Menu Papel POP

Meghan Markle lamenta morte de George Floyd e outros casos de racismo em discurso de formatura

Os EUA enfrenta uma série de protestos após a morte de George Floyd, homem negro asfixiado no último dia 25 de maio por um policial branco em Minneapolis. A violência gerou comoção pois ele foi confundido com um suspeito e era inocente.

O movimento Black Lives Matter voltou a ganhar visibilidade pela mídia e diversas celebridades se posicionaram. Nesta semana foi a vez de Meghan Markle.

A atriz e duquesa de Sussex fez um discurso virtual à turma de formandos de 2020 da escola Imaculate Heart High School, em Los Angeles, na qual a própria estudou.

Em seu discurso, Markle admitiu que teve dificuldade de encontrar as palavras certas para falar do assassinato de Floyd, citando também outras vítimas da brutalidade policial. Contudo, observou: “Eu percebi, a única coisa errada a dizer é não dizer nada. Porque a vida de George Floyd importava, e a vida de Breonna Taylor importava, e a vida de Philando Castile importava, e a vida de Tamir Rice importava, e tantas outras pessoas cujos nomes conhecemos e cujos nomes não sabemos. Stephon Clark. A vida dele importava.”

Ela continuou:

“A primeira coisa que quero lhe dizer é que sinto muito. Sinto muito que você tenha crescido em um mundo em que isso ainda está presente. ”

Markle contou como foi sua experiência de ter vivido os protestos antirracistas ocorridos em 1992, depois que quatro policiais de Los Angeles foram absolvidos de espancar Rodney King. Ela disse que tinha 11 ou 12 anos na época, prestes a começar o Imaculate Heart Middle School, e que presenciou diversos homens saqueando lojas, homens em vans com armas enquanto o céu cheirava fumaça.

Ao falar com os graduados, Meghan continuou:

“Não consigo imaginar que aos 17 ou 18 anos, que é a idade que vocês têm agora, vocês precisariam ter uma versão diferente desse mesmo tipo de experiência. É algo que vocês deveriam ter conhecimento – mas como uma lição de história, não como sua realidade. “

Markle encerrou com uma mensagem de solidariedade – ressaltando que mesmo nos protestos de 1992 houve união da comunidade – e incentivo para que os graduados façam parte de algum movimento:

“Você usará sua voz de maneira mais forte do que jamais conseguiu, porque a maioria tem 18 anos ou fará 18 anos, e assim votará. Você terá empatia por aqueles que não vêem o mundo pelas mesmas lentes que você, porque com a diversidade, a vibração e a mente aberta que conheço que é ensinada no Imaculate Heart, sei que você sabe que as vidas pretas importam. Eu já estou empolgado com o que você fará no mundo.”

Comentários

Topo