Menu Papel POP

Ué? Alex Turner diz que tocar músicas antigas do Arctic Monkeys é como fazer covers

Trocadilhos à parte, os caras do Arctic Monkeys são mesmo mutantes. A prova disso está no último disco da banda, Tranquility Base Hotel and Casino, lançado em maio deste ano ~o disco tem uma sonoridade bem particular e se difere completamente dos trabalhos anteriores do grupo.

Entretanto, foi justamente a partir de uma pergunta sobre a composição sonora do disco que, em entrevista ao site BeatRoute, o vocalista Alex Turner disse que a banda tem uma opinião bastante particular na hora de incluir as velhas canções na setlist.

“Parece que estamos fazendo um cover ou algo assim quando tocamos canções do primeiro álbum. Mas eu não odeio isso. Só chegou em um ponto em que tocar Mardy Bum ou algo parecido não parece ser uma música minha mais.”

Turner também comentou sobre o processo criativo das letras. Segundo ele, embora tocar músicas antigas não sejam mais sua praia, o primeiro disco do AM (Whatever People Say I Am, That’s What I Am Not) tem muito a ver com o trabalho mais recente. Uai?

“Há algo no estilo destes dois discos que se relacona diretamente nas letras. Talvez eu estivesse mais disposto a me colocar no meio do período que compreende os lançamentos destes dois discos, mas muita coisa falava explicitamente sobre eventos que de fato aconteceram. Depois fugi desse estilo, deixei de ser tão explícito. Agora parece que tem um pouco dessa essência de ser tão direto e claro quanto era no começo”.

Enquanto eles não se decidem sobre o que de antigo entra na setlist, espia só esse live de Mardy Bum (a própria!) na última semana. A apresentação durante um show da trupe no último dia 22 de setembro, tocando em casa, na pequena Sheffield.

Comentários

Topo