Menu Papel POP

Panic! At The Disco faz show recheado de hits e nostalgia no Rock in Rio 2019!

Panic! At the Disco entrou no palco brilhando na noite desta quinta-feira (03) no Rock in Rio 2019!

O show foi eletrizante e cheio de hits do começo ao fim. Foi uma trajetória maravilhosa desde os anos 2005 até 2018, com o último álbum! Passou por todas as fases da carreira do grupo e esquentou o coração dos fãs.

“Victorious” foi a primeira da noite e entrou com violinos, trompetes e até com fogo ao fundo…  Sem defeitos. Brendon Urie, vocalista da banda, se encontrava todo impecável com um blazer dourado com detalhes em preto.

 

Seguida por “(Fuck A) Silver Lining”, do álbum “Pray For The Wicked” (2018), trouxe mais um motivo positivo da noite com muita energia. Todo mundo cantando junto, viu?!

Brendon mostrou seus vocais afiadíssimos em “Don’t Threaten me With a Good Time” do “Death of a Bachelor” (2016), provando que quem sabe faz ao vivo.

“Ready To Go (Get Me Out Of My Mind)”, hit do “Vices & Virtues” (2011) e pop rock perfection, foi a próxima com Urie arrasando nos agudos, sem desafinar nem um pouquinho.

“LA Devotee” do “Death of a Bachelor” também esteve na setlist e foi seguida por “Hey Look Ma I Made It” do “Pray for the Wicked” (2018). Essa música agitou a galera mais uma vez, tocando e dando um ar de esperança na vida de cada fã, que um dia possa chegar aonde deseja.

E mais uma do “Death of a Bachelor” veio na sequência! “Hallelujah” entrou com tudo, com muitos trompetes e todo mundo cantando a todo. E as encaradas na câmera que este homem dava? Ficamos desfalecidas.

A pirotecnia voltou na “Crazy = Genius”, com Brendon fazendo caras e bocas (ele tem um charme de matar!) e dançando pelo palco.

Daí… O HINO CHEGOU! “The Ballad Of Mona Lisa” não podia faltar, né?! Todo mundo cantando junto, num momento bem nostálgico. 2011 parece ontem, gente!

E foi tiro atrás de tiro. “Nine in The Afternoon” começou e a nossa adolescente interna berrou. Chorou. ESSE MOMENTO É NOSSO! Quantos hits nostálgicos, gente…. Pela gente podia tocar o “Pretty. Odd” todinho! A era emo pode ter passado, mas o emo não saiu daqui não! Hahah

Resultado de imagem para nine in the afternoon gif

Brendon finalmente tirou o blazer dourado… tá um calor né?! Então o hino bissexual “Girls / Girls / Boys” começou a tocar e a bandeira LGBT apareceu no telão! Os fãs SURTARAM e levantaram suas bandeirinhas também <3

Sempre cantando com um sorrio e muito charme, Brendon continua com sua voz intacta em “Dancing Is Not A Crime”. Veio “This Is Gospel” (que nostalgia!) e a gente se arrepiou inteira no refrão: IF YOU LOVE ME LET ME GOOOOOO! Momento sem defeitos.

“Miss Jackson” do “Too Weird to Live, Too Rare to Die!” (2013) chegou em seguida, provando que nosso coração não aguenta tanto hit atrás do outro. Todo mundo na plateia emocionadíssimo e cantando de cor e salteado.

“Eu estou no Panic! At The Disco há 15 anos e o fato de que vocês continuam aí significa muito. Muito obrigado, eu te amo. Essa próxima música basicamente foi a que deu início ao Panic!”, disse Brendon e começou a tocar o HINO atemporal: “I Write Sins Not Tragedies” QUE NÃO PODIA FALTAR. MESMO. O emo que vive em mim saúda o emo que vive em você porque esse momento é o que a gente mais esperou por ANOS.

Assista aqui:

Então o cover da música do milênio começou: “Bohemian Rhapsody”, do Queen. Eu disse, foi tiro atrás de tiro.

A canção foi tocada 34 anos após Freddie Mercury se apresentar no mesmo festival. Todo mundo na plateia começou a chorar, surtar, cantar junto, numa emoção contagiante. Arrepiou demais!

Laudo médico: sem palavras pra este momento. Icônico demais! Este show só foi escalando, ficando cada vez mais impecável.

Com pirotecnia de volta, “Emperor’s New Clothes” foi a próxima do setlist. Urie mostrou que realmene não tem medo de brincar com fogo rs. Já na penúltima, “Say Amen (Saturday Night)”, Brendon comentou: “Vocês são incríveis”, e falou ‘obrigado’ em português. “Não posso acreditar que estamos abrindo para o Red Hot Chilli Peppers. Eu queria ser o Anthony Kiedis quando era criança”, riu.

Então veio a última e umas das mais esperadas: “High Hopes”, hit do disco “Pray for The Wicked”, o último lançado da banda. Não tinha como não sentir o clima contagiante neste momento. Nossos corações se encheram de esperança e de amor.

Voltem sempre, preciosos!

Comentários

Topo