Menu Papel POP

Rina Sawayama critica premiações britânicas por não considerá-la elegível a indicações

MAIS SOBRE:

Rina Sawayama lançou um dos melhores álbuns do ano em abril e, por consequência, esperava reconhecimento das premiações britânicas. O que não esperava era que não pudesse ser elegida porque nasceu no Japão, apesar de ter vivido mais de 25 anos no Reino Unido.

À Vice, nesta quarta-feira (29), a nipo-britânica desaprovou os critérios de elegibilidade do Mercury Prize e Brit Awards, as maiores premiações da região. Na recém-lista dos nomeados ao Mercury, Rina ficou de fora e descobriu o motivo. De acordo com as regras atuais, os artistas solo devem possuir nacionalidade britânica ou irlandesa e fornecer documentação oficial de sua cidadania, como um passaporte.

Sawayama se mudou do Japão para o Reino Unido quando era criança e está em licença por tempo indeterminado para permanecer no local, o que concede residência permanente e direito de viver e trabalhar no país.

Uma cláusula de nacionalidade semelhante também deve afetar a elegibilidade futura de Rina no BRIT Awards, conforme as regras estipulam: “Para se qualificar para as categorias de artistas solo britânicos ou outras categorias britânicas, os artistas devem ser portadores de passaporte no Reino Unido”.

“Quebrou meu coração”, disse a dona de “STFU” devido à regra de elegibilidade. “Eu raramente fico chateada ao nível em que choro. E eu chorei.” Continuou:

“Tudo o que me lembro é de morar aqui. Eu apenas morei aqui a vida toda. Eu fui para a escola de verão no Japão, e foi literalmente isso. Mas sinto que contribuí para o Reino Unido de uma maneira que considero digna de ser comemorada ou, pelo menos, qualificada para ser comemorada.

“Eu assinei uma gravadora britânica. Eu moro aqui sem interrupção nos últimos 25 anos. Sou apenas registrada para pagar imposto neste país. O álbum inteiro foi gravado no Reino Unido e em LA. Foi mixado no Reino Unido. Minhas letras estão em inglês, exceto por um verso em uma música. ”

Assim como muitos fãs de Rina, Elton John expressou no Instagram a surpresa pelo fato de “SAWAYAMA” ter ficado de fora, e elegeu o disco como um dos melhores do ano.

Em resposta ao caso de Sawayama, o BPI, que organiza os Mercurys e os BRITs, afirmou em um comunicado enviado à Vice: “Tanto o BRIT Awards quanto o Hyundai Mercury Prize buscam ser o mais inclusivos possível dentro de seus parâmetros, processos e processos. Critérios de elegibilidade são constantemente revisados.”

A cantora acrescentou que “cabe aos órgãos de premiação decidirem o que o ‘ser britânico’ realmente abrange – exatamente as coisas que eles celebram, que é diversidade e oportunidade”.

Recentemente, Rina anunciou um documentário dos bastidores da gravação do álbum de estreia. Veja o teaser abaixo:

Comentários

Topo