Menu Papel POP

Fifth Harmony: Lauren Jauregui escreve carta poderosa a eleitores de Trump e se declara bissexual

A Lauren Jauregui, uma das meninas da girlband Fifth Harmony, escreveu uma carta incrível publicada sexta-feira (18) à noite na Billboard manifestando sua indignação quanto a eleição de Donald Trump para presidente dos Estados Unidos e todos que votaram nele.

* Jennifer Lawrence escreve carta sobre eleição de Trump: “Não tenha medo, faça-se ouvir!”
* Sara Ramirez, a Callie de “Grey’s Anatomy”, se declara bissexual em discurso

No mesmo texto, Lauren se declara bissexual ao citar que faz parte de minorias no país e frisar que tem muito orgulho de ser mulher e de suas origens.

Vem ler a carta traduzida na íntegra:

“A todos que apoiam Trump que tentam dizer que votar nele não significa que sejam racistas, homofóbicos, sexistas, xenófobos, idiotas… que vocês apenas gostam de como ele não se importava com o que as pessoas pensavam e apenas dizia o que queria… que ele não era um político, então ele não fazia parte da ordem política estabelecida e não tinha dinheiro corrupto o apoiando… isto é para vocês: Suas palavras são inúteis, porque suas ações levaram à destruição de todo o progresso que fizemos socialmente como nação. Com ignorância e se recusando a entender o jeito que o governo e o mundo funciona, vocês permitiram que um magnata dos negócios com fome de poder comandasse os Estados Unidos da América. ‘A terra dos livres, o lar do corajosos, sob Deus, indivisível, com Liberdade e Justiça para TODOS’. Vocês são HIPÓCRITAS.”

Ver essa foto no Instagram

Monterreyyyy, listos??

Uma publicação compartilhada por Lauren Jauregui (@laurenjauregui) em

“Restaurar a América ao que era antes é apenas estagnar o progresso das nossas consciências. Vocês votaram em uma pessoa que construiu uma campanha de 18 meses baseada no ódio. Ele manipulou todos vocês com tanta facilidade ao falar com suas partes mais obscuras que começaram a se sentir envergonhadas pela maneira como encaravam o mundo ‘politicamente correto’. Ele se tornou o campeão de vocês porque falou com as partes que pensam que vocês são superiores ao resto de nós (como Hitler fez na Alemanha antes do Holocausto! Basta ler sua autobiografia: ‘Mein Kampf’). Este mundo politicamente correto que nós criamos, que é na verdade apenas um mundo com etiqueta social, no qual temos eliminado a linguagem do racismo e explicado o porquê disso, onde estabelecemos o feminismo como uma noção crescente de fazer as mulheres perceberem o seu valor e o mesmo direito a serem tratadas como os seres complexos que são os homens (e isso claramente precisa de muito trabalho considerando como as mulheres em toda a América, especialmente as mulheres brancas, votaram por este homem que insultou sua própria existência cada vez que ele abriu a boca ou desrespeitou Hillary durante sua campanha), onde tivemos de criar inúmeros rótulos para ajudar as pessoas queer — que não se encaixavam no molde cis heterossexual — a se sentirem válidas e reconhecidas em um mundo onde o pensamento fechado fez com que elas se sentissem invisíveis por tanto tempo. Esse é o comportamento ‘politicamente correto’ do qual você quer se livrar? Você quer fazer com que a América se torne um mundo onde os seres humanos ao seu redor sentem medo de serem eles mesmos e viverem e amarem livremente?”

Ver essa foto no Instagram

❤️ #nyfw #GUESSAllAccess

Uma publicação compartilhada por Lauren Jauregui (@laurenjauregui) em

“Além disso ser muito egoísta, também não é nada parecido com Cristo, porque o seu Deus está vendo isso e Ele conhece seus corações e Ele está ciente da verdadeira razão pela qual você escolheu esse humano para comandar o país mais poderoso do mundo, e eu prometo que o Deus que eu conheço e amo não tolera julgamento e ódio. E eu sei disso, porque eu fui criada como católica em uma casa latina e estudei numa escola particular católica durante toda a minha vida, então eu estudei a religião ou a Bíblia mais do que a maioria de vocês estudaram. A única razão é a incapacidade de vocês aceitarem o mundo crescente ao seu redor. Vocês escolheram o ódio. Seus corações escolheram se separar como pessoas superiores, quando o único ser superior neste universo inteiro é muito maior do que vocês. Nosso ‘politicamente correto’ que seu vencedor, Donald Trump, tão descaradamente ignorou durante toda a sua campanha e agora com a nomeação de seus conselheiros e outros funcionários do governo, é a linguagem que temos trabalhado incansavelmente para nos sentirmos seguros em um mundo que nunca para de nos lembrar que somos minorias. Eu sou uma mulher bissexual cubana-americana e tenho muito orgulho disso. Tenho orgulho de ser parte de uma comunidade que tem projetos de amor e educação e de apoio uns aos outros. Tenho orgulho de ser a neta e filha de imigrantes que foram corajosos o suficiente para deixarem suas casas e chegarem a um mundo totalmente novo, com uma língua e cultura diferentes e mergulharem sem medo para começarem uma vida melhor para si e suas famílias.”

Ver essa foto no Instagram

This was my favorite outfit in case you couldn't tell..🙈 @allantroy_ ilysm

Uma publicação compartilhada por Lauren Jauregui (@laurenjauregui) em

“Tenho orgulho de ser uma mulher. Orgulho do sexo entre minhas pernas que fornece uma força e resistência em mim que só outras mulheres podem sentir, que o meu corpo tem curvas que me permitem criar vida dentro de mim, que toda a minha vida está repleta de adversidade e dúvida e pessoas questionando a minha inteligência e meu potencial artístico e minha própria expressão e minha virtude e honra porque sou mulher demais. Tenho orgulho de provar que estão errados. Tenho orgulho de ter que trabalhar ainda mais para isso. Eu fui criada para sentir que eu posso fazer QUALQUER COISA, e eu sempre vou acreditar nisso. Tenho orgulho de sentir todo o espectro de meus sentimentos e aceitarei com prazer o rótulo de “cadela” e “problemática” por falar o que penso da mesma maneira que qualquer homem seria admirado e respeitado por fazer igual. Mas, também estenderei a mão cheia de compaixão e empatia para qualquer pessoa me rotulando. Também sei que na minha luta por ser mulher, sou muito privilegiada. Eu nasci com uma pele mais clara e olhos verdes (graças à genética), então nessa perspectiva de mente fechada, eu sou branca. Eu vivenciei o privilégio que esses genes me deram, e eu sou grata e continuarei a falar em nome das mulheres em todo o mundo e de nosso próprio país que não vivenciam uma fração desse respeito por causa da cor de sua pele ou o que elas escolhem para vestir, ou por causa do seu cabelo, ou por causa da quantidade de maquiagem que elas usam ou qualquer outro absurdo aos quais nós mulheres somos reduzidas.”

Ver essa foto no Instagram

📸: @jazzychanfilmz

Uma publicação compartilhada por Lauren Jauregui (@laurenjauregui) em

“É realmente desanimador para mim ver tantas mulheres bonitas que não têm ideia do seu potencial. Esta eleição tornou óbvio quantas mulheres não podem enxergar isso. Falhamos como nação. Nós somos o exemplo para o mundo, e nós falhamos com nossos companheiros humanos que estavam nos observando com esperança de que não permitiríamos que o ódio prevalecesse. Tive o privilégio de estar em uma banda que me permitiu viajar por todo o mundo. Eu não posso expressar a gratidão que tenho por esta experiência, porque abriu meus olhos para muitas coisas e me permitiu ver o mundo a partir de uma perspectiva tão simples, uma perspectiva que eu entendo que poucas pessoas têm a oportunidade de vivenciar. Se eu pudesse dizer a cada eleitor de Trump duas coisas, seria para viajar e ler um livro de história. Olhe além de si mesmo, olhe quão insignificante é a moral que você defende quando percebe que não somos os únicos. Perceba que sua pele branca é o resultado da imigração da Europa, que os únicos ‘americanos’ verdadeiros são os nativos, que são povos indígenas que habitavam esta terra antes desses conquistadores de outros países (Inglaterra, França, Itália, Espanha) os eliminarem quase por completo. Nenhum de nós pertencemos aqui, mas todos nós merecemos o direito de nos sentirmos seguros e viver nossas vidas em paz. Merecemos o direito de não termos que nos preocupar em morrer, ou sermos eletrocutados, ou espancados, ou estuprados, ou abusados psicologicamente porque nossa existência e/ou nossas escolhas perturbam alguém. Este é o mundo que Trump está promovendo. Esta é a separação que tem aumentado desde o início da campanha. Nós não somos mais a América indivisível, estamos unidos em dois lados divididos; amor e ódio. Nós não estamos ‘lamentando’ pela nossa candidata ter perdido, estamos gritando gritos de batalha contra aqueles cujas agendas políticas e pessoais ameaçam nossas vidas e sanidade. Estamos nos certificando de que você está nos ouvindo, não importa o quanto incomode, nós EXISTIMOS.”

Que texto, gente! A cantora vem recebendo bastante apoio nas redes sociais e tuitou em agradecimento ontem:

“Cheia de amor, obrigada, pessoal <3”

Também no Twitter, Lauren disse que resolveu escrever a carta por causa da notícia de quem Donald Trump planeja escolher como procurador-geral – Jeff Sessions, senador com background racista.

Comentários

Topo