Menu Papel POP

Bazzi conta ao Papelpop sobre amor por Freddie Mercury e vontade de vir ao Brasil!

Você já conhece o Bazzi?
O cantor de estadunidense de 21 anos ficou conhecido com o single “Mine”, lançado em outubro de 2017 e que viralizou no início de 2018.

De lá pra cá, ele já lançou seu disco de estreia e vários singles, incluindo a colaboração lindinha com a Camila Cabello:

A gente bateu um papo com ele sobre as coisas que o inspiram, processo criativo, fãs brasileiros e ídolos. Vem ver:

Adoramos sua canção “Paradise”! E, com ela, veio a pergunta: quais são as coisas que mais te inspiram?

Acho que emoções em geral mesmo. Eu acho que música e arte é sobre pegar o sentimento e captura-lo. Minhas canções vêm daí.

E como são esses processos de criação?

É sempre aleatório. Às vezes, começa no nas gravações de voz do celular.  Ou sentado a um piano no estúdio. Mas tudo começa sempre com um elemento musical específico que me deixa animado.

Usar tecnologia e notas de voz na composição é algo muito comum atualmente. Inclusive, a atual geração de artistas usa a tecnologia e as redes sociais como mais um artifício de contar as narrativas de suas músicas. Como você vê isso?

Sim! Com as redes sociais, você pode ganhar uma nova perspectiva de uma música, ou sobre a arte e o artista. Uma perspectiva mais ampla.

E já faz um ano desde seu primeiro hit aconteceu. É estranho ter fãs nas redes? Como é ter todas essas pessoas ao seu redor?

Cara, é bem doido. Ter essas pessoas tão apaixonadas e compartilhando essa paixão com você é muito lindo. É uma conexão muito bonita e especial.

Você produz suas próprias canções, né?

Sim! Todas as músicas que eu já lancei foram feitas por mim e um co-produtor.

Você sente que, como é um processo criativo bem intimista, você tem uma pressão em sempre fazer algo melhor?
Não sinto muita pressão, porque faço a música mais pra mim, sabe? Não faço para outras pessoas e para as opiniões delas. Só crio as canções que eu queria ouvir. Não tem uma escala do que é melhor ou pior pra mim. 

E você ouve suas músicas depois que já lançou e fica pensando nas coisas que poderiam ter sido diferente? Como é isso?

Na verdade, não ouço elas depois de serem lançadas não! Quando eu boto as músicas pro mundo, já há opiniões e ideias externas sobre elas, então elas deixam de ser tão pessoais. 

Como é estar em turnê? Você já recebeu muitos “please, come to Brazil”?

Fazer turnê é algo que tive que aprender, mas é especial demais. E sim, recebo esses tuítes toda hora! E eu absolutamente mal posso esperar pra ir ao Brasil e encontrar todos meus fãs adoráveis daí!

Você tem alguma obsessão musical neste momento?

Estou ouvindo umas coisas mais antigas, tipo umas do Eminem. Ele é brilhante!

Sobre clássicos, quais são os artistas que te inspiram?

Freddie Mercury é um dos principais, porque ele ampliou o conceito do que é música.

Tem alguém com quem você adoraria de colaborar?

Kanye West ou J Balvin. Amo os dois.

 

Já pensou se esse feat. rolasse? <3

Comentários

Topo