Menu Papel POP

No Dia Mundial do Reggae, grupo Maneva lança projeto ao vivo com releituras de clássicos brasileiros

MAIS SOBRE:

A banda Maneva lança nesta quarta (01), seu mais novo disco, “Tudo Vira Reggae”. A data, inclusive, tem uma motivação muito especial: o primeiro de julho é o Dia Mundial do Reggae. O lançamento do grupo brasileiro é o primeiro desde o EP  “Cabeça de Folha”, lançado ao início de 2020.

“Tudo Vira Reggae” é um registro ao vivo, realizado no Estância Alto da Serra já no contexto da pandemia do Covid-19. “A gente seguiu todos os protocolos de saúde. Tivemos uma equipe bem reduzida, então os profissionais tiveram até que dar o dobro do que dariam normalmente, porque trabalhamos com 40 ou 50% do total da equipe pra poder fazer esse DVD”, contou Tales de Polli – vocalista do grupo –  ao Papelpop, em entrevista por telefone.

O trabalho conta com dez faixas, entre elas releituras de músicas super marcantes, de nomes como Chitãozinho e Xororó, Djavan, Raul Seixas, Titãs, Alceu Valença, entre outros. Todas as canções ganharam vídeos também, mostrando a gravação do projeto:

Confira o papo completo com Tales de Polli aqui:

PAPELPOP: Qual a sensação de lançar algo num dia como o Dia Mundial do Reggae?

TALES DE POLLI: É uma emoção gigantesca, sem tamanho. É uma data importante no mundo todo. Pra quem ama música e respeita o reggae, é uma data que mexe mesmo com as pessoas. A gente pode citar nomes como Bob Marley, Peter Tosh, Jimmy Cliff… são tantos, que a gente acaba até esquecendo de alguns. O reggae tem essas lendas, artistas extraordinários. A gente se sente muito feliz e, claro, muito honrado de poder celebrar com um álbum nosso. É inédito, porque nunca lançamentos um projeto só de releituras. Essa mistura foi bem bacana, né? A música permite isso pra gente, então demos um novo olhar pra essas canções que são popularmente conhecidas aqui no Brasil. A gente trouxe Titãs, Alceu, Raul, Chitãozinho e Xororó, entre outros que também carregam a responsabilidade de ser referência e influência dentro de seus respectivos gêneros, né? Foi incrível!

Como vocês veem a importância de lançar música agora, na vida das pessoas?

Cara, é de imensa importância, o que nos traz uma grande responsabilidade. A gente tem essa preocupação de sempre levar aos ouvintes do Maneva uma mensagem positiva, porque a gente realmente acredita nisso, né? Acreditamos que a música transporta, inspira e faz a gente sonhar. É uma questão de, neste momento, oferecer qualidade e músicas que irão marcar não só nossa trajetória, mas a vida dessas pessoas no momento que a gente está vivendo, que é tão complicado.

Como foi escolher o repertório que entrou pro projeto? Teve alguma faixa que vocês ficaram muito na dúvida?

Pensa num processo difícil, velho! Muito difícil. São dez faixas, mas a gente queria… cem faixas! Hahaha a gente teve que analisar exatamente tudo e não foi nada fácil. A gente reuniu artistas que sempre nos influenciaram, direta ou indiretamente, que respeitamos não só pela história e obra fonográfica, mas por serem também grandes lendas e ídolos de tantas pessoas. São das pauladas aos clássicos, né? São coisas que todo mundo conhece. Nossa dúvida era sempre a mesma, “como a gente vai deixar essa de fora?”, porque graças a Deus, o Brasil é grande e um enorme celeiro de talentos. E a gente fez muita música boa aqui. A gente navegou em todos os estilos e tudo que a gente escolheu foi e vai ser pra sempre um sucesso.

Tudo foi gravado ao vivo, certo? Como é ter um registro ao vivo pra vocês? Rola aquela tensão?

Isso, foi tudo gravado ao vivo. A gente já teve outros álbuns nesse formato, mas a ansiedade é a mesma. Sempre dá aquele frio na barriga e acho que é isso que deixa a gente com vontade de fazer música, né? Quando a pessoa já não sente mais isso, acho que acabou pra ela, né? A diferença foi a troca de energia com o público, que não tivemos. A gente seguiu todos os protocolos de saúde. Tivemos uma equipe bem reduzida, então os profissionais tiveram até que dar o dobro do que dariam normalmente, porque trabalhamos com 40 ou 50% do total da equipe pra poder fazer esse DVD, né? Mas é um momento muito especial pro Maneva e pra todo mundo, no geral. É um momento de reflexão, de positividade. Então a gente só quer agradecer mesmo. Muito obrigado a todos!

Você pode ouvir o disco “Tudo Vira Reggae”, do Maneva, aqui:

 

Comentários

Topo