Menu Papel POP

Preciso contar pra vocês da minha visita ao set de filmagens de “Rocketman”

MAIS SOBRE:

Tenho que contar da viagem que fiz ano passado pra Londres. Na verdade foi para uma cidade próxima da capital, chamada Windsor. Sim, aquele lugar onde toda a família real britânica vai para casar, uma região cheia de castelos, com muuuuuito verde, muitas flores… Lindo de morrer.

Fiquei hospedado num hotel que era um castelo. Verdade. E não era qualquer castelo porque ele carregava um pedaço da história de Hollywood. Foi o local onde filmaram o Rocky Horror Picture Show. Ok. Estou desviando do assunto principal. Foco no “Rocketman”.

A Paramount Pictures me chamou para acompanhar as gravações do filme que contará a trajetória de um dos grandes nomes da música, da realeza do rock, Sir Elton John.

Sim, eu estava lá, no final de 2018, passando um frio de 5°C que incomodava somente o brasileiro aqui porque o elenco do filme, incluindo o protagonista Taron Egerton, ficou muito “diboa” dançando e cantando por horas, horas e mais horas a fio na madrugada de sábado.

A visita ao set que fiz foi de tirar o fôlego. Eu vi tudo. Não só conheci o Taron, escolhido pelo Elton John para vivê-lo no cinema. Eu vi TUDO! Os figurinos estão espetaculares. As locações construídas para contar a história da vida de Elton (o pub que ele ia, a casa onde nasceu, etc.) eram todas montadas nos mínimos detalhes.

Deixa eu começar falando da cena que vi o elenco gravando. Foi esse momento na foto acima.

Era num espaço aberto, uma locação no meio de um lugar campestre deserto de Windsor. A produção montou um parque de diversões, com carrinho, tendas, roda gigante… Algo bem gigante!

No meio de um balé totalmente coreografado, surge Taron Egerton cantando e dançando com os atores um dos maiores hits do Elton John, “Saturday Night’s Alright For Fighting”. Nessa cena, Taron está interpretando o músico aos 17 anos de idade.

“Aqui é o começo da jornada, mas durante o filme você o vê chegando até os 40, então é uma grande transformação física e eu fiz o meu melhor pra adaptar isso para o Taron”, explicou o diretor do filme, Dexter Fletcher, que todos nós conhecemos recentemente pelo seu trabalho em “Bohemian Rhapsody”. Isso mesmo. O cineasta que fez o filme do Queen agora está fazendo o filme do Elton John.

O Taron não está muito igual ao Elton?

Eu tive a chance de ver uns 20 minutos de cenas gravadas, editadas e terminadas uns dias atrás e o resultado é espetacular. Diferentemente do longa que deu vida para Freddie Mercury, Taron Egerton não irá dublar a voz de Elton John. Ou seja: o ator está cantando e tocando em todas as músicas. Tudo com a benção do dono. “Quando eu gravo alguma música dele, eu mando pra ele pedindo por aprovação”, contou Taron antes de gravar a cena no parque de diversões.

“Sexta-feira eu gravei uma, que não vou dizer qual pra manter a surpresa, mas enviei pra ele e fiquei esperando no fim de semana e ele foi muito bondoso. Tenho passado muito tempo com ele”, disse Egerton.

Elton John falou para a produção não poupar nada.

Liberou o diretor para contar tudo, do pior ao melhor, sem dó alguma. “Ele teve uma vida muito intensa antes de todos nós e isso já facilita muito porque ele já viveu muita coisa”, disse Dexter.

“Elton é muito generoso e muito esperto. O script foi desenvolvido por ele e pela empresa dele. Dezoito meses atras nós o pegamos pra filmar. Ele me deu as bençãos e disse pra gente fazer o que precisava fazer. Ele sabe que se a gente estivesse gravando um disco, seria diferente e ele estaria muito mais presente e envolvido. Mas ele acompanha tudo e dá o feedback”, contou.

Mas, se por um lado, Elton não se mete na produção cinematográfica, quando chega a parte musical e o jeito que Taron está cantando suas músicas…

“Quando é sobre a gravação da música e o meu cantar, é onde ele tem, obviamente, uma forte opinião porque ele é o Elton John. Mas ele tem apoiado de forma fenomenal. Pediu para eu fazer do meu jeito”, conta Taron.

Vamos falar sobre figurino?

“Quantos figurinos? Já usei mais de 50! Eles são todos FABULOSOS”, disse Taron Egerton sobre as roupas de Elton John.

Durante minha visita ao set de gravações, não tive a chance de ver tantos assim. Mas vi os principais, uma dezena deles.

Tinha a roupa de beisebol da apresentação histórica e esgotadíssima no estádio do Dodgers, em 1975 (pra quem viu o filme Bohemian Rhapsody, essa cena deve ser tipo aquela do Live Aid! Preparem-se!). A roupa era igualzinha, mas com um detalhe que fazia toda a diferença. Da cabeça aos pés, ela era cravejada de cristais Swarovski. Táááá, meu bem?

Outro figurino que me deixou de queixo caído: o da rainha Elizabeth. Elton já se vestiu como um monarca britânico algumas vezes, mas em “Rocketman” ele aparecerá como a primeira rainha Elizabeth, lá do século 16, com aquela quantidade absurda de maquiagem, babados, mangas bufantes, jóias e coroa extravagante na cabeça.

Agora eu deixo o meu favorito para o final. Desde que tínhamos entrado no galpão armado no meio do set de filmagens para abrigar os figurinos, eu tinha ficado de olho nessa roupa. Era linda e de um dos momentos mais importantes do filme, a parte em que Taron canta “Goodbye Yellow Brick Road”, um dos maiores sucessos de Elton e um das músicas mais respeitadas do rock de todos os tempos.

Na letra da canção, Elton está dando adeus para os benefícios da vida na cidade, para as mordomias, dando tchau para a estrada de tijolos amarelos, uma referência clara ao filme “O Mágico de Oz”.

Não é essa laranja, de diabinho. É a outra. A roupa criada para o momento dessa música, como você pode notar no canto direito da foto, atrás do Taron, tem homenagens claras aos personagens do musical estrelado por Judy Garland. Os sapatos você não confere na foto, mas eu vi e posso afirmar que eles são vermelhos e brilhantes como os de Dorothy. Está vendo o casaco de pele? É o Leão! No chapéu, você tem penas que são do Espantalho. Olha… Lindo, lindo, lindo!

O pouco que eu já vi de “Rocketman” já me deixou muito animado. É uma produção muito bonita e bem cuidada. Toda uma galera nova vai ter a chance de conhecer as músicas lindas e icônicas do Elton John e aqueles que já as conhecem vão ficar por dentro de histórias riquíssimas por de trás das composições.

Exemplo: saber em que momento da carreira de Elton existe “Don’t Let the Sun Go Down On Me” e por que ela existe e em quais circunstâncias Elton e seu colaborador genial Bernie Taupin escreveram “Goodbye Yellow Brick Road”.

Uma das cenas mais tocantes que vi foi Taron como Elton novinho, em casa, criando a letra de “Your Song” no piano e a música surgindo aos poucos e emocionando a família dele. Foi de arrepiar. A gente vai sair do cinema flutuando. Tenho certeza.

Ah! Interessa alguém as fotos acima? É o tal castelo do Rocky Horror Show, onde fiquei hospedado, ao lado meu café da manhã levinho de todo dia e uma cartinha escrita pelo Elton John (ok, essa parte é mentira).

“Rocketman” estreia dia 30 de maio no Brasil e tem Taron como protagonista fazendo o Elton, mas também tem Jamie Bell como Bernie, o Richard Madden (Rob Stark!) como o namorado do Elton, John Reid, e também Bryce Dallas Howard como a mãe do músico, Sheila Eileen.

Comentários

Topo