Menu Papel POP

Lady Gaga é entrevistada por Oprah Winfrey em nova edição da revista Elle!

MAIS SOBRE:

Para a edição de dezembro, a revista americana Elle convidou uma pessoa a altura para fechar o ano: Lady Gaga. A cantora posou poderosíssima em um ensaio cheio de looks maravilhosos e estampou a capa com um terno amarelo e um chapéu enorme.

E a vencedora do Oscar foi entrevistada por ninguém mais, ninguém menos que Oprah Winfrey! A apresentadora começou o bate-papo relembrando que entrevistou a cantora em 2010, durante seu programa de TV e como viu Gaga crescer e “florescer”.

Oprah: Eu a entrevistei há quase 10 anos, em 2010, no The Oprah Winfrey Show, e eu pude ver e sentir, energeticamente, você florescer dentro de si. Você estava neste momento em que estava aberta à sua própria auto-descoberta e auto-expressão. Como você se tornou mais nos últimos 10 anos?

Gaga: Acho que, à medida que minha carreira cresceu e mudou e fiz coisas diferentes, fiquei muito consciente da minha posição no mundo e da minha responsabilidade com a humanidade e com aqueles que me seguem. E eu me considero uma punk da bondade. Olho para tudo o que fiz e para o que estou fazendo agora, e os punks, você sabe, têm uma espécie de reputação por serem rebeldes, certo? Então, para mim, realmente vejo minha carreira, e até o que estou fazendo agora, como uma rebelião contra todas as coisas do mundo que considero cruéis. A bondade cura o mundo. A bondade cura as pessoas. É o que nos une – é o que nos mantém saudáveis.

View this post on Instagram

She has an Oscar and multiple Grammys, now @ladygaga adds beauty entrepreneur and mental health champion to her résumé. For our December cover, Gaga sat down with @oprah to discuss her exponential career path. “I really view my career as a rebellion against all the things in the world that I see to be unkind. Kindness heals the world. Kindness heals people. It’s what brings us together—it’s what keeps us healthy.” Link in bio to read the full interview. ⁣ ⁣ ELLE December 2019:⁣ Editor-in-chief: @ninagarcia⁣ Creative director: #StephenGan⁣ Cover star: @ladygaga⁣ Photographer: @solvesundsbostudio #SolveSundsbo⁣ Stylist: @tomeerebout @sandraamador.xx⁣ Hair: @fredericaspiras⁣ Makeup: @sarahtannomakeup @hauslabs⁣ Nails: @mihonails⁣ Production: @joyasburyproductions

A post shared by ELLE Magazine (@elleusa) on

Oprah: Quando você olha para os últimos 10 anos, em que momento você se sente mais capaz de expressar que a bondade cura todas as coisas?
Gaga: Eu acho que realmente começou com o meu relacionamento com meus fãs. Olhando para o público e vendo tantas pessoas que eram como eu, pessoas que se sentiam diferentes, que não se sentiam vistas ou entendidas. E também vendo muitas crianças que sentiam medo de ser abertas sobre quem eram, tornou-se uma espécie de experiência existencial para mim, onde pensei no que significa ser um indivíduo – queria lutar por esses indivíduos. Na verdade, eu disse isso outro dia nas mídias sociais. Eu disse: “Eu não fiz isso pela fama, fiz pelo impacto”. E essa é a verdade. Reconheci muito cedo que meu impacto foi ajudar a libertar as pessoas através da bondade. Quero dizer, acho que é a coisa mais poderosa do mundo, particularmente no espaço da doença mental.

Se liga nesse vídeo maravilhoso:

“Eu reconheci muito cedo que meu impacto era o de ajudar a libertar as pessoas através da bondade. Quero dizer, acho que é a coisa mais poderosa do mundo”

Oprah: O que fez você se sentir pronta para se tornar uma empreendedora de beleza?

Gaga: Eu queria fazer isso porque eu tinha tempo – queria colocar tudo nele, o que faço com tudo o que faço. Eu não apenas montei uma empresa, contratei uma equipe e fiz com que eles o fizessem. Eu disse isso outra noite no nosso lançamento: “Minhas impressões digitais estão por toda parte. É uma cena de crime”, senti que tinha a plataforma e construía a base em torno do que defendo, de modo que, quando essa empresa surgisse, seria uma rebelião de uma maneira contra o status quo de beleza como é hoje, que é de muitas maneiras nas mídias sociais, uma competição. É um concurso de beleza de várias maneiras. Essa empresa existe em um espaço influente da cultura, onde dizemos: “Nossa Casa. Suas regras” e todos são bem-vindos – todas as identidades de gênero.

Oprah: Então essa é a missão da linha, incluir todas as identidades de gênero?
Gaga: Todas as identidades de gênero, todas as identidades raciais, todos, todas as idades. Isto é para todos.

Oprah: Depois do vestido de carne, você se sentiu assim: “Para onde eu vou daqui?”
Gaga: Bem, o vestido de carne, francamente, eu não acho que seria tão chocante para todos quanto era. Mas sou apenas eu. Eu tenho uma espécie de cérebro excêntrico, então, para mim, eu fiquei tipo, é claro que isso faz sentido. Estou aparecendo para fazer uma declaração sobre “Don’t Ask, don’t tell”. Fui ao evento com soldados que foram dispensados ​​do exército porque tinham se assumido, ou foram descobertos, e para mim, se você deseja desistir de sua vida por seu país, importa qual é a sua orientação sexual ou qual é a sua identidade de gênero? Para mim, foi como “Carne é carne”, então essa era a intenção do vestido de carne. Para mim, isso não foi chocante, foi chocante para o mundo. E devo dizer que foi recentemente – depois de fazer “Nasce Uma Estrela” e trabalhar com Bradley Cooper, e minha experiência até em ganhar um Oscar – eu meio que me perguntei: “Você tem uma missão muito maior nisso Terra do que assustar as pessoas. Sua missão é dar às pessoas uma forma de amor através de sua arte que as eleva”

Ela também falou sobre a experiência em viver Ally nos cinemas:

“A personagem de Ally ficou comigo por um longo tempo. Tive que reviver muito da minha carreira fazendo este papel. Não sei como você se sentiu quando atuou [para Oprah], mas, para mim, não vejo como gravar um filme. Eu filmei como se eu estivesse vivendo a personagem e fosse um momento na minha vida, então revivi tudo novamente, e demorou muito tempo para desaparecer. Quando ganhei o Oscar por ‘Shallow’, olhei para ele e um repórter me perguntou: ‘Quando você olha para esse Oscar, o que vê?’ E eu disse: ‘Sinto muita dor’. Não estava mentindo naquele momento. Eu fui estuprada quando tinha 19 anos, repetidamente. Ao longo dos anos, fiquei traumatizada de várias maneiras por várias coisas, mas sobrevivi e continuei. E quando olhei para o Oscar, vi dor. Não sei se alguém entendeu quando falei, mas eu entendi”

Comentários

Topo