Menu Papel POP

Com fundador do Twitter, Beyoncé doa US$ 6 milhões para ajudar profissionais da saúde

Pelo Twitter, Beyoncé anunciou nesta quinta-feira (23) que sua instituição de caridade está doando US$ 6 milhões para ajudar a diminuir os efeitos da pandemia. Feita em parceria com o CEO do Twitter, Jack Dorsey, a ação visa dar suporte a organizações que promovem serviços de bem-estar para os profissionais da saúde.

Vale lembrar que Beyoncé criou o BeyGOOD como uma iniciativa para apoiar causas relacionadas a pobreza, educação, desemprego, desastres naturais e pessoas vulneráveis. O objetivo é arrecadar doações para instituições ao redor do mundo através de ações que contam com o apoio do público.

Falando sobre a nova doação, o site oficial da cantora publicou a seguinte nota:

“O BeyGOOD reconhece a imensa sobrecarga na saúde pessoal e mental dos trabalhadores de serviços essenciais durante a pandemia de COVID-19. Em nossas maiores cidades, afro-americanos abrangem um desproporcional número de trabalhadores nestes cargos indispensáveis, e eles precisarão de apoio para saúde mental e cuidados para o bem-estar pessoal, incluindo testes e serviços médicos, suprimentos alimentares, entrega de alimentos, tanto durante como após a crise.

 

O BeyGOOD se uniu à organização Start Small, de Jack Dorsey, para arrecadar US$ 6 milhões para apoiar organizações que oferecem serviços de bem-estar mental através de uma parceria nacional com a Universidade da Califórnia. A iniciativa também é uma parceria com a Aliança Nacional em Doenças Mentais dos Estados Unidos para promover ações em cidades como Houston, Nova York, Nova Orleans e Detroit. O apoio auxiliará organizações como o United Memorial Medical Center, Bread of Life, Mathew 25 e várias outras”

Essa não é a primeira vez que a família Carter ajuda os afetados pela COVID-19. No mês de março, as fundações de Rihanna e Jay-Z (marido da Beyoncé) se uniram e doaram US$ 2 milhões para ajudar imigrantes, populações encarceradas, pessoas em situação de rua, idosos, famílias de médicos e enfermeiros da linha de frente.

Comentários

Topo