Menu Papel POP

Rami Malek rebate críticas sobre abordagem da bissexualidade de Freddie Mercury em cinebiografia

Bom, a gente não sabe vocês, mas por aqui estamos todos curiosos quanto a Bohemian Rhapsody, cinebiografia de Freedie Mercury em seus anos de Queen, que ainda demora um pouco a chegar às telonas ~somente no dia 24 de outubro~.

Por outro lado, houve quem quisesse tirar suas próprias conclusões a partir do primeiro trailer do longa, lançado em maio, como foi o caso do cineasta Bryan Fuller.

Segundo ele, a ausência de uma abordagem mais aprofundada sobre a homossexualidade do vocalista é um problema. Nas imagens, Mercury, que era abertamente bissexual, aparece flertando com uma mulher. À época, o caso foi parar no Twitter.

“Qualquer pessoa levemente irritada (o suficiente para twittar isso) diria que o trailer de Bohemian Rhapsody apresenta o superstar gay flertando com uma mulher, mas nenhuma indicação de seu amor por homens?”

O debate ganhou forças e atingiu grandes proporções na rede social, até que chegou nesta semana, após um looongo tempo, aos ouvidos de Rami Malek, ator responsável por dar vida ao cantor no longa.

Questionado sobre o roteiro ter dado este suposto enfoque, o Malek argumentou em favor da produção. Ele disse que será feito um retrato completo do ícone do rock e que é inviável fazer qualquer tipo de julgamento a partir de um compilado de imagens de um minuto de duração.

“É uma pena que as pessoas estejam fazendo comentários depois de um minuto após assistir o trailer, a partir de um momento em que você só quer ver a música. É difícil. Primeiro de tudo, deixe-me dizer que eu não acho que o filme evita sua sexualidade ou a doença que o consome. Eu não sei como alguém pode evitar isso, ou se alguém quis. Mas é um pouco absurdo julgar a partir de um trailer de um minuto”.

Ainda sobre a batalha de Freddie Mercury contra a AIDS, Malek comentou que a melhor maneira de abordar o tema em uma produção deste caráter é tratando-a com respeito.

“O filme precisava abordar isso de uma maneira delicada. Não dá para fugir disso e foi um momento importante para se ter na narrativa, algo que no final é muito triste, mas também muito fortalecedor”.

O que você acha sobre? Assista ao trailer:

Comentários

Topo