Menu Papel POP

VMA 2018 celebra a Havana de Camila Cabello, reconhece o poder de JLo e a realeza de Aretha

Quem dizia que o VMA havia perdido a mão de vez se enganou feio, pois na edição de 2018 a premiação conseguiu reunir momentos memoráveis como há tempos, de fato, não se via.

Com convidados que iam desde grande ícones a artistas com pouco tempo de estrada, a premiação revisitou edições anteriores e conseguiu trazer parte de sua essência tradicional para o tempo presente.

Sim, foi uma tentativa de resgatar episódios passados em que a gente realmente parava e sentava diante da TV esperando por grandes momentos. E a noite já começou com gostinho de quero mais para a Cardi B, que não faz um ano lançou o disco Invasion of Privacy e levou, de cara, o prêmio de Hit do Verão por I Like It.

Este foi o primeiro da noite, distribuído enquanto ainda rolava a chegada pelo pink carpet. Mais tarde, ela levou outros dois prêmios das demais nove categorias em que estava indicada.

Por falar em Pink Carpet, quem também causou aquele frisson básico foi Shawn Mendes. Todo lindo ~nenhuma novidade né?~, o príncipe canadense abraçou as fãs, posou para as fotos e deixou a gente sem ar com esse sorriso <3

Mas nada superou o clima de romance da Ariana Grande com Pete Davidson, que chegaram abraçados e, acredite, só se desgrudaram mesmo durante a apresentação do cristalzinho do pop, que viria logo mais:

Falamos dela, mas foi justamente a Cardi B quem abriu a premiação, segurando um astronauta envolto em uma manta – uma clara alusão a Kulture, sua filha com o rapper Offset, recém nascida hahahaha maravilhosa!

Ela também chamou a atenção para o machismo que classificou sua missão como mãe como um aspecto “anulador” da carreira. Ícone multi-facetado faz assim!

Mas quem fez as honras da casa foi Shawn Mendes, cantando In My Blood. Nós não vamos nos demorar para descrever a apresentação. Imagine apenas que ele tenha se molhado em uma camisa branca… nossos corações simplesmente pararam.

Pausa para apreciação novamente, agora em fotografias:

Falamos também que o VMA 2018 foi um resgate dos anos 1990, certo? Isso também inclui os grandes shades (quem lembra da Madonna com a Courtney Love, em 1995?). Desta vez rolou um desconforto com a Camila Cabello e a humorista Tifanny Hadish.

Prestes a apresentar uma das categorias, Hadish mandou um alô para a Camila, sentadinha ali na primeira fila, e para os telespectadores, sentados confortavelmente no sofá de casa ~ e que também incluíam as ex-colegas da cantora nos tempos do Fifty Harmony.

Saca só o que ela disse:

“Camila Cabello foi indicada em 5 categorias, para vocês que estão em casa… ‘Oi Fifth Harmony’.

Nicki Minaj tomou as dores e ao subir no palco, não fez rodeios:

“Não falem da Normani, ela é minha garota.”

Pois pouco tempo depois ela voltou, trajada como uma rainha envolta em um manto cor-de-rosa e botou todo mundo pra dançar ao som de um medley com Majesty, Barbie Dreams e Fefe. Realmente, a real queen!

Nessa onda de medleys, em seguida quem protagonizou um dos grandes momentos da noite foi Jennifer Lopez. Homenageada com o MTV Vanguard Awards, que reconhece nomes influentes tanto na produção musical como no cinema, a cantora subiu ao palco e fez todo mundo entender rapidinho o por que de ela ser merecedora do prêmio.

Ostentando hit atrás de hit, Jennifer Lopez trouxe tudo o que a gente sempre quis em uma apresentação pop contemporânea: muita dança, muito carão e claro, a sabedoria para mesclar grandes sucessos com músicas atuais.

Tudo impecável:

No discurso de agradecimento, JLo foi categórica ao dizer que os obstáculos só a motivaram ainda a mais a chegar onde está.

“Quando as pessoas diziam q eu só podia fazer uma dessas coisas e que eu me esforçava demais, eu sempre tinha em mente: por que não?”

Ariana Grande também deu o ar da graça, amparada por pilastras e CINQUENTA dançarinos. Em uma espécie de releitura da santa ceia, deu vida a um verdadeiro God is a Woman. Não faltou falsete e uma surpresa fofa: ela terminou a apresentação de mãos dadas com as mulheres de sua vida, inclusive a avó <3

Ariana, por que tão perfeita?

Representando mais uma vez a América Latina, Maluma surgiu a celebrar seu espanhol. Em um terno prateado, o colombiano entoou o hit Felices los 4 ~acompanhado pelo já costumeiro time de dançarinas.

Porém, o grande momento da noite viria com o anúncio da categoria Vídeo do Ano. Fazia exatos nove anos que Madonna não colocava os pés no VMA. Em um visual bem Elke Maravilha, com tranças nos cabelos, antes de revelar o vencedor, a rainha prestou uma homenagem a Aretha Franklin, que nos deixou na última quinta-feira (16).

Em seu discurso, Madonna contou como a música de Aretha mudou a sua vida, quando ela ainda sonhava com a fama:

“Ela me trouxe para onde estou. E ela influenciou tantas pessoas. Eu quero te agradecer Aretha por ter nos empoderado. Todas nós. Descanse em paz. Vida longa à rainha!”

Quem levou o prêmio foi Camila Cabello, que não se conteve e rasgou-se em elogios para o ícone ao longo de seu discurso de agradecimento. A gente te entende, Camila! All hail the Queen!

Ainda tá curioso? Cata só a lista completa de vencedores:

Clipe do ano
Camila Cabello ft. Young Thug – “Havana”

Artista do ano
Camila Cabello

Música do ano
Post Malone ft. 21 Savage – “rockstar”

Artista revelação
Cardi B

Melhor colaboração
Jennifer Lopez ft. DJ Khaled & Cardi B – “Dinero”

Melhor pop
Ariana Grande – “No Tears Left to Cry”

Melhor hip-hop
Nicki Minaj – “Chun-Li”

Melhor latino
J Balvin, Willy William – “Mi Gente”

Melhor dance
Avicii ft. Rita Ora – “Lonely Together”

Melhor rock
Imagine Dragons – “Whatever It Takes”

Melhor vídeo com mensagem
Childish Gambino – “This Is America”

Melhor fotografia
The Carters – “APES**T” – Benoit Debie

Melhor direção
Childish Gambino – “This Is America” – Hiro Murai

Melhor direção de arte
The Carters – “APES**T” – Jan Houlevigue

Melhores efeitos visuais
Kendrick Lamar & SZA – “All The Stars”

Melhor coreografia
Childish Gambino – “This Is America”

Melhor edição
N.E.R.D & Rihanna – “Lemon”

Comentários

Topo