Menu Papel POP

Disney foi o estúdio com menor representatividade LGBTQ em 2018, segundo a GLAAD

MAIS SOBRE:

A GLAAD (Gay & Lesbian Alliance Against Defamation) fez um estudo que rastreou a visibilidade LGBT em filmes lançados em 2018 pelos sete principais estúdios de Hollywood. A pesquisa encontrou um aumento substancial na representatividade desde 2017, mas há muitos ‘buracos’ nessa representatividade que precisam ser preenchidos.

O estúdio Disney foi o mais criticado e falta muito chão ainda para ter uma representação de personagens LGBT digna. Os últimos lançamentos da empresa do Mickey não incluíram nenhum personagem homossexual ou transgêmero em 2018. Ou seja, dos últimos 10 filmes, 0% personagens LGBT. Enquanto isso, 10% dos filmes da 20th Century Fox (que foi comprada pela Disney no começo deste ano), já trouxeram representatividade neste segmento.

Com a última edição de seu índice, a GLAAD ainda descobriu que apenas 18,2% dos 110 filmes distribuídos pelos grandes estúdios no ano passado tinham personagens LGBTQ. Isso resulta em um total de 20 filmes e um aumento em relação a 2017, que marcou uma grande baixa para a indústria (12,8%, ou 14 de 109 filmes) desde que a GLAAD começou a conduzir o estudo há sete anos.

Nenhum desses 110 filmes lançados em 2018 apresentava um único personagem trans. Onze filmes apresentaram personagens gays, já 11 longas com personagens lésbicas e três filmes com personagens bissexuais.

Megan Townsend, diretora de pesquisa da GLAAD, falou com o Entertainment Weekly sobre a pesquisa: “Esta paisagem incerta que estamos vivendo na mídia atualmente, e especialmente no cinema, levanta preocupações quando à diversidade e inclusão”.

“Não sabemos exatamente o que o relatório do próximo ano vai mostrar, mas sabemos que há uma grande inconsistência, ano após ano, entre os conteúdos lançados por diferentes estúdios. Estamos de olho em tudo o que está acontecendo, e todos os estúdios têm a oportunidade de trazer mais representatividade LGBTQ+ nos seus próximos projetos”

GLAAD destacou os filmes lançados em 2018: “Com Amor, Simon”, “Podres de Ricos”, “Poderia Me Perdoar?”, “Deadpool 2”, “A Favorita”, “Aniquilação” e “Millennium: A Garota na Teia de Aranha”.

Ainda em 2018 tivemos zero filmes de animação (os desenhos que tanto amamos) com personagens LGBT. Esta foi a primeira vez em cinco anos que a GLAAD não registrou personagens não-héteros na categoria de animações e filmes para a família.

Comentários

Topo