Menu Papel POP

Luís Fonsi fala ao Papelpop sobre novo álbum, retorno às baladas românticas e importância do amor

MAIS SOBRE:

“Des-pa-ci-to”. Você muito provavelmente leu essa palavra cantando na voz de Luís Fonsi, o rei das baladas românticas e, acima de qualquer coisa, maior artista latino em números no YouTube.

Pra se ter uma ideia, a faixa lançada em 2017 detém sete prêmios Guinness e tem um clipe que já ultrapassou os seis bilhões de exibições – a marca, aliás, foi alcançada na última segunda-feira (25) e segue crescendo.

Após esse super sucesso, que tomou conta das pistas (e ganhou até um remix com Justin Bieber), o cantor porto-riquenho viu sua carreira decolar e tomar outros rumos. No início de fevereiro, à frente deste divisor de águas, Fonsi entregou ao público mais um álbum de estúdio, “VIDA”.

A proposta é bem simples: cravar mais uma vez nas nossas mentes toda a sua versatilidade, explícita em estilos, sons e composições mistos. Desta vez, um dos aspectos que mais chamaram a atenção na hora de analisar a linha condutora do disco foi o retorno das baladas românticas! Sim, as mesmas que o consagraram, ainda nos anos 2000.

Papelpop conversou com ele por telefone na tarde da última quarta-feira (27) e quis saber logo de cara: após uma sucessão de hits tão enérgicos, rolou pressão na hora de produzir um novo disco com uma pegada tão diferente? Fonsi garante que não:

“Não sinto pressão em nada (risos). “Despacito” é uma canção única, que não se pode competir mais. Não sinto que eu precise fazer algo para tentar igualá-la e não existe uma fórmula também. Seria muito difícil. Então agora, meu foco e concentração estão todos voltados para o que tiver que ser a minha música seguinte”.

Ainda sobre as baladas… por que, afinal de contas, fazer esse resgate de influências? Segundo o porto-riquenho, a música pop é permissiva e o processo de revisitação foi algo bastante natural.

“Pra ser sincero, este álbum tem faixas mais românticas, especialmente se formos comparar com o que vim produzindo nos últimos tempos. Mas é bastante pop ao mesmo tempo, porque acho que esse é o segredo da música com que trabalho. Absorver, impulsionar novas fusões… e há muitas aqui, não?”.

“VIDA”, aliás, traz o amor de várias formas. Quer um exemplo prático? Além de apresentar faixas que narram aquele tipo de amor fulminante, sofrido e idealizado, (“Más Fuerte Que Yo” é um desses casos), existem também momentos carregados de ternura como “Ahí Estás Tú”.

A canção da vez foi inspirada no filho caçula do cantor, Rocco, de 2 anos <3

Apesar de já ser pai de Mikaella, cinco anos mais velha, Fonsi disse que este momento do disco é especial e reflete, de forma ainda mais clara, o poder de transformação da paternidade.

“A paternidade, assim como todas as demais formas de amor presentes nas canções que trago, mexe com as nossas emoções, mas eu diria que de uma forma mais intensa. É algo que te toca todos os dias. E eu senti que era necessário trazer isso para o disco, especialmente por ser um momento tão especial de nossas vidas, quis eternizar a doçura de meu filho”.

Por falar em amor, o artista foi um dos convidados para tocar no Venezuela Aid, um show que reuniu na fronteira com a Colômbia, já no fim de fevereiro, diversos artistas latinos. Na ocasião, outros nomes como Alejandro Sanz, Carlos Vives e Juanes subiram ao palco sem cobrar cachê com a finalidade de arrecadar fundos para os afetados pela crise humanitária que a Venezuela enfrenta.

Com tantos momentos delicados acontecendo ao mesmo tempo em todo o mundo, especialmente nas nações latino-americanas, questionamos o cantor sobre a necessidade de se falar sobre o amor e transformá-lo em música. Afinal, fazer isso no presente momento é mais importante do que nunca ou sempre foi?

“Sempre foi. Desde sempre tenho em mente que o amor é tudo para mim, é minha principal fonte criativa e de uma forma ou de outra, tudo sempre gira em torno deste sentimento. É o mais poderoso de todos os sentimentos e agora, com tantas coisas ruins e difíceis acontecendo em tantos países, tenho convicção de que a música precisa sim falar disso. Vejo como algo extremamente necessário”.

A palavra hiato não é muito conhecida no vocabulário dele. Antes deste álbum chegar, Fonsi também participou de “Baby”, faixa lançada no fim do ano passado em parceria com o Clean Bandit e Marina (ex-and The Diamands).

O clipe, deslumbrante, mostra uma festa de casamento daquelas em que rola até som ao vivo: neste caso, claro, quem comanda a festa é o próprio, ao lado da cantora galesa. Sobre a experiência de gravar ao lado de nomes tão pop, o cantor traz recordações engraçadas.

“Eu ainda não conhecia Marina pessoalmente e então fomos a Los Angeles. O que eu posso dizer daquele dia é que foi tudo demasiadamente divertido. Eu me emociono sempre que lembro que fiz parte daquilo tudo”.

“VIDA” já está disponível em todas as plataformas digitais. Vem ouvir!

Comentários

Topo