Menu Papel POP
(Foto: Metro-Goldwyn-Mayer Pictures / Divulgação)

Capa da Vogue, Lady Gaga fala sobre interpretar Patrizia Reggiani em “House of Gucci”

As edições britânica e italiana da Vogue compartilham, pela primeira vez, a mesma artista em suas capas: Lady Gaga. Na revista, a estrela é fotografada por Steven Meisel e entrevistada pelo jornalista Giles Hattersley sobre “House of Gucci”.

Ela começa falando sobre interpretar Patrizia Reggiani, socialite condenada pelo assassinato de Maurizio Gucci na década de 1990, no novo filme. “Serei totalmente honesta e transparente: vivi como ela por um ano e meio. E falei com sotaque durante nove daqueles meses. Eu nunca saí da personagem”, conta.

“Comecei a tirar fotos também. Não tenho evidências de que Patrizia era fotógrafa, mas pensei nisso como um exercício para descobrir seus interesses na vida, então levei minha câmera a todos os lugares. Percebi que Patrizia amava coisas bonitas. Se algo não era bonito, eu deletava”, continua Gaga.

A atriz e cantora diz que, se não tivesse a profissão que tem hoje, poderia gostar de ser uma repórter. De acordo com ela, o “espírito jornalístico” foi um grande auxílio para montar sua própria Reggiani a partir de recortes de jornais e gravações. “Fiquei fascinada com a jornada dessa mulher”, relembra.

Gaga também revela sua preocupação com o sotaque. “Comecei com um dialeto específico de Vignola, depois trabalhei na forma de falar da classe alta, mais apropriada em lugares como Milão e Florença. No filme, você perceberá que é um pouco diferente dependendo de com quem estou falando”, explica.

“Fazer este filme foi a experiência de uma vida inteira porque a cada minuto de cada dia eu pensava em meus ancestrais da Itália e no que eles fizeram para que eu pudesse ter uma vida melhor. Eu só queria deixá-los orgulhosos”, compartilha a artista.

Confira as capas, fotos e a reportagem completa:

Além de Lady Gaga, “House of Gucci” também conta com Adam Driver, Jared Leto, Al Pacino e Jeremy Irons no elenco. O longa chega aos cinemas norte-americanos em 26 de novembro.

Comentários

Topo