilà. Recentemente, lançou “gErÚnDiO”, que olha… a sonoridade é uma experiência! O som dela foge completamente da caixa e com certeza irá te prender!

Bixarte

Bixarte é o nome artístico de Bia Manicongo, rapper paraibana e ativista travesti. Ela lançou o primeiro álbum, “Faces”, em 2019 com apenas 18 anos e coloca em suas composições a realidade que vive e trás identificação aos LGBTQIAP+pelo rap. “Teu rap é pra macho bombado, o meu é pra trava bolada. As sapa sempre do meu lado. As bixa tão tudo armada”, do single mais recente, “Black Bitch Travesti” é um exemplo disso! Também recomendamos “Àrólé”, faixa lançada em 2021 que traz bastante do candomblé, tanto na composição quanto na sonoridade!

Katy da Voz E as Abusadas

Elas chegaram para barbarizar! Katy da Voz forma um trio com Diego Bueno e Palladino Proibida (as abusadas), trazendo um som escancarado e popular, com um clima de causação entre amigas que a gente ama! O som dela vai de funk ao tecnobrega, apenas com composições que têm sempre a cara de áudio que você mandaria bêbada contando algo inacreditável que aconteceu na sua noite para alguém no whatsapp! Hahahaha.

Mandaa Lopes

Mandaa Lopes é de São Paulo e a relação dela com a música já existe há mais de oito anos! Nesse ano, lançou “Larissa” com MC Robs, um trap sobre como ela está apaixonada por uma mulher intensa que a deixa louca! Além disso, lançou também a romântica “Júlia”, o funk “Analice”, “Saudade” e “Ei Moça”. Mandaa também é dona de um projeto apenas de mulheres da comunidade LGBTQIAP+ chamado D(elas).

“Mais Uma Voz” é uma campanha do Mercado Livre com Pabllo Vittar, criada para enaltecer artistas LGBTQIAP+ independentes. Se você está aí trabalhando na sua carreira musical, que tal participar? O Mercado Livre lançou um site chamado Feat Store, nele você pode baixar um pack musical com trilhas e vozes da Pabllo Vittar para você mesmo montar a sua própria parceria inédita com ela e compartilhar nas redes sociais. Durante todo o mês do Orgulho, o Mercado Livre irá publicar feats nas redes sociais para divulgar artistas independentes de todas as letras da sigla! É só compartilhar a sua criação nas redes usando a hashtag #maisumavoz. Bora participar também, a Feat Store está no ar até 8 de julho!

Inclusive, já dá para ver vários artistas lançando o próprio feat procurando por #MaisUmaVoz nas redes sociais. Estamos amando acompanhar por aqui!

Comentários

Topo