Menu Papel POP

Após sofrer homofobia na internet, Leonardo Vieira escreve carta emocionante

MAIS SOBRE:

O reveillon de Leonardo Vieira, que interpretava o Balaão de Os Dez Mandamentos, não foi dos mais legais. No último dia 28, o ator foi ~flagrado~ beijando um cara em uma festa no Rio de Janeiro e, desde então, tem sofrido ataques homofóbicos na internet. Afinal, como pode um cara gay fazer mais sucesso com as mulheres que um hétero, né?

Nesta segunda-feira (9), no mesmo dia em que compareceu à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática para registrar ocorrência, o ator publicou uma carta aberta MARAVILHOSA sobre tudo o que aconteceu. “Nunca escondi minha sexualidade, quem me conhece sabe disso. Não estou ‘saindo do armário’, porque nunca estive dentro de um. Também nunca fui um enrustido”, disse ele, que contou ser assumido desde sempre para seus amigos e familiares.

Leonardo aproveitou para trazer à tona um dilema presente na vida de muitos caras famosos que são gays mas, com medo de ter a carreira prejudicada, preferem não se manifestar sobre sua sexualidade e mantém uma vida amorosa “discreta”.

O fato de ser gay nunca prejudicou ou feriu alguém, a não ser a mim mesmo; e não escolhi ser gay. Se pudesse escolher, escolheria ser heterosexual com certeza. Seria muito mais fácil a vida, não teria que ter enfrentado as dificuldades que enfrentei com meus pais, não seria discriminado em certos círculos sociais, teria uma família com filhos (sempre sonhei em ser pai), não sofreria preconceito de colegas, não seria atacado nas ruas, não seria xingado nas redes sociais, não deixaria de ser escolhido para certos personagens, seria convidado para mais campanhas publicitárias e capas de revista. Tenho vivido e venho sofrendo preconceito durante toda a minha vida e na maioria das vezes ninguém percebeu, só eu senti na pele, mas nem por isso me vitimizei.

Apesar do incômodo trazido pelo clique do fotógrafo, Leonardo agradeceu o profissional por ter feito as fotos. Para ele, foi uma oportunidade de “tirar um peso das costas”.

Sobre o episódio do “beijo gay”, que a princípio parecia ser um “escândalo do último minuto” ou uma pedra no caminho, eu parei para refletir e vi que era, na verdade, um presente. Uma ótima oportunidade para tirar das minhas costas algo que me fez sofrer por muitos anos. Agradeço sinceramente ao site e ao fotógrafo que publicaram as fotos do beijo, pois assim me vi na obrigação de escrever essa carta e deixar clara a minha posição, tirando, assim, um peso que carrego há anos nas costas, além de poder ajudar a tantas pessoas que sofrem preconceitos, discriminação ou ainda não assumiram sua sexualidade. Estou me sentindo bem mais leve, mas poderia estar me sentindo bem mais pesado, caso eu não tivesse o suporte de minha família e amigos.

Como se não bastasse, Leo terminou sua carta da melhor maneira possível: agradecendo a grandes atores, cantores e personalidades que, antes dele, “deram a cara a tapa”.

Para terminar esse manifesto gostaria de homenagear e agradecer algumas pessoas que, antes de mim, tiveram a coragem de dar sua cara à tapa e declararam suas orientações sexuais sem medo de enfrentar as consequências: Kevin Spacey, Rick Martin, Ian McKellen, Alessandra Maestrine, Marco Nanini, Ney Matogrosso, Daniela Mercury e tantos outros. Deixo aqui meu muito obrigado e todo meu respeito a todos que lutam por esta causa: a da liberdade para que todos possam ser quem são.

Incrível, né? Pra quem quiser ver esse Homão da Porra® ao vivo, é só colar no Teatro Folha. A partir desta quarta (11), ele estará em cartaz por lá com a peça Nove em Ponto. ;)

E você? O que achou de tudo isso?

Comentários

Topo