Menu Papel POP

Os 15 melhores videoclipes de 2015

Chegou aquele momento do ano em que damos uma olhada no que rolou de legal entre os vários videoclipes que rolaram ao longo dos meses. É difícil escolher quinze melhores produções com tantas maravilhosas que saíram, mas está aqui a nossa lista.

Muitos deles andaram junto com as revoluções sociais que aconteceram ao longo do ano e serviram como um “statement” de resistência e protesto. Também vale salientar que nossa lista tem mulheres maravilhosas da música que mandaram bem na direção dos próprios clipes.

Além de escolher por produção e visual, nosso Top 15 também celebra aqueles clipes que viraram símbolo pop em 2015. Saca só:

1º) David Bowie – “Blackstar (★)”

David Bowie lança seu 25º álbum, “Blackstar”, no dia 8 de janeiro e logo ao anunciar o trabalho nos deu essa obra audiovisual de dez minutos que é tão surreal quanto seus clipes pelos quais ficou tão conhecido em décadas passadas.

Há um ar de revisitação com referências à “Space Oddity” e “Starman”, enquanto Bowie parece ser um grande profeta obscuro falando de seu legado. Há uma caveira com jóias, uma ceita, dançarinos macabros e cenários magníficos.

O clipe dirigido por Johan Renck (trabalhou com Madonna, New Order, Robyn e Robbie Williams) ainda é um mistério. Será que teremos mais revelações nos próximos videos?

2º) FKA Twigs – “M3LL155X”

Essa britânica maravilhosa só faz vídeos fantásticos, mas se superou em 2015 quando lançou de surpresa seu recente EP, “M3LL155X” (se fala “Melissa”), acompanhado de uma obra audiovisual incrível. “M3LL155X” é um conjunto de quatro vídeos, dirigidos pela própria FKA Twigs, que mostra o desenvolvimento sexual de Melissa, desde quando a “semente” é plantada em “Figure 8”, o ato do sexo extremamente dramático e visual em “I’m Your Doll” (que faz uma crítica ao estupro) até a gravidez e o parto artístico em “In Time” e “Glass and Patron”.

Precisamos dar atenção na vez de “In Time” onde a britânica se mostra uma diva R&B maravilhosa e em “Glass and Patron” com a competição de voguing linda.

Mais uma vez, Twigs mostra o quão rico é o olhar cinematográfico dela.

3º) Kendrick Lamar – “Alright”

Um filtro preto e branco nunca ficou tão lindo num clipe quanto em “Alright” do Kendrick Lamar. Muito além disso, o vídeo é um tapa na cara sobre a violência nos bairros pobres dos Estados Unidos. A música já é considerada por lá um dos hinos de resistência, e vemos isso claramente com Kedrick Lamar curtindo com os parceiros num carro – e quando nos afastamos da câmera vemos que estão sendo todos carregados por policiais brancos.

Lamar diz que apesar da violência e do racismo, tudo vai acabar dando certo, e faz isso de forma artística agindo como se fosse uma entidade que contagia todos por onde ele passa.

4º) MIA – “Borders”

Num ano em que a candidatura do Donal Trump nos EUA é um perigo e tivemos o episódio dos refugiados sírios, MIA chega com uma música que dá a cara à tapas e pergunta a quem a meritocracia e o controle de armas está privilegiando. PÁÁÁÁH! E faz isso de forma grandiosa no clipe de “Borders”.

Dirigido por ela, “Borders” mostra um grande império de homens refugiados fazendo seus esforços para entrar no país. Além de atacar a xenofobia, a britânica ainda nos dá sequências lindas como a do grande navio formado por homens e as cenas nas grades.

5º) Missy Elliot – “WTF (Where They From)”

Uma coisa que estávamos sentindo falta da Missy Elliot: seus clipes loucos onde há várias coisas acontecendo apenas para ser bonito e criativo. Ela sempre foi conhecida por isso (lembra de “Lose Control” e “Get Ur Freak On”?), e não podia ser diferente com o tão aguardado retorno em “WTF (Where They From)”.

Missy parece ser uma diva do futuro que aparece nas ruas do presente com suas dançarinas e deixa a cidade mais colorida. O que é aquela roupa maravilhosa de disco ball? Sem contar as coreografias geniais com as dançarinas e o figurino maravilhoso.

6º) Björk – “Black Lake”

É bem difícil escolher o melhor clipe do “Vulnicura” da Björk. Ela fez a capa do álbum criar vida com “Lionsong” e usou a realidade virtual com “Stonemilker”. Mesmo assim, “Black Lake” nos remete à grandiosidade da natureza que a islandesa tanto ama enaltecer.

A música fica cada vez maior ao longo dos dez minutos e o clipe ilustra muito bem isso mostrando Björk fugindo de uma caverna, tendo um momento de libertação junto com as batidas mais fortes e ficando mais colorida com a natureza quando finalmente sai do escuro.

O vídeo é dirigido por Andrew Thomas Huang, responsável pelos clipes de “Family”, “Stonemilker” e “Mutual Core” dela.

7º) Adele – “Hello”

Um clipe em sépia seria cafona se qualquer outro artista fizesse a não ser Adele. Xavier Dolan, que já conhecemos por “Amores Imaginários” e outros filmes, dirigiu o tão esperado retorno da cantora e fez um vídeo lindo que é uma viagem ao passado em todos os sentidos. Tanto pela fotografia quanto pela história e elementos de cenário.

Sem contar que “Hello” finalmente mostra Adele se elevando ao patamar de diva com sequências ao vento lindas, figurinos grandiosos e vários cortes fechados para mostrar essa mulher maravilhosa!

8º) Rihanna – “Bitch Better Have My Money”

O que dizer desse clipe da Rihanna que é tão sangrento e trash quanto um Filme B? “Bitch Better Have My Money” mostra a cantora no papel de uma agiota durona que se cansou do riquinho devendo dinheiro e rapta a esposa dele. O vídeo faz uma perfeita junção da atitude “bad-ass” da Rihanna com referências a diversos filmes thriller.

Tem violência acontecendo escondido em motel barato, desmembramento, um senso exagerado e estereotipado de cenário e figurino… Nós amamos!

9º) Nicki Minaj – “Feeling Myself” (feat. Beyoncé)

Vamos incluir “Feeling Myself” no Top 10 mesmo sendo injustiçados por só ter no TIDAL. O que pode dar errado ao juntar Nicki Minaj e Beyoncé no mesmo clipe pra fazer um monte de nada? Deu tudo certo! Hahaha. O resultado foi um clipe muito pop, cheio de looks para querer copiar e despretensioso ao nível de “7/11”, só que com produção melhor.

“Feeling Myself” é um clipe fashion, cheio de atitude feminina e divertido. Queremos mais rolês poderosos como esse! Veja nesse link alternativo.

10º) Grimes – “Flesh Without Blood/Life in the Vivid Dream”

Claire Boucher, nome real da Grimes, lançou um álbum chamado “ArtAngels” que é facilmente um dos melhores discos do ano. A cantora faz uma mistura de tantas referências pop ao mesmo tempo que vira uma bagunça mágica. E o primeiro clipe, “Flesh Without Blood/Life in the Vivid Dream”, não é diferente.

A própria Grimes cuidou da direção (viu só quantas mulheres poderosas nesse Top 15?) e criou um vídeo que mais parece uma animação japonesa surreal ganhando vida com anjos caídos, uma Maria Antonieta ensanguentada e looks endemoniados num ambiente tão colorido que chega a ser exagerado.

Quem conhece a Grimes sabe que isso tudo não é nenhuma novidade, mas seus vídeos ficam cada vez mais lindos.

11º) Anitta – “Bang”

“Bang” é o clipe pop feito para estourar que o Brasil estava precisando. Bote a Anitta num fundo branco para fazer uma coreografia legal que todo mundo pode fazer e faça animações “cool”. Pronto, sucesso instantâneo.

O clipe é dirigido por Giovanni Bianco, responsável por toda a direção artística do novo álbum e por vários trabalhos da Madonna. Será que é por isso que tivemos um vídeo que bate pau a pau com hits americanos?

Claro que o sucesso do clipe ganha força com a música chiclete e divertida, mas olha, a gente ainda vai dançar isso por muuuuito tempo.

12º) Drake – “Hotline Bling”

“Hotline Bling” foi um dos fenômenos pop dos EUA, todo mundo quis dançar daquele jeito bobão do Drake. Tão bobão quanto uma música que choraminga pela mulher que “começou a vestir menos e sair mais”.

O clipe é colorido e fashion. As cenas com silhuetas femininas são lindas! Não imaginamos jeito melhor de transformar o tele-sexo numa arte pop.

13º) Jack Ü (Skrillex e Diplo) – “Where Are Ü Now” (feat. Justin Bieber)

Além de ser a música que finalmente fez o mundo gostar do Bieber, “Where Are Ü Now” também tem um clipe engenhoso. Diversos fãs do cantor receberam uma foto do clipe e foram convidados a fazer uma arte por cima. O resultado foi um vídeo mega colorido onde cada pausa que damos tem uma arte diferente.

Também devemos dar crédito às cenas solitárias do cantor, especialmente quando ele é pintado. Fantástico!

14º) Miley Cyrus – “Dooo It!”

“Dooo It!”, o clipe da Miley Cyrus que lançou o álbum “Miley Cyrus and Her Deat Petz”, expressa a fase grotesca, trash e colorida da artista agora. É praticamente uma obra finalizada de toda a timeline no Instagram dela com montagens toscas de doce, nudez, pedaços de pizza e nojeiras.

Miley canta com um close bem fechado na cara dela enquanto cospe glitter, leite, doces e se lambuza inteira fumando um baseado. É provocante e incrível.

15º) Kanye West – Only One (feat. Paul McCartney)

Kanye West é conhecido por ser muito pretensioso. Então ele vem e nos dá esse clipe simples e emotivo de “Only One” com a grande criança do entretenimento, North West.

Kanye teve a direção de Spike Jonze (ganhador do Oscar de Melhor Roteiro por “Ela”) apenas para fazer algo fofo e simplista sobre o quanto ele é um pai que ama a filha. E o olhar dos dois é tão sincero que dá um tom de vídeo caseiro perfeito.

Por mais Kanye West amorzinho, nós adoramos!

Comentários

Topo