Menu Papel POP

Jim Carrey grava vídeo com declaração de amor para Emma Stone e diz que queria fazer sexo com ela! Hahaha!

MAIS SOBRE:

Que o ator Jim Carrey é um piadista de mão cheia, a gente sabe. Agora, que ele era completamente apaixonado pela atriz Emma Stone e que queria fazer sexo (entre outras coisas) com ela, isso é novidade! Hahaha!

O cara gravou um vídeo toscamente em casa de 1:54 minutos declarando todo o sentimento guardado dele para a atriz, que é, atualmente, um dos grandes nomes jovens de Hollywood. No vídeo, ele diz:

Eu só queria que você soubesse que você é toda linda. Não só bonita, mas, você sabe, inteligente e carinhosa. E se eu fosse bastante mais jovem, eu me casaria com você e teria crianças fofinhas com sardas no rosto. Nós riríamos o dia todo e iríamos acampar e brincar e contar histórias de fantasmas na lareira. E o sexo…? (respira fundo) Todos os dias, para o resto da sua vida, você agradeceria por eu ter a idade perfeita para você. Mas eu não tenho. Eu tenho 49 anos. E eu tenho rugas no meu rosto, às vezes uns fios brancos na minha barba e eu demoro mais para fazer xixi hoje do que antes. Esses são os únicos sinais de idade que eu consigo perceber até agora. Eu só queria que você soubesse como eu me sinto. Você é muito especial e eu espero que você continue com o sucesso artístico. Mas, acima de tudo, eu te desejo o amor e o contentamento. É isso.

Esquecendo que se trata de Jim Carrey, não é uma declaração até que fofa?

O bizarro é que o vídeo não parece ser irônico ou ter o tom de piada. Outra possibilidade seria um viral de um novo trabalho dos dois juntos, mas, como o Papelpop apurou, eles não têm nenhum projeto em andamento.

Emma Stone, que divulga atualmente o filme “Histórias Cruzadas” nos Estados Unidos, ainda não comentou a declaração ilustre.

O longa conta a história de Eugenia Skeeter, vivida por Stone, uma jovem que acabou de se graduar e se torna escritora, mas bate de frente com a mãe, que quer que ela se case, como todas as muhlheres do interior do Mississipi dos anos 1960.

Comentários

Topo