Menu Papel POP

Cinco shows que você precisa assistir no Coala Festival 2019!

O circuito nacional de festivais sempre arrasa e, com a chegada do segundo semestre, isso se potencializa muito (que bom!). Sabe como é, o clima de verão vai chegando e tudo que a gente quer é sentir o calor da rua, que nos abraça e torna cada uma dessas experiências em algo único. Tudo isso, claro, com a melhor trilha sonora possível: música brasileira! 

Após o Festival Bananada, um dos mais tradicionais do Brasil, que aconteceu em Goiânia, no mês de agosto, e reuniu mais de 20 mil pessoas em três noites recheadas de atrações de peso, os olhos de quem curte música se voltam para o Coala Festival, que faz as honras do mês de setembro nos dias 07 e 08 de setembro, em São Paulo.

Aqui vai um spoiler: o line up está agitadíssimo, reunindo nomes que representam todo o Brasil. Tem o rap de Djonga, a sofrência de Duda Beat, a elegância de Ney Matogrosso, o forró de Elba Ramalho e a ginga do Afrocidade. Além disso, a edição 2019 do Coala é marcada por encontros históricos. Chico César e Maria Gadú prometem um belo show. A mesma vibração é esperada de Curumin e Saulo Duarte e Elba Ramalho e Mariana Aydar.  Como todo bom festival, teremos muita coisa boa rolando. Para te ajudar na hora de escolher o que assistir, nós decidimos listar 5 apresentações imperdíveis durante os dois dias de evento.

É pra ninguém botar defeito e se jogar em cada proposta. Aqui vão as nossas dicas:

Dona Onete

Mais do que uma representante incrível da música paraense, Dona Onete é uma força da natureza. Com 80 anos recém-completados, a artista fará o show do álbum “Rebujo”, lançado em 2019 com patrocínio de Natura Musical. O trabalho é forte e serelepe na mesma proporção. Embora traga a riqueza dos tambores do Norte, ela bebe também na fonte do açaí e do samba, presentes em algumas das melhores canções de seu repertório, que não podem faltar nos shows.

Além de muitas cores em seu visual, Dona Onete ainda arrasa na voz e nas composições, que fazem com que selvas de pedra como São Paulo se tornem um tanto mais próximas de outras regiões que tem tanto a nos ensinar – especialmente a partir de sua herança cultural.

Afrocidade

Os integrantes do Afrocidade podem se orgulhar! Desde que começou a se apresentar, a banda projetou incontáveis expressões da música negra, a maioria fruto de experiências pessoais de seus membros, que absorvem em seu trabalho a aura das ruas, dos terreiros, dos guetos e de todos os espaços possíveis dentro de uma cidade.

Com seu primeiro álbum previsto ainda para este ano, eles são, no fim das contas, um reflexo fiel do povo brasileiro e de suas raízes. Tem muito a mostrar pra gente e mesmo estando no início da carreira, crescem muito no palco, entregando ao público uma mensagem potente contra a opressão. 

Josyara

Que ela é um dos nomes mais badalados da música baiana, a gente já sabe. A novidade, entretanto, está em seu álbum mais recente, “Mansa Fúria”, um projeto que advoga a favor de causas sociais como a liberdade sexual e o racismo, libertando as pessoas de uma série de ideias erradas que circulam pelo mundo. O trabalho, que chegou aos ouvidos dos fãs em 2018, tem apoio de Natura Musical. Nesse caminho de crescimento, Josyara convida seus fãs a se juntar a ela em cada show em um grito por auto-conhecimento e um transbordar de sensações.

Sua apresentação ao vivo, como não poderia ser diferente, é super intensa e traz uma identidade única, expressa em traços como seu sotaque, seus figurinos e seu olhar, sempre penetrante.

Duda Beat

Foi aqui mesmo em São Paulo que, em abril deste ano, Duda Beat deu início à turnê “Pro Mundo Ouvir”, que tem como base o disco “Sinto Muito”, lançado em 2018. Além de entregar ao público um show intenso, com canções que falam de amor em suas mais variadas formas, a cantora também tem se mostrado uma diva com figurinos escandalosos, cheios de mangas e babados bufantes, sempre marcados pela presença de laços (que tem se tornado uma de suas marcas registradas).

No repertório? Canções que já podem ser chamadas de clássicos como “Bédi Beat”, “Derretendo”, “Egoísta” e claro, “Bixinho”, que encerra a apresentação. A verdade é que esse show, além de ter sido concebido de coração aberto, foi feito pra dançar chorando.

Elba Ramalho convida Mariana Aydar

De grandes encontros Elba Ramalho entende bem! Após ter rodado o Brasil ao lado de Alceu Valença, Geraldo Azevedo e Zé Ramalho protagonizando uma das mais fortes uniões da música brasileira (que pasme você, completou 22 anos em 2019), a musa Elba Ramalho tá antenadíssima no que anda tocando por aí e resolveu convidar a paulista Mariana Aydar pra uma nova parceria.

Juntas, elas devem promover uma ode à música nordestina mesclando clássicos e novas canções da artista, que lançou em julho, com apoio de Natura Musical, a terceira parte do EP “Veia Nordestina”. O nome diz tudo, né? Nesse projeto, aliás, elas cantam a faixa “Forró do ET”, que é uma delícia.

E aí, qual deles te deixou mais animado? Espia a lista completa de atrações:

Sábado (07 de setembro)

13h30 – 14h20: Josyara

14h50 – 15h40: Dona Onete

16h15 – 17h05: Duda Beat

17h35 – 18h35: Elba Ramalho convida Mariana Aydar

19h05 – 19h55: Mestre Anderson Miguel + Renata Rosa

20h40 – 22h: BaianaSystem

Domingo (08 de setembro)

13h30 – 14h20: Curumin convida Geovana e Saulo Duarte

14h50 – 15h40: Afrocidade

16h10 – 17h10: Chico César + Maria Gadú

17h40 – 18h30: Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz

19h10 – 20h: Mestre Anderson Miguel + Renata Rosa

20h45 – 22h: Ney Matogrosso

A festa, realizada com incentivo do edital Natura Musical, rola no Memorial da América Latina e ainda há ingressos disponíveis (você pode adquiri-los clicando aqui). Você vem com a gente?

Comentários

Topo