Menu Papel POP
Reprodução / YouTube

“Hunt”: Lee Jung-Jae diz que sua estreia na direção é tão política quanto “Round 6”

MAIS SOBRE:

Em entrevista à Variety, durante o Festival de Cannes 2022, que começou na última terça-feira (17), Lee Jung-Jae falou um pouco sobre como foi estrear como diretor em “Hunt“, que está sendo exibido pela primeira vez no evento. Ele se tornou reconhecido mundialmente por interpretar o protagonista de “Round 6“, um dos maiores sucessos da Netflix nos últimos anos.

“Em vez de controle, eu diria que tivemos muitas conversas com os atores. Primeiro, escutei o que eles queriam expressar por meio desse roteiro. Então eu conversei com eles sobre o que eu achava que eles precisavam fazer. Era mais como trabalho em equipe”, disse o ator. “Como atuo há algum tempo, lembro que onde havia conversas com o diretor, minha atuação era mais natural”, explicou. 

O filme, ambientado nos anos 80, acompanha um agente de elite que trabalha para a Agência de Segurança e Planejamento Nacional da Coreia do Sul. Uma de suas missões o leva à caça de um espião da Coreia do Norte, fazendo-o abrir os olhos para as verdades sombrias de seu próprio país. A estreia mundial acontece amanhã, 19 de maio. 

Assim como “Round 6” analisa questões sociopolíticas sob o viés da luta pela sobrevivência, Lee contou que “Hunt” (ou “Namsun”, em coreano) aborda questões sobre desinformação, propaganda e manipulação política.

“O filme foi ambientado há 40 anos, no início dos anos 1980. E naquela época havia muito controle da mídia, controle sobre informações e fake news. Pensei que, agora que estamos em 2022, não veríamos mais isso. Mas ainda tem muita gente processando informações a seu favor, fazendo fake news e propaganda”, refletiu. “Isso é relevante até hoje. Eu pensei que se eu usasse esse assunto para fazer um filme, poderia realmente chegar ao coração das pessoas.”

Além de dirigir, o sul-coreano também ficou responsável por dar vida ao protagonista. Ele se envolveu no projeto após comprar os direitos e reescrever o roteiro. Ele chegou a deixar que outros cineastas assumissem o projeto, mas nenhum conseguia imprimir a história da forma que ele queria, o que o fez tomar a frente da produção. 

Apesar de ganhar reconhecimento mundial após o sucesso de “Round 6”, Lee é um artista estabilizado na Coreia do Sul desde o final dos anos 1990. Após conseguir o sucesso internacional, ele se tornou o primeiro asiático a ganhar o Critics Choice e o Screen Actors Guild Awards como Melhor Ator de Drama. Porém, ele espera que nem sempre seja assim. 

“Espero que mais tarde não precisemos colocar limites como homens asiáticos e homens não asiáticos”, disse ele à revista. “Espero que esse limite não precise existir daqui para frente.”

Comentários

Topo