Menu Papel POP

Lukas Graham fala sobre novo single, origens e a importância de se ter um álbum coeso

MAIS SOBRE:

O cantor dinamarquês Lukas Graham está de volta com um novo single. “Share That Love” conta com a participação do rapper G-Easy e, cheio de boas energias, aliadas a mensagens de amor, lança a braba mensagem do desapego. É uma nova forma de tratar a nostalgia, tema presente em outras faixas de sucesso de sua autoria como “7 Years” e “Mamma Said”.

O clipe mostra o local em que o artista nasceu, a pequena comunidade independente de Christiania, nos arredores de Copenhagen. Por lá, turistas são proibidos de tirar fotos – o que deixou o resultado do projeto ainda mais enigmático. Ao Papelpop, Lukas contou um pouco sobre a gravação, além de falar sobre temas como a importância de um ábum coerente e a indústria musical de hoje.

PAPELPOP: Eu adorei o fato de o seu novo clipe mostrar a sua cidade natal e ter toda uma questão misteriosa envolvendo isso. Como foi gravar lá?

É sempre bom filmar em Christiania, minha cidade natal, porque como sou de lá é muito mais fácil. A maioria das pessoas não pode realmente filmar lá, então é muito mais tranquilo para mim porque eu realmente não tenho que perguntar a ninguém porque eles me conhecem. E também tem os extras, que são pessoas apenas passando e não tendo ideia que estão em um videoclipe, o que é sempre legal.

E é um lugar tão lindo também! Nas imagens vemos dois cenários, há Christiania, mas também há Los Angeles. Como você vê e entende o contraste entre esses lugares? Como é para você fazer parte de ambos?

Los Angeles é a minha casa de trabalho, vou lá para reuniões, para escrever músicas, mas também se tornou uma fuga porque não tenho tantas obrigações sociais quando vou para lá. Portanto, é um lugar onde posso simplesmente estar com minha família e trabalhar pra caramba. Em relação ao contexto do videoclipe, é apenas filmado lá porque é onde G-Easy está durante a quarentena enquanto eu estou em Copenhagen. Mas em comparação com Christiania, onde filmamos, sempre a descrevo como a versão escandinava de uma “favela”! Então, sim, você pode dizer que há um contraste aí.

Suas músicas sempre carregam um forte sentimento de nostalgia, o que isso significa pra você?

Eu gosto de me lembrar das coisas pelas quais passei e para onde quero ir na vida, e acho que às vezes a nostalgia pode nos levar a ainda mais grandeza. É como o cheiro da flor que ficou na bota que pisou nela, então… É também uma sensação de ter medo e não necessariamente ficar com ela por muito tempo…

Sim! Eu concordo com isso! Às vezes, é realmente melhor simplesmente se livrar do sentimento! E Lukas, você postou no Twitter um pequeno fio discutindo singles versus álbuns, e eu concordo 100% com o que você disse sobre ouvir um álbum do início ao fim como uma experiência. Então, qual é o álbum que prova isso para você?

Quando ouço Doctor Dre’s 2001, lançado em 1999, tenho um sentimento definitivo sobre isso. Quer dizer, há toneladas de álbuns, a lista é tão longa que é muito difícil encontrar qual estaria no topo, mas é assim que eu ouço música. Eu coloco álbuns completos, mesmo em meus aplicativos de streaming. Eu ainda encontro o artista, coloco o álbum do começo ao fim, e eu realmente gosto da jornada que vou seguir.

E embora você tenha dito estar confuso sobre sua opinião final sobre esse assunto, você lançou 3 singles até agora este ano. Como é o processo criativo para você? Como um compositor ávido, como você escolhe apenas uma música para ser lançada?

Algumas músicas simplesmente flutuam acima das outras. Elas nem sempre flutuam imediatamente, às vezes a letra precisa mudar para que a música mude e como eu escrevo muito do meu próprio material, também pego algumas músicas que precisam de alguma mudança e as reescrevo com meus amigos, ou começo uma ideia de música em 2015 e só termino 5 anos depois… Haha! Então, tudo tem seu tempo, e são como frutas em uma árvore, você não pode forçar, e algumas músicas são simplesmente melhores que as outras.

Essa é uma boa maneira de ver as coisas. E você se sente mais pressionado a lançar um single ou um álbum completo? Ou são coisas completamente diferentes?

Hmmm… Ao lançar um álbum você está revelando outra coisa. Digamos que foram 10 singles, aí então você lança o álbum. Ainda há a ordem de execução, qual é a história? Da faixa 1 a 10, o que é A e B? E há algo sobre o julgamento de uma obra que é mais assustador do que com uma única. No final do dia, se o single não soar como você quer, você simplesmente não o coloca no álbum e segue em frente.

Ok, agora fiquei bem curiosa para saber sua opinião sobre artistas que só lançam álbuns como uma compilação de singles.

Acho muito difícil julgar a decisão de outro artista, mas imagine que somos a geração que cresceu com sucessos pop e agora é tipo “New Music Friday” … Como podemos saber ao certo como um bom álbum seria? Estamos recebendo playlists e compilações o tempo todo, e vivendo em um mundo de introduções cada vez mais curtas, quase inexistentes, as músicas têm menos de 3 minutos de duração… Como podemos saber como soa de fato um álbum?

Realmente… E isso me deixa um pouco nervosa, mas ao mesmo tempo animada para ver o que o futuro musical reserva para as gerações mais jovens ...

Não fique nervosa! Cada geração literalmente consome música de formas diferentes. Alguém disse “isso é blasfêmia” quando pegaram um instrumento clássico e o tocaram de uma maneira diferente. Quer dizer, antes só existia a flauta e a bateria, e agora temos o sintetizador, a porra do 808, e a lista continua … E tipo, tá tudo bem! A música deve mudar! Eu converso com as pessoas mais velhas e elas dizem “você está defendendo a música antiga”, e tipo besteira! Não estou defendendo música antiga! Estou apenas defendendo a maneira como quero escrever e lançar minha música. E para as pessoas que não querem o mesmo que eu, tá tudo bem! É a escolha de cada um! Mas, Rafaela, se não for a escolha deles, então isso é um problema — se for a pressão da gravadora, aí é uma merda.

Lukas, estamos ficando sem tempo, então minha última pergunta é para você descrever sua música em três palavras.

Cheia de sentido, inspiradora e memorável.

Perfeito! Lukas, muito obrigado pelo seu tempo. Mal posso esperar para ver o que vem aí para você e um possível quarto álbum.

Obrigada! Eu realmente espero que possamos visitar o Brasil em breve.

***

Comentários

Topo