Menu Papel POP

Em show no Festival GRLS!, Gaby Amarantos exalta cultura paraense e o poder feminino

Primeiro dia de Festival GRLS! e o segundo show é para trazer o Pará ao palco! Musa do Norte e do pop brasileiro, Gaby Amarantos começou sua apresentação trazendo a bandeira do seu Estado e com “Xanalá”, que apresentou ao público um exército de xanas! “A xana que há em mim saúda a xana que há em você”, disse antes de cantar a ótima parceria com a Duda Beat.

O show continuou com “Xirley”, mais um sucesso seu, e pudemos ver aqui o início de algo maravilhoso que apostou na maioria das músicas do repertório: Gaby refez as composições adicionando frases inspiradoras. Quando cantou “Ela tá beba, doida”, por exemplo, adicionou “Ela pode ficar beba, ela pode ficar doida, ela pode fazer o que ela quiser, querida!”.

A musa então disse que queria abençoar o público do Festival GRLS! neste começo de ano. E como fez isso? Trouxe de Alter do Chão o coletivo indígena Surara do Tapajós para dançar lindamente ao som de “Ilha do Marajó”! “Povos originários, respeito sempre!”.

“Agora eu vim trazer a farofa”, disse logo depois. E trouxe! A cantora começou a apresentar uma série de covers de hits atuais com versões inspiradoras. Na hora de “Tudo OK”, cantou “É hoje que tu vence todo mal que ele te fez. Mulher poderosa não se importa com teu ex”. Ao cantar “Sentadão” do Pedro Sampaio, chamou a música de “Sem Padrão”.

Ela também entoou “Bixinho”, da amiga Duda Beat, e parou tudo depois para falar “Quem nunca teve aquele boy que não valeu nem 1,99”? Nisso, fez uma sessão de “descarrego” com o público para se livrar daqueles que já se mandaram ao engatar o hit “Ex Mai Love”! Na sequência, uma voz robótica feminina anunciou: “O macho escroto está cancelado”. Teve como resposta “Mas as quengas estão renovadas com sucesso!” Adivinha o que veio depois? “Amor de Que”, da Pabllo Vittar!

Ao longo do show, ela também honrou o gênero musical que é raiz de sua música. Na setlist teve “Chorando Se Foi” da Kaoma, e “Me Libera”, da Banda Djavu. Também entraram na setlist songs como “Cachaça de Jambu” e “Corpo Fechado”, com Johnny Hooker. Foi pra se acabar com os sons do Norte!

No momento mais lindo e incrível da noite, Gaby chamou o grupo de dança Turmalinas Negras para uma performance super expressiva e emocionante de “Chuva”, música da cantora. Elas continuaram em seguida com “QSA”, música em parceria com Jaloo.

A última do set foi uma versão poderosa e incrível de “Como Nossos Pais”, composição de Belchior eternizada na voz de Elis Regina. Foi de arrepiar! Restou um recado: “Fiquei afastada dos holofotes por um tempo […] Estou de volta fazendo meu álbum novo, com produção do meu amigo talentoso Jaloo […] Espero o apoio de vocês porque sou uma artista independente, que me banco, sozinha” e ainda enalteceu toda a equipe técnica dela, formada por mulheres.

Foi um show lindo, inspirador, que colocou o público pra dançar, sarrar e ao mesmo tempo sair pensando nesse final de semana do Dia Internacional da Mulher.

 

Fotos: Adriana Spaca

Comentários

Topo