Menu Papel POP

Conheça Florence Pugh, que brilhou em “Midsommar” e agora está em “Adoráveis Mulheres”

MAIS SOBRE:

Nos últimos tempos você deve ter ouvido ou lido bastante por aí o nome de Florence Pugh – o que não é lá algo que cause espanto, visto que a atriz britânica tem arrasado em praticamente todas as suas atuações. Mesmo tento pouca idade – ela nasceu num glorioso dia 3 de janeiro de 1996, só 23 aninhos – a moça tem no currículo produções elogiadíssimas pela mídia como “Lady Macbeth” e “Outlaw King” – ambas produções de época.

Mas não é só isso. Essas experiências renderam à Pugh um convite pra atuar em mais um longa que tem tudo pra ser um hit. Trata-se do novo filme da Sony Pictures, “Adoráveis Mulheres“. Com a ilustre presença de Greta Gerwig na direção, a história chega aos cinemas no próximo dia 09 de janeiro de 2020 trazendo no elenco ídolos como Emma Watson, Laura Dern, Timothée Chalamet e Meryl Streep – todos unidos a fim de resgatar as clássicas aventuras das irmãs March.

Baseada no livro de mesmo nome de Louisa May Alcott, lançado em 1868, a trama conta como Jo, Beth, Meg e Amy amadurecem na virada da adolescência para a vida adulta em um cenário caótico. Àquela altura, os Estados Unidos atravessavam um período conturbado graças a uma Guerra Civil – o que não as impede de desenvolver suas personalidades fortes – e bem diferentes – frente a cada desafio imposto.

Pugh, que interpreta Amy, colhe os frutos de uma jornada incrível traçada até aqui, consolidada ainda em 2019 por outra empreitada de sucesso: “Midsommar: O Mal Não Espera a Noite”. Ela brilhou demais no papel de Dani, a protagonista! Após vivenciar uma tragédia pessoal, a moça decide ir com o namorado e um grupo de amigos até a Suécia. No país europeu eles tem como intuito participar de um festival local de verão – o que não dá muito certo, já que as férias que tinham tudo pra ser tranquilas se mostram um disfarce pra um ritual bizarro de adoração pagã. Sur-re-al!

Mas, diz aí, você conhece a fundo os trabalhos anteriores da artista? Sabe por quais caminhos ela passou? A gente te ajuda a imergir nessa história!

Primeira atuação: “The Falling” (2014)

A carreira de Pugh começou em 2014, quando ela recebeu um convite pra atuar no filme “The Falling”, onde interpreta a jovem Abbie, melhor amiga da protagonista, Lydia (encarnada por ninguém menos que Maisie Williams). Na trama, a garota adoece de forma misteriosa e morre, deixando sua colega devastada e em busca de alternativas que reparem o mal que a afetou – e que agora ameaça também suas colegas de escola.

Elogiada por publicações como o irlandês The Irish Times e o The Daily Telegraph, esse thriller britânico está disponível na Amazon Prime Video.

Esse papel rendeu a Pugh uma indicação na categoria Melhor Atriz Iniciante na edição daquele mesmo ano do London Film Festival, um dos grandes festivais de cinema do circuito europeu. Já nasceu aclamada, né?

No ano seguinte, a atriz alçou voos mais altos ao atuar em outro filme, desta vez chamado “Studio City”. Com Eric McCormack no elenco, a narrativa feita pra TV que não teve lá grande destaque, mas reforçou outra vez o poder da jovem frente às câmeras. Nela, um jovem cantor descobria que seu pai era um grande traficante de drogas responsável pela degradação de ícones da música em detrimento do vício. Porta pra novos trabalhos!

O protagonismo de “Lady Macbeth”

Levou um ano pra que ela estreasse em “Lady Macbeth”, seu primeiro papel como protagonista. Aqui, presa em um casamento por conveniência, Katherine se percebe vencida pelo desejo e dá início a um relacionamento extraconjugal. Daqueles filmes que prendem até o fim – e que surgem a partir de uma outra adaptação, desta vez “Lady Macbeth do Distrito de Mtsensk”, do escritor russo Nikolai Leskov.

Corta agora pra 2018! Ao lado de mulheres incríveis como Vera Farmiga e Elizabeth McGovern, Pugh embarcou em uma nova história – um outro suspense pro currículo. Em “O Passageiro”, Liam Neeson dá vida a Michael MacCauley, um empresário que se vê em choque após ter sido demitido em plena crise financeira. Preocupado com os rumos que sua vida tomará, ele acaba se sentando ao lado de Joanna, uma mulher que se apresenta como profissional que estuda o comportamento humano. Conversa vai, conversa vem, ela lhe faz uma proposta irrecusável: em troca de dinheiro, encontrar um determinado passageiro entre a tripulação.

Com diálogos de tirar o fôlego e muitas cenas de ação esta é uma ótima pedida pra quem deseja conhecer a fundo a evolução de Pugh – e entender como essa atuação a impulsionaria a novos projetos.

Naquele mesmo ano, cá estava ela novamente em “A Maldição dos Esquecidos”. Os irmãos Angela e Jackson, interpretados pela atriz e por Ben Lloyd-Hughes, querem bancar os caçadores de fantasmas e são contratados pela dona de um orfanato antiquíssimo, a fim de silenciar vozes que a mantém acordada durante a noite. Jurando que a senhora está iludida e sofre de delírios, eles embarcam nessa aventura – que logo se mostra um terror daqueles, visto que o prédio abriga uma história bizarra.

É que há muito tempo, o espaço foi palco de uma série de homicídios onde meninas foram silenciadas por um assassino perverso. Tentando resolver o problema, eles se percebem numa cilada daquelas, sem poder distinguir o que é real e o que é realidade. Eu, hein? O longa está disponível na Netflix!

A gente já disse que ela super curte uma produção de época, né? Neste mesmo período chegaram ainda ao público “King Lear” e “Legítimo Rei”, esta última uma produção original da Netflix em que contracena com ninguém menos que Chris Pine. Mas foram os anos 1970, onde se ambienta a série “The Little Drummer Girl”, que deram a Florence Pugh um de seus trabalhos mais aclamados ao lado de ícones como Michael Shannon e Alexander Skarsgard.

Nesse show, ela interpreta a atriz Charlie, conhecida por ser talentosa, engajada e um tanto sonhadora. Seu maior desejo? Transformar o mundo ao seu redor. Quando Becker, um conquistador, surge em seu caminho oferecendo várias possibilidades de realização de seus desejos, você jura que ela vai hesitar? Muita espionagem, boas doses de romance e aquele tom de mistério que a gente adora… vale a pena! Uma curiosidade: tamanho foi o sucesso de público e crítica do projeto que o mesmo conta com uma aprovação de 97% no Rotten Tomatoes. Poderosa!

Até aí parecia que nada mais poderia impedir essa jovem musa de romper barreiras, certo? Errado! Com “Lutando pela Família”, longa lançado em abril deste ano, Florence embarca em mais um papel de destaque: uma aspirante a lutadora de WWE que tem como seu maior anseio uma vaga na associação estadunidense de wrestling. A questão é que, pra chegar lá, ela precisa convencer seus pais de que precisa passar por uma rotina pesadíssima de treinamentos… Entre o drama e a comédia, temos aqui mais uma faceta da artista, explorada ao lado de gente grande como Dwayne Johnson, Lena Heady e Vince Vaughn.

Mas… a aclamação real oficial, veio quando mesmo? Mais precisamente no dia 19 de setembro de 2019, com o lançamento do misterioso “Midsommar: O Mal Não Espera a Noite”. Neste thriller, a gente sequer consegue ir ao banheiro (de medo, é claro!) quando os momentos mais macabros da narrativa se aproximam. Sabe quando o casal Dani e Christian descobrem que suas férias tranquilas em um festival de verão suíço são a maior cilada? Misericórdia! Extremamente bem feito, com uma fotografia impecável e diálogos feitos pra deixar qualquer um acordado durante a noite…

Resultado de imagem para florence pugh midsommar gif

Com tantas provas claras de que estamos diante de uma das atrizes mais promissoras desta geração, nada mal também ter recebido (e topado) um convite pra outro projeto, desta vez, digamos, adorável! Em “Adoráveis Mulheres”, novo filme da premiada cineasta Greta Gerwig, Pugh encara o desafio de interpretar uma personagem icônica, que atravessou séculos sendo referência de liberdade, maturidade e independência. O longa desembarca nos cinemas em 9 de janeiro de 2020 e nós estamos sedentos pra ver como esse trabalhou ficou!

Com a promessa de um outro papel arrasador no filme da Viúva Negra, alguém tem dúvida de que o mundo do cinema será dominado por Pugh nestes próximos meses?

Comentários

Topo