Menu Papel POP
ViVersão solo chegou em julho (Foto: Divulgação/Roncca e Leo Aversa)

Illy e Adriana Calcanhotto reimaginam musas na versão acústica de “O Que Me Cabe”

A travessia do Atlântico que tantas vezes fez Adriana Calcanhotto conduziu-a não apenas ao encontro de velhos amigos, como também à inesgotável fábrica do poema – um espaço particular em que palavras e versos são mentalmente lapidados.

Foi em Portugal, durante um diálogo com o amigo Gabriel Muzak, que a artista recebeu a inspiração necessária para a criação de “O Que Me Cabe”, composição que agora ganha vida na voz da musa baiana Illy.

Semanas após a estreia de uma versão solo, a novidade incorpora agora arranjos inéditos pautados pela tradicional veia acústica, a que se somam ainda os vocais de Adriana.

“Quando ela mandou a música tocada só no violão, me apaixonei de primeira. Decidi que seria o nome do disco e que iria gravar com ares de arrocha futurista para ter unidade com o resto das faixas, que serão solares”, conta Illy.

Mesmo encantada pelo “arrocha futurista” criado por Guilherme Lirio, a gravação intimista com a voz de Adriana seguiu rondando seus pensamentos. “Foi por isso que decidi convidá-la para essa espécie de faixa bônus do álbum”.

É a partir das cores usadas clássico álbum da artista, lançado em 1994, que se cria também a capa deste novo projeto.

O resultado é uma canção elegante e liricamente provocativa que se desdobra na função de dimensionar o espaço ocupado por musas na vida e em refrãos musicais. São estas figuras que “no escuro, espelho ou silêncio” se percebem cercadas por ilusões e que refletem como opostos dor e felicidade? É o que ambas respondem.

“O Que Me Cabe” é o carro-chefe do novo disco de Illy, trabalho que chega na esteira de “Te Adorando Pelo Avesso”. Neste projeto lançado em 2020, a cantora baiana se dedica ao repertório de Elis Regina.

Com a promessa de lançar um single por mês até o início de 2022, Illy convida para seu time de produtores nomes como Ana Frango Elétrico, Baco Exu do Blues, Gabriel Loddo, Iuri Rio Branco, Kassin, Marlon Sette, Moreno Veloso, Paulo Mutti e Pupillo.

Comentários

Topo