Menu Papel POP

Conversamos com Tropkillaz sobre novo single, colaborações e planos para 2019!

MAIS SOBRE:

Pensar em balada, é quase que a mesma coisa que pensar em Tropkillaz. Quem nunca se deixou embalar pelo som desses caras, gente? A coleção de hits deles é gigantesca não somente em títulos, mas também em números: entre os maiores sucessos, dá pra listar Tombei, parceria com a Karol Conká, Vasilhame, com o lindo do Criolo, e Vai Malandra com a Anitta.

Neste fim de semana, eles liberaram mais uma nova faixa. Desta vez acompanhados de Clau e Rincon Sapiência, a dupla lançou o single Dame Mais, que olha… é uma daquelas faixas que desde que a gente coloca os pés na pista, esperamos o momento de tocar.

Super enérgica, com uma letra bem decidida. Assiste aí:

Pois foi pra entender como funciona esse rolê de colaborações, esse processo criativo e o que vem daqui pra frente, em 2019, que nós batemos um papo com eles por telefone. Quem nos atendeu foi o Zé, e olha… foi uma delícia, viu? Vem ler essa conversa!

Papelpop: Oi, gente! Partiu de quem a ideia de produzir essa faixa?

Zé: Olha, cara… antes de mais nada a gente gravou meio que um vocal, só com melodia. Logo a gente imaginou a voz do Rincon, aí eu mandei pra ele na hora e ele topou de cara. Poucos dias depois ele colou e a gente gravou. A ideia também era ter um vocal feminino que não deixasse a faixa tão linear. Foi aí que a Clau colou um dia e foi. Tudo rolou de uma forma bem natural mesmo, sem planejamento. O Rincon já é da casa, né? Ele estava no primeiro show do Tropkillaz, lá em 2012, pra você ter uma ideia.

No clipe vocês estão numa festa e o que eu gosto no trabalho de vocês é que sempre há um envolvimento completo, vocês se jogam nos clipes. Por falar neles, ainda é um formato muito importante pra música chegar até as pessoas?

Sem dúvida, a gente demora sempre um pouco mais pra lançar os nossos materiais por conta disso. Dependemos de outros artistas e a gente acredita na força do lançamento simultâneo. A linguagem principal é essa.

Vocês também produziram Vai Malandra, com a Anitta, no fim do ano passado. Esse novo single já tem mais de 30 mil visualizações. No fundo, no fundo, vocês sabem quando uma música vai ser hit?

Sim e não. Hoje em dia depende de muitas coisas, na verdade. Essa música, Dame Mais, não é uma canção super comercial, mas ao mesmo tempo funciona em qualquer lugar, é bem versátil. A gente não faz pensando em uma coisa assim, pensamos em nível de pista, porque somos DJs acima de tudo. Produzimos do que consumimos e a receptividade anda bem grande mesmo. A nossa meta é superar sempre a última, a perspectiva é crescer, tornar-se um som do verão, sabe?

Outra coisa legal é que o Tropkillaz está sempre experimentando ritmos novos. O que vocês ainda não trabalharam mas que ainda tem vontade?

Nossa… Essa é uma pergunta que não dá para responder, porque tá ligada aos próximos lançamentos (risos). A gente tem algumas opções de próximos singles, mas não sabemos qual será ainda. Nós nunca fomos presos a um estilo, somos uma mistura grande. A gente combina, mas tem gostos diferentes, então é sempre um pouco do que cada um gosta. O que dá para adiantar disso é que estamos pensando em algo legal pro carnaval, algo mais pesado do que começamos, tem bastante coisa pronta e o ano que vem vai render.

A gente sabe que as colaborações vem de um processo muito legal, de troca, de enriquecimento e tal. Vocês já trabalharam com tanta gente… mas ainda há um featuring dos sonhos?

Sempre tem! Os feats grandes são bem difíceis de acontecer. Quando é algo mainstream então, depende de conexão, de gravadora, de lobby, de trocas… estamos sempre em contato, mostrando, mandando material, a galera ta começando a conhecer. Se Deus quiser ano que vem isso vai rolar. Aguardem.

Vocês já tocaram em vários festivais lá fora. Existe algo que o público de lá não tenha em relação ao brasileiro?

Cara, cada publico é um e acredite, em cidades aqui no Brasil também muda. A gente se molda pra tocar onde estivermos. Na França, por exemplo, é um estilo, em Portugal, outro, na Rússia então… é sempre pesadão, bem maluco… no set no brasil costuma ser um set bem mais regional. Vamos moldando de acordo com o publico, que é em geral bem animado.

Depois de Dame Mais, o que vem daqui pra frente?

Queremos um single antes do Carnaval, que deve chegar em meados de fevereiro. Em abril chega um próximo e na sequência, pensamos em algo internacional, como já trabalhamos mais fora que aqui, depois de entregar essas coisas ao Brasil, é hora de alimentar nosso público lá fora. Tem muitos collabs vindo aí!

A gente tá pronto! Pode mandar esses singles novos!

Comentários

Topo