Menu Papel POP

Michael B. Jordan conta que precisou fazer terapia após Pantera Negra

Não é fácil interpretar alguns personagens, e Michael B. Jordan sentiu isso na pele quando interpretou Erik Killmonger em Pantera Negra (2018).

Em entrevista à Oprah, em seu programa SuperSoul Conversations, Jordan confessou ter tido dificuldade de lidar com o que estava sentindo após as gravações do filme (Via USA Today).

“Fui para a terapia, comecei a falar com as pessoas, começando a desempacotar um pouco. Estava sozinho, me isolando. Passei muito tempo sozinho, e descobri que a infância e o crescimento de Erik [Killmonger], foram muito solitários. Ele não tinha muitas pessoas com quem podia conversar sobre esse lugar chamado Wakanda que não existia.

 

Claro que é uma versão extrema e exagerada da Diáspora Africana da perspectiva afro-americana, então ser capaz de absorver esse tipo de dor e raiva, todas essas emoções que Erik meio que representa por ser negro e mestiço aqui nos EUA… Aquilo foi algo que eu não aguentei tranquilamente.”

Jordan contou que não passou por um método ou processo para interpretar Killmonger:

Não tive um método, só fiz o que achava necessário ou o que julgava certo no momento, e não tinha um plano de fuga para isso também. Quando tudo acabou, acho que estar naquele estado mental… aquilo me pegou. Foi difícil no começo, me reajustar às pessoas que cuidam de mim, receber aquele amor que eu afastei. Não queria amor, eu queria estar nesse lugar solitário o máximo que eu pudesse. [Fazer terapia] me ajudou muito.”

Comentou sobre a crítica que homens enfrentam ao procurarem tratamento psicológico.

Sua mente é poderosa. Sua mente leva seu corpo além de limites que te fariam desistir, e honestamente fazer terapia, só falar com alguém, me ajudou muito. Como homem, você pode acabar negligenciando isso, o que não recomendo. Todo mundo precisa descarregar e falar.”

Ficamos felizes que Michael B. procurou ajuda!

Pantera Negra concorre na categoria de Melhor Filme no Oscar e arrecadou mais de US$ 1,3 bilhões na bilheteria mundial.

Comentários

Topo