Menu Papel POP

Pabllo Vittar fala ao Papelpop sobre feat. com Charli XCX: “Realização de um sonho”

Este post não contém tags.

Não se fala em outra coisa: o mundo pop está com todos os seus holofotes voltados para Pabllo Vittar, que lança nesta quinta-feira (24) o lead single de seu terceiro álbum de estúdio, “111”. Intitulada “Flash Pose”, a faixa ostenta uma parceria com a maravilhosa Charli XCX, sua amiga e colaboradora de longa data.

Quem ouviu é capaz de dizer que essa conexão Brasil-Reino Unido promete colocar todo mundo pra dançar (e, claro, dar close). O single, nas palavras precisas da drag, vem cheio de referências queer, reserva um clipe fabuloso e, sonoramente falando, está carregado de influências da música eletrônica. Tudo que nós gays sempre quisemos!

O que dá pra comentar disso? É preciso se preparar, porque o que vem por aí é algo nada menos que grandioso. Por isso mesmo quisemos conversar com Pabllo pra saber o que esperar. Por WhatsApp, ela respondeu a 6 perguntas nossas e falou, entre outros assuntos, sobre a realização deste que é seu “featuring dos sonhos”, suas amizades com grandes personalidades do pop e o trabalho que vem fazendo pra alcançar novos públicos.

Ela agora também canta em inglês e espanhol – mas sem jamais perder a humildade. Pabllo segue sendo uma pessoa segura quanto a sua essência e, igualmente, com o próprio dinheiro. O ícone recebe diariamente uma porção generosa de mimos e não gasta absolutamente nada (nada mesmo, visto que até mantimentos como arroz e feijão fazem parte de seus “recebidos” hahahaha). Vem ler que tá demais!

Papelpop: Pabllo Vittar, queen of pop! Estamos morrendo de saudade de você e muito felizes com o seu novo trabalho! A primeira pergunta é: como falar o nome do seu novo disco? Pronunciamos “111”, “1 do 11” (por causa do seu aniversário)? Ou a gente fala “One Eleven?” Tá o maior debate aqui na redação, tira essa dúvida pra gente! 

Pabllo Vittar: Oi, meus amores do Papelpop! Menina, uma ótima pergunta! Todo mundo tá na dúvida por conta dos três número “1”, mas isso é por conta da data do meu aniversário. Pra quem ainda não sabe, nasci em 1º de novembro. Sou escorpiana, sou gostosa, sou fogosa, então decidi trazer esse disco com o nome de “Cento e onze”. Mas você chama como quiser que tá tudo ótimo! (risos)

Tive a honra e a sorte de escutar “Flash Pose” e estou apaixonado pela música. Tá lacre, tá bapho, tá voguing, tá house music… Eu amei! Não dava pra ser mais gay e você conseguiu! (risos) Como foi trabalhar com Charli XCX? Eu a considero uma das cantoras mais subestimadas no pop, adoro o trabalho dela… Esse som tá mais próximo do som que você costuma ouvir quando tá dando close com os amigos?

Que bom que você gostou porque é uma música que já estou com a base há algum tempo. Estava procurando alguém que pudesse agregar comigo nessa música e pensei na Charli logo de imediato. Eu amo tudo o que ela faz, sou fã bem antes até de ser Pabllo Vittar… Sabe quando alguém te pergunta qual é o featuring dos meus sonhos? É este. Agora não está mais na lista porque a gente tem “Flash Pose” e ela foi importantíssima na música, traz a parte do break, a PC Music… eu amo isso, escuto pra caramba com os meus amigos. Além disso, a Charli foi uma das inspirações para o “Não Para Não” e começar minha nova era com um featuring junto a ela é um sonho. Charli, I love you, baby!

Eu sei que nesse terceiro trabalho você tá cantando, além de português, em inglês e espanhol. Como está a sua relação com as línguas? Eu sei que você adora brincar falando em inglês como se fosse uma Kardashian (risos), mas como você se preparou pra cantar? Fez um intensivão, tem um professor na sua cola?

Eu tô me preparando pra gravar esse álbum desde o ano passado, fazendo aulas de inglês e espanhol, hablando, speaking a lot, you know. Kim can never! A gente quer chegar nessa nova fase bem afiado, tô gostando muito de cantar em outras línguas porque agora vou ter uma música pra me comunicar com os meus fãs americanos, meus fãs latinos. Vai ser bem legal essa interação nos shows… Já quero lançar o disco pra poder chegar nos lugares cantando espanhol e inglês, massss sempre lembrando dos meus fãs, Vittarlovers brasileiros. São elas que impulsionam a revolução, meu amor.

Ainda falando sobre o seu giro internacional… estamos vendo você dando uns rolês super amigona de Aluna George, Olly Alexander, Rosalía… você deve ter encontrado muita gente. Eu fiquei sabendo do encontro com a Madonna, por exemplo. Qual famoso você encontrou e mais ficou mais empolgada ever e como foi?

Menina, eu amo encontrar essa galera! Fiquei sabendo hoje pelo Instagram que a Aluna George tá grávida! Eu tava com ela e mandei uma mensagem dizendo ‘Caramba, você não me falou que tu tava gravida, égua!’. Ah, Olly, de Years & Years, é uma pessoa super fofa, era muito fã dele e agora sou mais ainda. Saímos em L.A., demos várias voltinhas. A Madonna conheci no Brasil, na casa de Luciano Huck em 2017 e depois nunca mais vi a rainha. A Madame X tá sumida. É sempre legal ver essa galera, a Charli, o Troye Sivan, demos vários rolêzinhos e quem sabe disso não sai música? (risos) Fica ligada!

A gente quer saber sobre dinheiro, não quanto você tem, claro! Mas com o que você gasta? O que você faz com a grana? Você ganha maquiagem, roupas, botas exclusivas… tá sempre cheia de mimos! E o Dantas tá aqui na redação pedindo um iPhone (risos).

Dantas, assim que o meu tiver velhinho eu te dou (risos). Eu sou uma pessoa que gosta de guardar dinheiro. Eu não sei o dia de amanhã, o que vai acontecer comigo… a gente tá sempre aí guardando dinheiro e não costumo gastar muito. Não sou uma pessoa consumista, meus amigos até brigam comigo e que não gasto nada. Oxe, o dinheiro é meu, me deixe! Eu ganho tudo! Farofa, saco de feijão, mandam comida, mandam roupa e sapato… gasto meu tempo comendo e vestindo o que me enviam. É a única coisa que gasto.

Eu quero saber das outras músicas do disco? Vai ser nesse mesmo estilo queer, voguing, pose, lacração gigantesca? Eu sei que o lançamento acontece em duas partes… 

Não, o disco não vai ser todo pautado no tema de “Flash Pose”. É uma música que eu quis abrir os trabalhos de “111” porque é uma música alegre, é uma música que me remete ao universo queer, que me deixa feliz, que ouço e quero dançar. A Charli tá nessa música é uma princesona do PC que eu amo muito, mas as outras músicas vão ter a minha estética. Jamais vou esquecer quem eu sou. Vamos ter meus forrós, minhas cumbias doidas… me aguarde, gata!

 

Ouça o áudio completo dessa conversa em nosso Instagram!

Marque na agenda: “Flash Pose” chega às plataformas digitais na noite desta quinta-feira (25), pontualmente às 21h.

 

Comentários

Topo