Menu Papel POP

Cate Blanchett comenta sobre o conservadorismo de sua personagem em “Mrs. America”

MAIS SOBRE:

Cate Blanchett vive a ativista conservadora Phillis Schlafy na minissérie do Hulu, “Mrs. America”, testemunhando uma perspectiva totalmente diferente do movimento feminista.

Schlafly se opunha à Emenda dos Direitos Iguais (ERA), uma proposta de emenda à Constituição dos Estados Unidos que garantiria direitos legais iguais a todos os cidadãos americanos, independentemente do sexo. Os esforços de Schlafly são opostos pelas feministas Gloria Steinem (Rose Byrne), Betty Friedan (Tracey Ullman) e Shirley Chisholm (Uzo Aduba) que também vemos na série.

Contudo, Blanchett comentou à People como consegue viver uma personagem com visões tão diferentes das dela:

“No final, não importa se o personagem existe apenas em um script ou se é uma pessoa real, acho que você precisa ver o que elas fazem. Ela fez muitas coisas contraditórias. Ela disse muitas coisas contraditórias. Então, você permite que essas contradições existam, as esmague e as jogue para a plateia. Minha função não era julgá-la. Era para colocá-la da maneira mais circular possível, para que ela pudesse ser uma tola para as outras pessoas e que você entendesse a complexidade do que é ser mulher na década de 1970 ou em 2020”.

Stacey Sher, uma produtora de “Mrs. America”, diz que estava motivada a contar a história de Schlafly para destacar os dois lados do argumento político e a mudança – ou falta dela – que cada um teve na sociedade.

“Nós tendemos a pensar no progresso como linear e avançando. Esse é o ciclo de como as coisas mudam – é que damos um passo à frente e um passo atrás, e ele se move em ciclos. Se entendermos os ciclos, acho que talvez possamos antecipá-los melhor. ”

A criadora Dahvi Waller diz que, ao pesquisar a década de 1970 para conceber o diálogo para a série, ficou surpresa com a forma como as conversas semelhantes eram naquela época.

“Estou lendo o New York Times a partir de hoje ou lendo um jornal dos anos 70?” Waller diz. “As conversas não mudaram muito em 50 anos e eu não sei se estou angustiada”.

Blanchett, por fim, disse que está orgulhosa de quão longe o movimento feminista chegou:

“As mulheres estão realmente compartilhando seus relacionamentos, fracassos e medos, e na verdade meio que avançando juntas e gostando do que realmente somos boas. Eu acho que as mulheres estão abrindo espaço, não apenas para si mesmas, mas uma para a outra. Eu acho que é importante voltar e testemunhar como isso aconteceu dentro de um sistema, como era esse sistema e como todos nós juntas podemos mudar o sistema para torná-lo melhor para todos”.

Comentários

Topo