Menu Papel POP

11 livros beeeeem legais pra ler durante as férias

Ah, as férias. Aquele momento de descanso, que podemos relaxar na praia, na frente da piscina e colocar as séries e leituras em dia. Antes de pegar a estrada, que tal dar uma passadinha na livraria? Indicamos alguns títulos que serão ótimos companheiros de mala — e deixarão seus dias de relax ainda mais divertidos.

O Diário de Uma Ansiosa ou Como Parei de me Sabotar, Beth Evans (Galera Record)
Tem muita gente que diz que ansiedade é o mal do século, e talvez seja. Essa obra trata com narrativas leves problemas psicológicos muito sérios como ansiedade, TOC e depressão. Por que ler isso nas férias? Primeiro porque não é um livro tenso ou complicado. A autora soube mesmo abordar os assuntos sem transformar a história em uma fórmula clássica de autoajuda (nada contra elas, aliás). Com textos e ilustrações, feitas pela própria autora, você se vê em meio a situações do cotidiano que são muito difíceis para quem sofre com alguns desses transtornos, e corriqueira para quem não. É bom para exercitar a empatia e entender que quando o outro diz que não está se sentindo bem não é frescura.

Shorts, Gustavo Duarte
Se gosta de quadrinhos, anote esse nome. O brasileiro, que esteve presente no Artist´s Alley da CCXP 2018, já desenhou para muitas grifes famosíssimas e que você conhece o nome muito bem, como Marvel, DC e Turma da Mônica. Shorts, sua obra própria, é um quadrinho mudo que narra situações fantasiosas. Sim, você leu direito: os personagens não têm falas. É preciso ficar bem atento aos desenhos para entender o desenrolar da história. Não que seja difícil, pois as criações de Gustavo são cheias de detalhes cativantes.

Sem filtro, Lily Collins (Galera Record)
A atriz de 29 anos, famosa por seus papéis em filmes como Espelho, Espelho Meu e pela série da The Last Tycoon, já tem uma biografia. E, sim, Lily tem situações marcantes sobre sua vida para narrar mesmo com tão pouca idade. Na obra, ela conta sobre as dificuldades de seu relacionamento com o pai — o músico britânico Phil Collins — e sobre situações que viveu durante um relacionamento abusivo. É bacana ver como ela enfrentou as situações. Quem sabe esse não é o empurrão que você precisava para mudar algo em sua própria vida?

A Bruxa não vai para a fogueira Neste Livro, Amanda Lovelace, (Leya)
Esse foi considerado a melhor obra na categoria “Poesia” do 10th Annual Goodreads Choice Awards. E, olha, não é simples de ler. Se está pesquisando uma leitura mais cabeçuda e que requer interpretação, essa é sua escolha. A autora compara os crimes, preconceitos e a pressão que a mulher sofre pela sociedade com uma caça às bruxas. Fala sobre assuntos duríssimos como relacionamentos abusivos e estupro com poemas curtos. Entre os compilados, existe até uma poesia em homenagem a O Conto de Aia, de Margaret Atwood e a Marcha das Mulheres.

Amoras, Emicida (Companhia das Letrinhas)
Há quanto tempo você não lê uma história infantil? Não é preciso ser criança para perceber a riqueza que livros como esses têm. Geralmente rola uma lição de vida, palavras de apoio, de incentivo, aquele empurrão na autoestima… Esse, escrito pelo rapper Emicida, é uma aula de como o coração dos pequenos não têm maldade. A história fala de diferentes religiões (e deixa claro que Deus tem muitos nomes), e trabalha o empoderamento fazendo analogia com as amoras de um pomar. Em um trecho, Emicida diz que “as pretinhas são as melhores que há” e a sua filha responde: “Papai, que bom, porque eu sou pretinha também!”.

No Ritmo do Amor, Brittainy C. Cherry (Record)
Eu adoro histórias que se passam em Nova Orleans. Não conheço a cidade, mas tenho curiosidade de viver aquela atmosfera que todo mundo fala que é mágica e mística. Esse é um livro de romance com uma fórmula tradicional regado a jazz e soul. Jasmine Greene, que tem uma voz poderosíssima, se encantou pelo talento com instrumento de Elliott Adams, um garoto gago que sofria bullying no colégio. A paixão pela música de ambos ajudou para que um relacionamento começasse, mas, por motivos da vida, adolescência e decisão da mãe da menina, não foi para frente. Anos depois, Jasmine retorna a Nova Orleans e tenta se reconectar com Elliott, só que um crime fez com que a personalidade daquele garoto tímido se transformasse completamente. Sim, a história tem final feliz e é daquelas que dá até quentinho no coração.

Batman: A Piada Mortal, Alan Moore e Brian Bolland (Panini)
Momento geek passando por essa matéria. Se você nunca leu nenhum quadrinho na vida, mas tem vontade de conhecer um pouco mais sobre esse tipo de literatura, comece por esse. Tim Burton, por exemplo, gosta muito. Logo na capa da edição tem uma frase do cineasta que diz: “Eu adorei. É o meu favorito. O primeiro gibi que gostei”. A trama narra a vida de um cara comum que entra em um rolo querendo ter sucesso na vida. Com a mulher grávida em casa, ele tenta faturar dinheiro de uma maneira fácil e acaba se envolvendo em um acidente químico que o transformou no Coringa. Sem mais spoiler, esse HQ é cheio de ação e merece um lugar na sua estante.

Ego Maníaco, Vi Keeland (Editora Charme)
Desde Cinquenta Tons de Cinza os livros com pegada erótica e caras sem camisa na capa parece que se multiplicaram. Apesar da grande quantidade de fãs, rola ainda muito preconceito em relação a esse tipo de romance. Mas qualquer tipo de leitura é válida. Nessa história, Emerie caiu em um golpe: em vez de alugar um escritório incrível em Nova York, ela estava usando um espaço que já tinha dono. Drew Jagger, um advogado de divórcio, chega de uma viagem e descobre o acontecido. Em vez de colocar a menina no olho da rua, a ajuda até que ela encontre um novo local para exercer sua prática. Essa proximidade entre a terapeuta de casais e o advogado acaba gerando uma química, claro. E o resto? Ah, você precisa ler…

O Conto da Ilha Desconhecida, José Saramago (Companhia das Letras)
Não é só porque o autor é famoso que suas obras são difíceis de ler. Não se deixe levar por esse esteriótipo e dê oportunidade para grandes nomes da literatura. Se ficou assustado com o tamanho de “Ensaio Sobre a Cegueira”, comece lendo uma produção mais fininha do autor português, como essa. A história fala de um súdito muito determinado que bateu na porta dos pedidos de um rei querendo um barco para encontrar uma ilha desconhecida. Ele se torna piada devido a prepotência da população que pensava já conhecer tudo do mundo. É uma trama sobre acreditar nos seus sonhos.

O QUE EU VOU LER NAS FÉRIAS…

Um Dia em Dezembro, Josie Silver (Bertrand Brasil)
Você sabia que Reese Whiterspoon tem um clube do livro? Chamado de Hello Sunshine, a atriz escolheu Um Dia em Dezembro como a obra para ser discutida esse mês. Você acredita em amor a primeira vista? Laurie está dentro do ônibus em uma tarde fria de de dezembro quando viu um cara no ponto. Bastaram poucos segundos para ela criar uma conexão intensa e chegar a conclusão de que ele era o homem da sua vida. Só tem um pequeno problema: o ônibus vai embora e o boy fica para trás. Por um ano ela procura no rosto de vários estranhos o tal “menino do ônibus” sem sorte. E, por causa dessa paixão repentina, ela também não tem interesse em sair com mais ninguém. Dá até uma aflição! Passados 12 meses, o caminho deles volta a se cruzar, mas com uma grande complicação…

Minha Versão de Você, Christina Lauren (Hoo)
Vale a pena anotar o nome dessas autoras (sim, são duas). Em 2018, elas tiveram até uma das suas obras (não essa!) eleita na categoria “Melhor História de Amor” pela Biblioteca Pública de Nova York. Tanner Scott é um adolescente que sabe que é bissexual e que não tem problemas em casa por causa de sua sexualidade, muito pelo contrário, tem o apoio de sua família que sempre incentivou ele e as irmãs e serem quem realmente são. Ao se mudar da Califórnia para Utah, Tanner se dá conta de que uma cidade populada por uma grande parcela de mormóns talvez não o aceitasse, por isso, não conta nem para a melhor amiga. Só que ele acaba se apaixonando por ninguém menos do que o filho do bispo! E aí começa a viver um conflito de emoções. De cara, parece que esse sentimento é um tanto recíproco, o que nos faz questionar: como isso vai acabar? Eu voto sempre pelo amor!

* Colaborou para o Papelpop com essa matéria a incrível e talentosa @rafaelapolo, que você precisa seguir no Instagram se ama muito livros.

Comentários

Topo