Menu Papel POP

Batemos um papo com MC Pocahontas sobre turnê na Europa, novo single e empoderamento feminino

Ela é puro êxtase! Um dos nomes mais conhecidos do funk carioca, MC Pocahontas vem trilhando um caminho de sucesso desde que começou a cantar, aos 16 anos. Muita coisa já rolou desde então, muitos hits vieram e no último dia 1º de novembro, ela lançou mais um que honra a classificação, o single “Quer Mais?”. A faixa é uma parceria feita com outra gigante do gênero, MC Mirella.

Tão logo foi liberada e a canção ganhou uma repercussão tremenda. Só pra se ter ideia, o clipe, que reúne muito glamour e a identidade única das duas cantoras, bateu em pouco mais de três meses a marca de 64 milhões de visualizações.

Pronta pra começar sua terceira turnê internacional em menos de um ano (Pocahontas tocou para casas lotadas nos Estados Unidos, Portugal, Bélgica, Holanda e Inglaterra no ano passado), ela volta ao velho continente agora, no mês de fevereiro. Desta vez, os shows acontecem em Geneva, Milão, Zurick, Dublin, Rotterdan e Londres.

Para saber um pouco mais da Euro Tour MC Pocahontas, do novo trabalho ao lado de MC Mirella, sobre o que ela vem planejando para 2019 e, claro, sobre sua opinião a respeito do empoderamento e da influência femininos, fomos atrás da artista pra bater um papo que foi super curioso.

Vem ler!

Papelpop: Carnaval está chegando e consigo ver “Quer Mais?” tocando muito nos blocos de rua! A música está tendo um grande sucesso e já tem 60 milhões de views no Youtube! Tá surpresa com toda essa repercussão?

MC Pocahontas: Eu sempre acreditei em “Quer Mais?”, desde a primeira vez que Hitmaker me apresentou a música, eu me arrepiei toda, falei ‘Gente que isso? É um hit!’, e todo mundo que eu mostrava a música, pirava, então eu sentia que ia ser sucesso. Só que a gente sempre se surpreende né, são 60 milhões no YouTube, estamos entre as músicas mais executadas no país. Para a gente que busca o reconhecimento, é gratificante demais. Eu espero que toque muito no carnaval e que leve muita alegria para as pessoas. Que esses números tripliquem, que toque bastante “Quer Mais?” no carnaval (risos).

Um pouco antes do Carnaval, vi que você estará belíssima fazendo turnê na Europa! São seis países, né? Está animada?

Eu tô muito animada para fazer essa turnê na Europa, é a segunda vez que eu vou e o público é muito receptivo. A primeira vez, estava totalmente insegura, pensei ‘Será que eles me conhecem?’, ‘Será que eles vão saber cantar minhas músicas?’, ‘Será que eles gostam de funk?’. E eles amam! Não só os brasileiros que vivem lá, mas os gringos também, eles cantam tudo, conhecem não só as músicas, mas a minha vida, sabem da minha filha, é incrível. Me senti muito bem nas outras turnês, e essa eu estou preparando um show diferente, indo mais segura, agora que eu já conheço a vibe deles, então eu pretendo quebrar tudo e me divertir bastante também. São 6 países e vou conseguir conhecer alguns lugares que eu ainda não fui.

Antes disso você já fez outros shows internacionais. Como é a energia dos gringos que vão? É diferente? Causa algum estranhamento fazer show fora do Brasil?

Eu fiz uma turnê na Europa, fiz outra nos Estados Unidos, eles amaram. Adoram os brasileiros, adoram o funk. A energia é diferente, claro, mas só de ver eles se esforçando para falar português, cantarem direitinho, dançarem, já é incrível. Eu tive um estranhamento quando foi a primeira vez, fui com muito medo, falei ‘Já pensou chegar lá e eu não agitar?, a galera não entender nada do que eu estou falando?’, mas tirei de letra, tanto é que a gente está voltando agora para a Europa, e em breve, a gente vai voltar também para os Estados Unidos. Quero voltar outras vezes, eu amei cantar no exterior.

O legal é que você já tem um pé na carreira internacional por causa do Future! Como foi ouvir sua voz abrindo uma música gringa?

Me senti muito vitoriosa em ter a minha voz na introdução de uma canção do Future. Adoro o trabalho dele, eu acompanho já há alguns anos e fui pega de surpresa, totalmente desprevenida. Logo na sequência a Kylie Jenner estava ouvindo logo nessa parte, gravou stories ouvindo a minha voz, foi demais. São coisas que não tem preço, fiquei muito feliz.

Falando de “Quer Mais?”, como surgiu a amizade com a MC Mirella? Já se conheciam bem antes da parceria?

Eu conheci a Mirella no programa do Raul Gil e ela tem uma vibe muito boa, ela é muito animada, muito agitada e eu também sou, então a gente se deu super bem. Todo mundo sempre dizia que queriam um hit nosso e ai fomos correr atrás, eu já tinha ‘Quero mais?’, estávamos procurando uma música para gravar, e eu falei ‘Cara, eu tenho uma música’. Daí, eu convidei ela para cantar comigo e deu no que deu (risos). Já estão pedindo mais músicas nossas de tão certo que foi essa parceria, é sempre maravilhoso trabalhar com ela, Mirella é uma parceirona.

Vendo milhões de visualizações nos clipes do Youtube, você sente que, desde que começou sua carreira, o funk se tornou um gênero mais popular? Ou ainda sofre preconceito que precisam ser quebrados?

O funk, desde que eu comecei, vem crescendo muito e é um prazer imenso fazer parte disso, tenho um orgulho do meu movimento. Existe sim muito preconceito, mas com a forma que o funk vem se profissionalizando, acredito que não é impossível quebrar essas barreiras e preconceitos.

A gente adora que o seu Instagram é puro poder, beleza, maquiagem, visual e lugares incríveis! O quão importante é pra você se mostrar dessa forma para seus seguidores?

O Instagram é minha principal ferramenta de divulgação e a minha preferida. É onde eu sou eu mesma. Gosto de mostrar meu dia a dia, dar dicas de beleza, inspirar as pessoas, mostrar que eu sou uma mulher como qualquer outra. Tem dia que eu apareço toda poderosa, maquiada, arrumada e tem dia que eu estou com o cabelo para o alto, minha filha nos braços dando mamadeira. Eu acredito que isso é muito bom, a galera sempre quer ver o dia a dia do artista, sem ser invasivo. Mostro o que eu acho legal mostrar e eu faço questão também de expor. Acho importante ser dessa forma para que as mulheres vejam que eu sou uma mulher como qualquer outra, tenho dias tristes, dias de estresse, apareço bufando, soltando um verbo, tem pessoas que me estressam, nem tudo são flores.

O que podemos esperar de MC Pocahontas para 2019? Vai ter música nova? Parcerias?

Podem esperar novas músicas, clipes e projetos.

Comentários

Topo