Menu Papel POP
Curadoria reúne desde lançamentos a produções clássicas (Foto: Divulgação)

Redação do Papelpop escolhe séries que entreteram e ajudaram a segurar a barra que foi 2020

Vamos falar sério? O ano de 2020 não tem sido nada fácil e durante esse aparentemente interminável período de isolamento tivemos que nos reconectar com nossos interesses, gostos e afinidades. Não resta dúvida: a relação com o streaming mudou pra melhor e ao longo desse meio tempo as produções audiovisuais se mostraram uma forma de nos ajudar a manter a saúde em dia. Sabe como é, espantar a tristeza e mergulhar em boas doses de entretenimento.

Mas vem cá… já se perguntou o que a redação do Papelpop andou assistindo nas horas vagas pra ajudar a segurar essa barra? Quais séries tocaram os nossos corações, embalaram nossas tardes e noites? As respostas estão neste post, que reúne a partir de breves depoimentos uma série de dicas pra você que tá em recesso, de férias, com muitas horas vagas pela frente… Se joga!

“I May Destroy You”

Por Phelipe Cruz, editor-chefe

Onde assistir: disponível em HBO Go

Foi difícil ver. E eu vi durante um ano que já era difícil. Eu, sendo homem, já foi horrível ver. Então eu imagino para as mulheres. “I May Destroy You”, da HBO, aborda temas sérios como abuso, assédio, estupro, racismo, machismo e outros problemas sérios no mundo que vivemos atualmente, com internet, julgamentos, cancelamentos, etc. Mostra muito bem como a internet reage quando casos assim acontecem e são expostos online, mas, faz isso com muita inteligência, muito humor e muita sensatez. Tudo culpa da genial Michaela Coel, que estrela e escreve a série. Não foi só uma das melhores séries de 2021, mas também uma das séries mais criativas e bem-humoradas de drama que já vi na vida. Como conseguir falar de temas tão pesados com tanta maturidade, responsabilidade e… humor? A Michaela consegue. Uma porrada pra assistir e ao mesmo tempo uma delícia de tão inspiradora.

Eu Nunca

Por Felipe Dantas, produtor e podcaster

Onde assistir? Disponível na Netflix.

“Essa foi uma série que eu fiquei triste por ter acabado, porque adorei. Leve, engraçada e ao mesmo tempo ainda aborda assuntos sérios, importantes, como sexualidade e costumes culturais. Chorei e ri ao mesmo tempo em vários episódios e me identifiquei muito com a Devi, pois também fui um nerdzinho ambicioso. Um acerto da Mindy Kaling: mostrar como é a adolescência de uma garota de família indiana nos EUA. A série é um recorte inédito para um tema que muitas vezes pode passar “batido”.

The New Pope

Por Guilherme Araujo, redator-chefe

Onde assistir? Disponível na HBO GO.

“Já tinha assistido a primeira temporada, em 2017, e adorado – o que me fez aguardar o segundo ano com a maior expectativa. Desta vez, John Malkovich entra no elenco e não decepciona ao encarnar um pontífice divertidíssimo! Imagine… um ex-aristocrata, famoso por converter anglicanos ao catolicismo, do dia pra noite se transforma na figura mais importante da fé Cristã! É uma narrativa que trata, acima de tudo, sobre as relações de poder (e você, independente da fé que professe, ou não, certamente vai se identificar em algum momento). O único pecado talvez seja a rasura de discussões teológicas. Mas pra isso, convenhamos, já temos realidade de sobra. Se pudesse destacar um ponto, pra além das atuações, este seria a riqueza da iconografia religiosa. Acho um luxo!”.

Cobra Kai

Por Ana Luíza Aragão, revisora

Onde assistir? Disponível na Netflix.

“Das várias séries que maratonei neste ano, cito ‘Cobra Kai’, que é uma espécie de ‘spin-off’ da trilogia ‘Karatê Kid’, sucesso dos anos 1980. Para uma pessoa amante da nostalgia como eu, a narrativa é perfeita, a começar porque ela traz o retorno dos atores protagonistas da trilogia, Ralph Maccio (Daniel Larusso) e William Zabka (Johnny Lawrence). ‘Cobra Kai’ também alterna cenas atuais com flashes do passado, o que dá um novo frescor à história! A terceira temporada está para sair. Não vejo a hora!”.

Maravilhosa Sra. Maisel

Por Bruna Nogueira, redatora

Onde assistir? Disponível na Amazon Prime Video.

“A série que salvou meu 2020 foi “Maravilhosa Sra. Maisel”. É uma comédia bem leve, perfeita para escapar da realidade doida que foi esse ano. Fora que é um tipo de produção que deixa o coração quentinho, porque a gente sabe desde o início que as coisas vão dar certo e que tudo vai terminar bem”.

Grey’s Anatomy

Por Maria Carolina Soares, revisora

Onde assistir? Disponível na Netflix.

“Vamos de comfort series? Vamos! Eu tenho o costume de reassistir séries que gosto quando estou muito cansada ou estressada. O que 2020 nos proporcionou em vários momentos foi bem isso, né? Normalmente, escolho dar play em ‘Friends’ ou ‘Grey’s Anatomy’. Escolho a segunda porque já tinha recomeçado Grey’s quando a pandemia nos forçou a entrar de quarentena, e foi graças aos dilemas dos médicos e profissionais de saúde, tão importantes nesse momento, que pude ter novas perspectivas para o futuro próximo. Dá esperança! Já aviso aos desavisados: são muitas temporadas, portanto… pegue a pipoca!”.

Normal People

Por Mayumi Yamasaki, Redatora

Onde assistir? Disponível em Starzplay.

Gosto de séries pequenas para assistir rápido, e “Normal People” tem um equilíbrio que serve muito bem. É uma clássica comédia romântica, bem adolescente, mas com uma pegada melancólica e profunda, que faz os personagens terem problemas muito reais. Os personagens tem um contorno aprofundado e se apoiam em uma representação menos idealizada – o que é bem comum em produções do gênero. A narrativa também se debruça sobre temas sérios como violência doméstica, desigualdade, saúde mental e como isso tudo afeta a dinâmica do casal protagonista. No fim temos uma sensação de intimidade, química e conexão com os atores. Uma coisa muito bonita de se ver.”

Utopia

Por Vitor Francisco, redator

Onde assistir? Disponível na Amazon Prime Video.

“Com toda a certeza, foi a produção que mais me deixou vidrado neste ano. A trama é angustiante e fala de uma série de HQs que, aparentemente, prevê doenças da vida real – vírus que aparecem com o passar dos anos. Algumas coisas são meio óbvias, mas outras se desenrolam e se mostram mais complexas. A personagem principal não é daquele tipo agradável… Uma pena que a Prime Vídeo tenha cancelado a série! Recomendo, mas sempre com o alerta de cuidado com assuntos sensíveis neste momento em que a Covid-19. ainda está presente”

***

E aí, diz pra gente qual série marcou o seu ano!

Comentários

Topo