Menu Papel POP

Capa da revista Porter, Cara Delevingne dá entrevista sobre homofobia, assédio e namoro

MAIS SOBRE:

Na última sexta-feira (14), a Porter publicou uma longa entrevista com Cara Delevingne, já que ela é a capa da mais recente edição da revista.

A Cara tá super conceitual na foto. Olha só:

View this post on Instagram

@portermagazine 🖤

A post shared by Cara Delevingne (@caradelevingne) on

Durante a conversa, a modelo e atriz aproveitou a oportunidade para falar um pouco sobre Harvey Weinstein — o produtor estadunidense que foi indicado como autor de uma série de abusos sexuais em Hollywood.

“Uma das primeiras coisas que ele me falou foi: ‘Você nunca fará sucesso nessa indústria (do cinema) por ser uma mulher gay. Deixe uma barba crescer!’. Aí, quando eu estava começando a fazer testes para filmes, ele começou a nomear mulheres que são minhas amigas — celebridades — e perguntar: ‘Você já dormiu com essa pessoa?’. Foi insano”

Como se isso já não bastasse, ele ainda fez mais. Para quem não lembra, em outubro de 2017, Cara contou que Weinstein tinha tentado beijá-la a força. Leia o textão que ela fez na época:

View this post on Instagram

When I first started to work as an actress, i was working on a film and I received a call from‎ Harvey Weinstein asking if I had slept with any of the women I was seen out with in the media. It was a very odd and uncomfortable call….i answered none of his questions and hurried off the phone but before I hung up, he said to me that If I was gay or decided to be with a woman especially in public that I'd never get the role of a straight woman or make it as an actress in Hollywood. A year or two later, I went to a meeting with him in the lobby of a hotel with a director about an upcoming film. The director left the meeting and Harvey asked me to stay and chat with him. As soon as we were alone he began to brag about all the actresses he had slept with and how he had made their careers and spoke about other inappropriate things of a sexual nature. He then invited me to his room. I quickly declined and asked his assistant if my car was outside. She said it wasn't and wouldn't be for a bit and I should go to his room. At that moment I felt very powerless and scared but didn't want to act that way hoping that I was wrong about the situation. When I arrived I was relieved to find another woman in his room and thought immediately I was safe. He asked us to kiss and she began some sort of advances upon his direction. I swiftly got up and asked him if he knew that I could sing. And I began to sing….i thought it would make the situation better….more professional….like an audition….i was so nervous. After singing I said again that I had to leave. He walked me to the door and stood in front of it and tried to kiss me on the lips. I stopped him and managed to get out of the room. I still got the part for the film and always thought that he gave it to me because of what happened. Since then I felt awful that I did the movie. I felt like I didn't deserve the part. I was so hesitant about speaking out….I didn't want to hurt his family. I felt guilty as if I did something wrong. I was also terrified that this sort of thing had happened to so many women I know but no one had said anything because of fear.

A post shared by Cara Delevingne (@caradelevingne) on

Quando eu comecei a trabalhar como atriz, eu estava trabalhando em um filme e recebi uma ligação de Harvey Weinstein perguntando se eu tinha dormido com algum das mulheres com quem fui vista na mídia. Foi uma ligação muito estranha e desconfortável… Não respondi nenhuma de suas perguntas e tentei me livrar daquilo, mas, antes de eu desligar, ele disse que se eu fosse gay ou decidisse estar com uma mulher em público eu jamais conseguiria o papel de uma mulher hétero ou dar certo como uma atriz em Hollywood. Um ou dois anos depois, eu fui a uma reunião sobre um novo filme com ele e um diretor no lobby de um hotel. O diretor saiu da reunião e Harvey pediu para eu ficar e conversar com ele. Assim que ficamos sozinhos, ele começou a se gabar sobre todas as atrizes com quem dormiu e como ele fez suas carreiras, e disse outras coisas impróprias de natureza sexual. Ele, então, me convidou para seu quarto. Eu rapidamente recusei e perguntei a sua assistente se meu carro estava do lado de fora. Ela disse que não e que ia demorar, e que eu deveria ir para o quarto dele. Naquele momento, eu me senti muito impotente e assustada, mas não queria demonstrar isso esperando estar errada sobre aquela situação. Quando eu cheguei (no quarto), eu estava aliviada por encontrar outra mulher em seu quarto e pensei imediatamente que estava segura. Ele pediu para eu e ela nos beijarmos e ela meio que começou a avançar em sua direção; Eu rapidamente me levantei e perguntei se ele sabia que eu cantava. E eu comecei a cantar… Achei que aquilo melhoraria a situação… Mais profissional… Como um teste… Eu estava muito nervosa. Depois de cantar, eu disse mais uma vez que precisava ir embora. Ele me acompanhou até a porta e parou em frente, tentando beijar a minha boca. Eu o parei e consegui sair do quarto. Eu ainda consegui o papel no filme e sempre pensei que ele me deu isso por conta do que tinha acontecido. Desde então, eu me senti estranha por ter feito aquele filme. Eu pensei que não merecia aquele papel. Eu estava muito hesitante em revelar o que aconteceu… Eu não queria magoar sua família. Me senti culpada, como se eu tivesse feito algo errado. E também fiquei aterrorizada que esse tipo de coisa tenha acontecido com tantas mulheres que eu conheço e nenhuma delas falou sobre isso por medo. Eu quero que mulheres e garotas saibam que ser vítima de abusa ou estupro NUNCA é culpa delas e não falar sobre isso vai semore causar mais dano do que contar a verdade. Estou aliviada por poder compartilhar isso… Eu realmente me sinto melhor e sinto orgulho das mulheres que foram corajosas o suficiente para falar… Isso não é fácil, mas há força entre nós. Como eu disse, isto é apenas o começo. Em toda indústria e especialmente em Hollywood, homens abusam de seu poder usando o medo e saem livres disso. Isso deve parar. Quanto mais falamos sobre isso, menos poder damos a eles. Eu insisto que todas vocês falam e digo a todos que defendem esses homens que vocês são parte do problema”

Além desse tema meio pesado, Cara também falou sobre seu relacionamento com Ashley Benson, de “Pretty Little Liars”.

“Ela foi a primeira pessoa que disse: ‘Você não pode me afastar. Eu vou continuar sendo legal com você. Eu te amo’. Eu fiquei tipo: ‘Espera. Então tudo que eu tenho que fazer é apenas deixar você ser legal comigo? Por que eu nunca fiz isso antes?’. Eu nunca tinha confiado em ninguém antes e nem achado que eu merecia isso de alguém. Eu estava sempre tentando afastar as pessoas”

O casal já está junto há mais de um ano e agora vive uma ótima fase.

“Isso definitivamente me faz sentir melhor e mais feliz”

Por fim, a diva também quis reforçar como prefere não rotular sua sexualidade.

“Rótulos me incomodam. Eu já participei de muitos jantares em que as pessoas ficam tipo: ‘Então você é o que? L, G, B, T, Q?’. Eu fico: ‘Gente, sério? É disso que estamos falando? Eu troco todos os dias'”

Um lembrete: Cara, ao lado de Orlando Bloom, estrela a série “Carnival Row“, da Amazon. A produção, que conta com oito episódios, se passa em um mundo vitoriano cheio de criaturas fantásticas e já está disponível no streaming da empresa. Veja o trailer!

Comentários

Topo