Menu Papel POP

Madonna faz 59 anos e a gente lista 59 clipes da rainha do pop, dos piores para os melhores!

MAIS SOBRE:

A rainha do pop completa 59 anos hoje e a gente comemora a data listando 59 clipes da carreira da cantora, dos piores para os melhores.

Aí você pensa: são todos os clipes da Madonna, então? Não, meus queridos. Ela tem 69 clipes. Deixamos uns dez de fora. Mas vamos logo para essa lista porque é falando dessa extensa videografia que a gente comenta a genialidade e o talento dessa cantora leonina que comemora o aniversário hoje. Vamos começar com os piores e depois vamos melhorando, tá?

59) Madonna – Love Profusion

Sim, existem muitos clipes piores que esse, eu sei. Alguns dos anos 80 com baixo orçamento, por exemplo. Mas é que esse de “Love Profusion”, dirigido por Luc Besson, é um horror. Hahahaha!

Não tem desculpa. Existia muito dinheiro pra fazer coisa melhor. É como se a Madonna colocasse um vestidinho de tiazinha e ficasse sensualizando em várias proteções de tela e papéis de parede do Windows 95. Meus olhos sangram vendo tanto mau gosto.

Depois, na posição 58, vem “American Life”. Foi uma zona. Além da música ser sofrível, o clipe acabou tendo uma versão “clean”, só com bandeiras de vários países passando atrás da cantora.

Madonna tinha feito um manifesto contra a guerra no clipe original, usando imagens polêmicas, mas decidiu voltar atrás e deixou essa versãozinha sem graça.

57) Who’s That Girl

Que breguinha. É um clipe trazendo cenas do filme “Quem é Essa Garota?”. Tem tipo uma cobertura de um prédio com um chafariz cafona, umas crianças olhando pra Madonna como se tivessem visto Deus. Aí a Madonna vê as cenas do filme na água do chafariz (hahahaha). E pior: ela tá vestindo um terno meio acinzentado com um chapéu… Um horror!

Nas posições 56 e 55, nós vemos a preguicinha da Madonna. A rainha do pop já tinha feito muito clipe incrível e a gente perdoa por isso. Mas esses dois nem dá pra chamar de clipe. Eles são qualquer coisa pra divulgar a música. Um exemplo: “Give It To Me”. A música é tão legal. Dava pra entregar um clipe mais bem pensado, sabe?

Mas ela piora com esse…

55) Get Together

Eu tenho medo desse clipe. É um amontoado de imagens de apresentações ao vivo pintadas com essa tinta rosa e roxa e meio laranja. É Madonna preguicinha, gente.

Outro exemplo de preguicinha é o da posição 54, “Miles Away”. Ah, Madonna. Não lança clipe ao vivo que é trecho de show, não. Faz isso com a gente, não. A gente não é fã de sertanejo, sabe? Ainda mais com uma música tão bonita.

Outro clipe meio estranho é o “Dear Jessie”, na posição 53. Entendo que é pra sobrinha dela. É Madonna para baixinhos, mas o clipe é um horror. Aposto que a sobrinha viu isso e falou: “jura, tia? Você fez um Like a Prayer e um Express Yourself no mesmo disco e deixou esse aqui pra mim?”

52) Give Me All Your Luvin’ (Feat. M.I.A. and Nicki Minaj)

Oi, gente, eu preciso de uma música com cheerleaders, que tenha aquele gritinho de cheerleaders… Eu tô indo pro SuperBowl e preciso de uma música assim pra celebrar a oportunidade do futebol americano e o povo me amar. Tem como trazer alguém pra faixa? Vê se a Nicki Minaj pode. Vê se aquela M.I.A. também topa?

O clipe acabou ficando tão genérico quanto a música. É qualquer coisa. E a gente não tá acostumado com qualquer coisa vindo da rainha do pop.

51) Everybody

Nem dá nem pra dizer que é um clipe. É tosco, é numa boate qualquer, mal tem iluminação e é, basicamente, a Madonna dançando do começo ao fim.

Mesmo assim, é mais simpático que “Give Me All Your Luvin” na posição anterior.

Calma que tem mais sofrimento.

A posição 50 com “Gambler”, que traz trechos do filme “Em Busca da Vitória”.

E na posição 49 tem o horrendo “Love Don’t Live Here Anymore”. É Madonna num take só, numa pilastra, sofrendo por um amor que não mora mais ali. Eu entendo. Eu não conseguiria morar num lugar tão bege com essa pilastra cafona. Deixaria Madonna chorando também.

Na posição 48 tem mais sofrência. “You Must Love Me” é uma música de “Evita”. O clipe é aquela coisa: cenas do filme. Um piano. E só.

47) Die Another Day

Olha, gente. Que se dane o dinheiro que Madonna gastou pra fazer esse clipe. Ela praticamente tentou fazer um filme de James Bond para o clipe. Eu até curto a Madonna de branco lutando esgrima com a Madonna de preto, mas é uma das piores músicas da rainha do pop. Nem o clipe consegue deixar melhor. Acho cafona demais todo o visual e a história de agente/espião e Madonna sendo presa. Não tem nada a ver com Madonna isso.

46) Secret

Ai, eu acho tão lindo esses negros do Harlem, do Brooklyn. Eu tô fazendo uma música que é um r&b… E se eu for lá toda linda e loira ficar no meio deles? Eu levo um casaco de pele, eles ficam me amando. Acho uma boa ideia. Vai ser muito chique. O clipe é até lindo e a música é maravilhosa, mas a ideia do clipe…

Então… Continuando…

Há alguns clipes com trechos de filmes que dão pra aturar. O “I’ll Remember” na posicão 45 é assim.

Outro bem bonitinho é o “This Used to Be My Playground”, nas posição 44. É do filme “Uma Equipe Muito Especial”.

43) Crazy For You 

Outro bom exemplo é o de “Crazy For You”. Madonna deu um jeito de gravar o clipe com a mesma luz do filme. Aí jogou umas cenas do longa e deu tudo certo. É “Crazy for You”, né, gente? Uma das melhores baladas da rainha do pop.

O clipe de “You’ll See”, na posição 42, é a preguicinha de volta. É bonito, mas o clipe é uma sobra de imagens do clipe de “Take a Bow”, um dos melhores da Madonna. Sério. Ela pintou com outra cor as imagens do clipe anterior e usou nessa música sofridíssima.

Nas posições 41 e 40, dois clipes de dois filmes. Um de “Procura-se Susan Desesperadamente”, que traz o hit maravilhoso “Into the Groove”.

E o outro de “Caminhos Violentos”, filme com Sean Penn de 1986, trazendo o hit “Live To Tell”. Dois musicões lindos da Madonna com clipes aceitáveis, vai.

39) Turn Up the Radio

Ai, gente, eu tô no meio de uma turnê. Eu não vou parar e fazer um clipe complicado. Vamos aproveitar que a gente vai passar pela Itália, aí a gente vai em Florença e faz algo meio sépia andando de conversível pela Toscana.

Então, Madonna… A sorte é que ficou simpático e a música é boa.

38) Girl Gone Wild

É preto & branco, tem Madonna com dançarinos sexy sem camisa, tem muita coreografia e lembra muito o clipe de “Vogue” justamente por isso, mas parece uma Madonna querendo imitar a Madonna de tempos atrás. Eu não curto muito. Até a Lady Gaga imitando a Madonna faz coisa melhor.

37) Celebration

Eu odeio a música, eu acho o clipe dispensável… É da época que a Madonna namorava o brasileiro Jesus Luz, lembra? No clipe ele aparece “atacando” de DJ. A rainha do pop dá uma moral pra ele. Tem close na tetinha do Jesus.

Seria um clipe que nem entraria nessa lista, masssss…. tem Lourdes Maria, conhecida como Lola, a filha da Madonna, vestida de “Like a Virgin” dando pinta no clipe. Ela pode ser igual à Gaga atualmente, mas nessa época era uma mini-Madonna. É fofo.

Agora coisa fica boa… Os melhores estão chegando!

36) 4 Minutes

Eu acho um clipe que não parece ser da Madonna. Podia ser do, sei lá, Ting Tings. Mas a Madonna tá linda e ela dança com o Timberlake. Eu não preciso de mais nada, gente.

35) Bitch, I’m Madonna

É simpático, é divertido, é colorido assim como a música. A gente releva o fato da Nicki Minaj aparecer num chroma-keyzinho pra fazer a parte do rap e curte o clipe mesmo assim. É legal, mas não chega a ser um dos vídeos mais incríveis da rainha do pop.

34) Like a Virgin

Olha, se não fosse pela Madonna sensualizando pelos canais de Veneza e dando pulinhos sendo fofa no começo da carreira, esse clipe de “Like a Virgin” nem estaria nessa lista. Não fosse também pela música, um dos maiores ícones e composições da história do pop, essa música nem entraria na lista. Mas ele tá aqui por ser históricoooo!

Meu momento favorito: a língua do leão que é “remixada” e se mexe no ritmo da música. É sério. Hahahah! Minuto 2:20. É icônico!

33) The Power of Goodbye

Acho chique. Tudo nos conformes. A fotografia esverdeada incomoda um pouco. Parece que eu tô dentro de um banheiro, mas no final dos 90 fazia sentido. É Madonna rica jogando xadrez toda sexy e morena. E a música? Linda!

32) Burning Up

Já estou vendo os fãs da Madonna perguntando se eu estou louco. Porque esse clipe é horrível. É medonho, é baixo orçamento. Sim, eu concordo. Mas hoje ele é retrô cool pra caralho. Tem laser, gente! Tem chroma-key mal usado. Ninguém conseguiria fazer algo assim hoje em dia. Não há nada que mais grite anos 80 que esse clipe. E a música é maravilhosa. Eu acho tudo medonho. Ela no meio da rua cantando. Sentada no chão. Hahahaha!

31) La Isla Bonita

É cafona, mas é necessário. Tem Madonna se jogando num lugar sujinho na Europa (hoje em dia ia dar problematização esse clipe) e dançando com um vestidão vermelho cheio de bolinha. Pronto. Não precisamos de mais nada. Mas ainda tem a cantora de cabelo curtinho, penteado pra trás, “giving good face”.

30) Ghosttown

Acho bonito. Amo a música e principalmente o clipe, que parece um game do Playstation. Parece “Last of Us”. Amo também o figurino apocalíptico e, principalmente, a dança da cantora com o Terrence Howard. Clipe bonito e sombrio.

29) Living for Love

Eu gosto do vermelhão, amo a coreografia, acho sexy os homens de minotauro. A música, esse house maravilhoso, ajuda a deixar o clipe ainda mais classudo. Não é um clipão de Madonnão como começa a rolar daqui pra baixo, mas é um acerto. Mas segura que agora só tem clipe icônico.

28) Fever

É muito simples. É só um chroma-key e Madonna numa explosão de cores quentes. É fogo por todos os lados. É direção de Stephane Sednaoui, que fez clipes pra Bjork, Massive Attack, Red Hot Chili Peppers e muitos outros.

27) Hollywood

Mais uma obra visual linda do francês Jean-Baptiste Mondino, que fez “Don’t Tell Me” e “Justify My Love” para Madonna. Nesse clipe, ela mostra o trash e o bonito de Hollywood numa homenagem ao trabalho do fotógrafo francês Guy Bourdin.

26) Sorry

Madonna entrando na disco music. Madonna sendo linda e entrando numa van e pegando a galera no meio da rua para dançar com ela. Animado, colorido… É uma música que faz homenagem ao som dos Pet Shop Boys, da era de “Confessions on a Dancefloor”.

25) Borderline

Amo o sapato de salto alto laranja sendo usado com uma meia verde fluorescente (minuto 2:18, gente). Amo a música, amo os looks dos anos 80, amo a Nova York retratada no clipe, o asiático fofinho por quem ela se apaixona… E tem Madonna cantando enquanto sacode uma latinha de spray. É tudo tão fofo!

24) Hung Up

Uma coisa imortal: o look da Madonna com aquela roupinha de ginástica rosa dançando em frente ao espelho da academia com cabelinho estilo Farrah Fawcett.

Isso tudo com uma música com sample do Abba. Pronto. Precisa de algo mais?

23) Oh Father

Mais um vídeo dirigido por David Fincher, que fez “Vogue” para Madonna. Nesse vídeo, ela sofre abusos do pai dela. Mistura religião, infância, tem umas câmeras-lentas lindas, muita neve e sofrimento. É todo poético. Bem bonito.

22) Bedtime Story

É estranho, é bizarrão, tem muuuuitos efeitos especiais e é deslumbre visual. É um futuro estranho que Madonna criou para uma música co-escrita com a Bjork. Deu para entender tudo agora.

21) Music

Eu amo a cafonice, a viagenzinha para o clube de strip com as amigas, o branco cafona dos chapéus de cowboy, a limousine… Tudo fica harmonizado quando você tem tantas cores e uma música incrível como essa. Aliás, nunca vi uma estrela pop acertar tanto ao flertar com a breguice do country (tanto na música quanto no visual do álbum).

20) Drowned World/Substitute for Love

Lola tinha nascido. Madonna estava reavaliando se a fama era mesmo uma coisa boa que ela tinha escolhido. O clipe mostra a rainha do pop tentando proteger sua privacidade num mundo cheio de celular e pessoas querendo um pedacinho dela. É chique. É europeu. É direção do Walter Stern, que fez o famosíssimo “Bitter Sweet Symphony” do The Verve e muitos clipes do Prodigy e do Massive Attack.

19) Papa Don’t Preach

Madonna é uma italianinha adolescente em Staten Island, em Nova York, um lugar cheio de italianos tradicionais, machistas… Ela está grávida e precisa contar para o pai dela (Danny Aiello). Amo os mecânicos. Amo a camisetinha “italians do it better”, a coreografia. É um filme, praticamente. É Madonna cutucando a sociedade com muito bom gosto.

18) What It Feels Like For a Girl

Guy Ritchie não produziu tanta coisa incrível com a Madonna (estamos falando de trabalho e não dos filhos do casal, tá?). Aquele filme “Destino Insólito” é um horror. Masssss… Ele fez esse clipe maravilhoso com ela. Você quer Madonna cheia de girl power? Toda feminista poderosa? Toda fodona no volante? Então toma.

17) Open Your Heart

Madonna num peep show. Num lugar no meio do nada, um garotinho encontra um estabelecimento em que mulheres peladas dançam. Ele vai lá, todo empolgado, põe a moedinha dele e encontra Madonna fazendo as melhores e mais significativas coreografias de sua carreira. Não, ela não tirou a roupa. Não sei se o garotinho curtiu, mas eu amei. É “Open Your Heart”, querido!

16) Nothing Really Matters

Ai, que conceito. Ai, que japonesa. Ai, que dança estranha. Ai, que asiáticonlindo sarado brincando com fogo. Ai, que vermelho lindo desse quimono. Ai, que bizarro ela segurando um saco de água. Ai, que música linda. Ai, eu amei! (pronto. essa é minha resenha de “Nothing Really Matters”)

15) Lucky Star

Taí mais uma prova de que você não precisa de muito dinheiro pra fazer um clipe maravilhoso. Madonna dando piscadinhas pra tela, figurino perfeito anos 80, dancinhas e tudo num fundo branco. Pronto. Ganhou. Ficou charmoso, ficou imortal.

14) Cherish

Ah, os sereios de “Cherish”! Que coisa linda. Aliás, que fotografia perfeita. Sabe quem dirigiu esse clipe? O imortal Herb Ritts, fotógrafo de moda conceituadíssimo. Foi ele também que fez a capa do disco de “True Blue”. Imagens poderosíssimas e lindas nesse clipe. É sexy do começo ao fim.

13) Deeper and Deeper

Uma homenagem ao Studio 54 em Nova York, ao Andy Warhol e toda a galera da arte que agitava as noites de Nova York nos anos 70. Tem participações de Sofia Coppola que, junto com a Madonna e sua amiga Debi Mazar, assistem à um dançarino loirinho só de cueca e com uma faixa na cabeça (uma homenagem ao Joe Dallesandro, muso de Warhol) dançar para elas.

Tem também a participação da drag queen Chi Chi La Rue e do ator alemão cult Udo Kier.

12) Take a Bow

Madonna se apaixona por um toureiro e vai parar numa cidadezinha da Espanha pra gravar um dos clipes mais sexy de sua videografia. Era uma época que dava pra gastar dinheiro e umas boas semanas com o objetivo de fazer um filme lindo para um clipe. Era o retorno de Madonna para o r&b e ela comemorou com esse clipão lindo!

11) Rain

Que coisa lindaaaaa! Uma ostentação de beleza, de luz perfeita, de fotografia riquíssima… E uma Madonna brincando de ser japonesa enquanto a água cai por todos os lados. Tá tudo azul brilhante e prateado e tá tudo lindo.

10) Don’t Tell Me

Mais um do francês Jean-Baptiste Mondino. A ideia é bem simples, assim como o de “Human Nature”, que vem logo em seguida, mas aí vem essa direção artística, essa edição junto com a música, essa fotografia, esse figurino, esse cenário… Pronto! Mais um clipão da porra.

9) Ray of Light

Madonna levou o nome do sueco Jonas Akerlund ao estrelato por causa desse clipe. Ele foi o diretor de um dos maiores clipes da cantora. Ray of Light levou mais de 14 dias para ser filmado! Tá bom pra você? Hoje em dia as pessoas fazem em duas diárias e olhe lá.

É Madonna abraçando a house music, flertando com o dance europeu num clipe cheio de imagens riquíssimas em time-lapse com a cantora fazendo uma dança esquisitíssima. Ganhou tanto VMA na época. Foi um estouro.

8) Bad Girl

Sabe o David Fincher? Diretor de “O Clube da Luta”, “Seven”, “Garota Exemplar” e o filme lá do Facebook? Um dos cineastas mais celebrados de Hollywood fea uma tonelada de clipes perfeitos para a Madonna. Esse de “Bad Girl” é um filme. O cara fez um filme! Um curta-metragem. Repara na história, na fotografia. Tem Christopher Walken sendo um anjo para a Madonna no clipe. É muita ostentação.

7) Human Nature

Você não precisa de muito dinheiro pra fazer um clipe foda. Se você tiver o bom gosto e a arte de um francês Jean-Baptiste Mondino, as ideias e as propostas e o bom gosto artístico da Madonna, algumas roupas de couro justíssimas vestindo você e os dançarinos saradíssimos, pronto!, você já tem um clipe foda falando de censura, sobre liberdade de expressão e sexo.

6) Frozen

Clipão da porra! Madonna no deserto, como se fosse uma assombração, vestida toda de preto, muitos véus e se transformando em cachorros e pássaros… Um visual absurdo de lindo, uma fotografia azulada e escura… Obra de Chris Cunningham, que dirigiu outros clipes que são obras-primas do pop, como o “All Is Full of Love” da Bjork.

5) Erotica

Affff! Alguém falou em fetiche? Alô, Selena Gomez! Madonna fez melhor anos atrás quando lançou esse clipe, um amontoado de cenas sexy, tabus, religião, magia negra, lesbianismo e por aí vai. Poderia ser um desastre. Poderia ficar vulgar desnecessariamente. Mas o bom gosto da Madonna, meus queridos… Dá um play que você vai entender.

4) Express Yourself

Mais uma obra de David Fincher, que fez “Vogue” e “Bad Girl” para Madonna. Taí uma das melhores parcerias da Madonna. Ninguém fez melhor que eles dois juntos.

Nesse clipe, a referência é o filme “Metrópolis”, a revolução industrial, mas com um toque feminista lindo da rainha do pop. Ela é a mulher dominante. Ela tem um exército de homens sem camisa dançando para ela. Ela transa com um deles. Ela é chique, ela tem um gato preto, vestidões… Tem muita chuva, é meio “Blade Runner”… É um festival de imagens riquíssimo.

3) Like a Prayer

Polêmico, cheio de imagens poderosas, esse clipe ainda é um problema para muitos religiosos conservadores. Madonna aparece dançando em frente à igreja, num campo cheio de cruzes pegando fogo, beija um santo que toma vida no altar e ainda tem sinais de estigmata nas mãos.

O Vaticano chegou a condenar o clipe e também teve toda aquela polêmica do comercial da Pepsi, que chegou a cancelar um contrato milionário com a rainha do pop após o lançamento do clipe. Clipão com musicão.

2) Justify My Love

Lindooooo! Fodaaaaa! Mais uma obra-prima em forma de clipe. Madonna conseguiu ser extremamente sexy e ousada num clipe cheio de fetiches e com todas as formas de amor. A direção é do francês Jean-Baptiste Mondino, que também é responsável pelo clipe de “Don’t Tell Me”.

Beyoncé amou tanto que fez uma homenagem à este clipe com o seu “Haunted”.

1) Vogue

Um dos melhores clipes da história dos videoclipes. Na minha opinião, esse vídeo da Madonna só perde para o “Thriller” de Michael Jackson numa lista de melhores clipes já feitos.

Dirigido por David Fincher (ele de novo), o vídeo é perfeitamente coreografada, iluminado, dirigido, uma música pop icônica e ainda é uma homenagem ao cinema e ao glamour dos astros e dos filmes da década de ouro de Hollywood.

Só que Madonna fez isso com as gays negras, asiáticas e marginalizadas mais pintosas possíveis, numa época em que a comunidade LGBTQ sofria com o surto da Aids e o preconceito era muito maior que o de hoje. E a dança “voguing”.

Sem Madonna, a música pop não seria porra alguma. Que Madonna faça muito mais aniversários, mais clipes e continue mostrando pra todo mundo como se faz, como é ser única, vanguarda, provocativa, genial e uma artista completa e poderosa. Meus parabéns.

Comentários

Topo