Menu Papel POP

Exclusivo: Thiago Pethit lança clipe emblemático de “Me Destrói” com os diretores de “Beira-Mar”

MAIS SOBRE:

Thiago Pethit é um artista completo, e sua videografia não decepciona, como é o caso de “Nightwalker”, “Moon” e “Romeo”. Agora é a vez da icônica “Me Destrói” música do seu quarto disco “Mal dos Trópicos (Queda e Ascensão de Orfeu da Consolação)”, lançado em março.

A narrativa do vídeo apresenta personagens apaixonados e obcecados, envoltos por um sentimento de autodestruição. O artista divulga também uma capa para a música, assinada pelo artista plástico Samuel d’Saboia, que foi o responsável pela arte do primeiro single do álbum, “Noite Vazia”.

A dupla Filipe Matzembacher e Márcio Reolon (“Beira-Mar” e “Tinta Bruta“) está na direção do clipe de “Me Destrói”, e buscou inspirações em obras de Hitchcock e Caravaggio. Filmado em Porto Alegre, o vídeo traz referências do cinema noir e de filmes de suspense: “As obsessões amorosas dos personagens foram nosso fio condutor para encontrar essas imagens e situações”, comentaram os diretores.

Continuaram:

“Desde a primeira vez que escutamos ‘Mal dos Trópicos’ ficamos muito tocados. É um trabalho muito forte, que junta um olhar íntimo, sentimental, sexual, com perspectivas políticas. E esse ponto de vista nos interessa muito em nossos filmes. Além disso, é um álbum com muitas referências cinematográficas. Escutamos a primeira música e não conseguimos parar até o fim”.

Assista aqui:

Intenso!

Capa do single foi feita pelo maravilhoso Samuel d’Saboia (Sarmurr):

.

Thiago comentou sobre o clipe: “Eu tinha a ideia de criar um videoclipe que pudesse, depois de ‘Moon’ e ‘Romeo’, explorar a questão da afetividade e da sexualidade em 2019. Neste ano após eleições em que tudo parece tão suspeito, tudo gera uma certa paranoia. Como é falar do sexo e do amor agora?”, perguntou. Já Filipe, refletiu: “Nos interessava bastante explorar essa múltipla história de várias pessoas em situações de intenso desejo e autodestruição, a fixação pelo outro como caminho sem volta”.

Comentários

Topo