Menu Papel POP

“Diretor do pop”: Felipe Sassi fala sobre clipes que já fez e a grande novidade que vem aí

Este post não contém tags.

Sem dúvida nenhuma, você já deve ter ouvido falar ou visto esse nome em algum clipe de uma diva pop brasileira que você ama: Felipe Sassi.

O diretor paulista de 25 anos, que tem uma estética própria e facilmente notável, está no mercado de videoclipes há apenas três anos e tem em seu currículo trabalhos maravilhosos ao lado de cantoras como Karol Conká, Ludmilla, Gloria Groove, Pabllo Vittar, Wanessa Camargo e muitas outras.

Nesta sexta-feira (01), mais um nome entra em seu portfólio: Maria. A cantora carioca de 18 anos lança amanhã seu primeiro single, Toda Vez, dando o start em uma nova era de sua carreira, voltada mais ao pop, depois de ser descoberta no grupo de rap Poesia Acústica.

Além do single, o clipe de Toda Vez também chega até nós amanhã e aproveitamos essa deixa para conversar com Sassi, por ser um dos maiores nomes da indústria de videoclipes do Brasil.

Ele conversou com o Papel Pop, contando como foi parar no mundo de videoclipes (sem querer, acreditam? Haha) e aproveitou para contar sobre suas referências, seus trabalhos que mais gosta, além de contar como foi trabalhar com grandes cantoras.

Vem cá conferir a conversa muito gostosa que tivemos com ele que afirmou que vai trabalhar com Lady Gaga ainda. Nós acreditamos, viu? <3

PAPEL POP: Então Fe, queria começar nosso papo contando que sou muito fã do seu trabalho. Quando eu preciso fazer uma matéria sobre um clipe novo, por exemplo, e vejo o letreiro “Um filme de Felipe Sassi” eu já fico animado! Haha Como você foi parar no mundo dos videoclipes?

Felipe Sassi: Eu sempre amei cinema, desde criança. Eu era viciado em cinema. Eu ia no cinema e via três filmes, eu levava a locadora embora. Sempre vivi nesse universo, inclusive cheguei a trabalhar em uma. Meu sonho sempre foi fazer cinema e, por não ter dinheiro para fazer cinema fora e nenhuma boa faculdade aqui, depois de muitas tentativas, eu resolvi fazer publicidade. No curso, todo trabalho que a gente tinha sobre campanhas, eu inventava de fazer vídeos. Então, sempre eu estava produzindo algum vídeo e por meio disso, eu fui me testando, vendo o que eu gostava.

No terceiro semestre da faculdade, eu fiz um clipe da Lady Gaga, Blood Marry, vocês até compartilharam haha e ele até viralizou. Hoje ele tem acho que 200 mil views. E foi isso que me deu visibilidade para trabalhar no clipe de Tombei, da Karol Conka, que eu assinei assistência de direção, roteiro e edição. A partir disso, ela me indicou para o Boss In Drama, que foi o meu primeiro clipe profissional,  o Lista VIP. A partir disso, eu comecei a fazer vários videoclipes para a Warner.

É um mundo que eu amo muito, porque eu sempre consumi muitos videoclipes. De divas do pop, né? Eu caí nesse caminho, não por escolha minha, mas a maré foi me levando. Ainda tenho ambições e sonhos de trabalhar com cinema.

PP: Todos os seus trabalhos são bastante marcados e nítidos que tem sua assinatura. Como vc acha que criou sua linguagem única e reconhecível?

Felipe Sassi: Por algum tempo, eu não enxergava uma assinatura minha. Eu ficava tentando analisar e, hoje em dia, eu vejo . Eu me encontrei bastante e eu acho que o que torna minha linguagem reconhecível é essa mistura do cinema com o universo pop, que são dois universos que eu consumi a vida toda. Por mais que o clipe seja estético, ele tá contando uma história, por mais simples que ela seja. Está passando uma mensagem ali. O que eu mais gosto são imagens fortes porque eu acredito muito que a gente tenha essa abertura para falar. Temos esse espaço e temos que falar de questões importantes. Tem clipes que a gente brinca mais, mas tem outros que a gente gosta de tocar em pontos que tem que ser ditos.

PP: A maioria dos que clipes que vc faz sempre intercalam ‘closes’ perfeitos das nossas divas com planos abertos acompanhados de muita coreô e looks baphos. Vc ama essa estética? Quais suas principais referências?

Felipe Sassi: Eu amo esse mundo meio musical, como se fosse um filme musical. A gente coloca um cenário de filme dentro do clipe, para várias pessoas dançarem e cantarem. Então, eu tento misturar atuação e musical, para construir um mundo específico. Eu amo o universo do Tarantino, essa linguagem sádica que ele tem, assim como a fotografia do Steven Klein, e eu acho que consegui trazer essa minha essencial em Bumbum No Ar, em Loko. Fora isso, uma das minhas maiores inspirações é, sem dúvida, Lady Gaga. Ela tem um papel muito importante na minha vida, no meu processo de aceitação, de descobrir meu lado artístico. Me identifico muito.

PP: Você já trabalhou com Gloria Groove (muitas vezes haha), Lud, Wanessa, IZA. Qual o seu trabalho recente que vc pensa: “Caralho, isso ficou foda”? Confesso que eu enquadraria Dona De Mim se eu pudesse! Haha Eu amo!

Felipe Sassi: Eu tenho vários clipes favoritos, um deles é Ginga, por tratar de coisas muito importantes. Gravar ele foi muito forte, teve uma energia incrível e e eu acredito muito na fé. Tudo o que eu faço na vida é motivo a fé e acho que Ginga transmite muito essa energia. O que a gente sentiu no set. O mais recente é Coisa Boa, eu sinto, como artista, eu fui para um próximo “nível”. Nós, artistas, temos sempre que nos redescobrirmos e lá eu misturei meu lado publicitário e cineasta, e eu misturei clipes que eu já tinha feito, abrindo para projetos que ainda vem por aí. Eu amei a repercussão que teve, eu amei como as pessoas se engajaram, amei a história. Sou apaixonado por esses trabalhos, sou apaixonado pelo o que eu faço. Além disso, ele traz um discurso de resistência dentro do presídio. É um trabalho completo e tenho muito orgulho do resultado.

PP: Agora vamos falar do que vem por ai! Sexta agora, a carioca Maria estreia no mundo pop com Toda Vez. Como foi trabalhar com essa artista que vem com tudo?

Felipe Sassi: Maria é uma artista nova que a gente conheceu por meio do Poesia Acústica e ela é uma garota cheia de ótimas referências. Nesse primeiro trabalho, ela traz uma música pop, com essência do funk mas eu quis trazer essa identidade que eu enxergo na Maria, que vem do rap e do hip-hop. Então, eu trouxe todo esse universo pra dentro do clipe dela, pegando referências de Jorja Smith, Nicki Minaj, Iggy Azalea. Trouxe uma estética até diferente de uns trabalhos que eu costumo fazer, mais cool, com recortes, com uma textura um pouco diferente nos cenários e nos looks, levando realmente para um lado que a gente não costuma fazer.

Maria é uma pessoa muito tranquila e disposta e trabalhar com ela foi incrível.  Trabalhar com uma nova artista é bom porque você vai entendendo o perfil dela. A gente não tinha muita referência de quem era a Maria num videoclipe, por exemplo, pra entender por qual caminho eu devia seguir. A gente foi descobrindo juntos ali. Eu vendo o que era mais legal, os movimentos. Ela foi exalando com naturalidade essa essência dela e fomos conduzindo juntos pra um resultado bem legal.

PP: E novos projetos, o que você pode adiantar para nós?

Felipe Sassi: O que eu posso dizer é que tem mais coisa boa vindo por aí. Tem um projeto que está vindo por aí que a gente vai homenagear a essência brasileira, nossas raízes. É um discurso que precisa ser falado também porque não se é muito falado por essas questões que vamos abordar – que não vou contar para manter a surpresa, tá? Haha Estou com a mente e o coração abertos para os novos projetos pra gente aproveitar e pode ter certeza que vamos continuar trazendo discursos que são importantes para nós como sociedade. Muito mais pop e cinema!!

PP: Você tem vontade de trabalhar com mais alguém?

Felipe Sassi: Se eu tenho vontade de trabalhar com alguém? Sim, Lady Gaga, número 1. Sim, Little Monster até o fim e vou trabalhar com ela, tenho certeza disso. Tem várias outras pessoas que eu tenho vontade de trabalhar também. O universo vai trazer no momento certo, assim como trabalhar cinema. Eu sou realizado com o que eu faço, principalmente porque eu sou o público do que eu faço. Eu sou uma poc, que adora o universo pop e que realiza muitos sonhos e fantasias a cada trabalho.

 

E aí, curtiram o papo? Além de ser nosso crush, Felipe é um artista de mão cheia!

Antes de você assistir ao primeiro clipe de Maria com direção dele, vem assistir a Coisa Boa, o último trabalho do diretor.

Comentários

Topo